Vulnerabilidade Ambiental no Município de São Domingos – Go

Kássio Samay Ribeiro Tavares, Patricia de Araújo Romão, Ivanilton José de Oliveira

Resumo


O conhecimento do meio físico e de suas vulnerabilidades permite a investigação das limitações e aptidões de determinado local, a exemplo da investigação da vulnerabilidade ambiental à perda de solos. Esse tipo de avaliação foi testado no município de São Domingos (GO), que apresenta grande disponibilidade de recursos naturais. Para tal, fez-se uso de uma adaptação da metodologia desenvolvida por Crepani et al. (2001), que parte de informações associadas à geomorfologia, ao clima, à vegetação, aos tipos de solo e à geologia, com a finalidade de determinar áreas com maior ou menor vulnerabilidade natural à perda de solos. Dentre as adaptações, foram geradas informações quanto às alturas acima das drenagens mais próximas (Height Above the Nearest Drainage - HAND) e quanto à densidade de drenagem, para a análise da dissecação do relevo, vertical e horizontal, respectivamente. Também consideraram na análise o uso e cobertura do solo, quanto ao tema vegetação, tendo sido por isso denominada de vulnerabilidade ambiental à perda de solos. Como resultados, observou-se que a maior incoerência presente no municipio, principalmente no que remete ao uso e cobertura do solo, ocorreu entre a ocupação de áreas de Cerrado, para atividades de agropecuária, que juntamente com as condições da litologia, do solo e do relevo, tendem a ser primordiais para a ocorrência de erosões. Assim, a maior vulnerabilidade foi encontrada principalmente em regiões com maior declividade, em solos do tipo Neossolo Litólico, utilizados para a agropecuária, tendo sido quase todo o município classificado como medianamente estável ou medianamente vulnerável.


Palavras-chave


Vulnerabilidade; São Domingos; Cerrado; Recursos Naturais

Referências


ANA- Agencia Nacional de Águas. Rede Hidrometeorologica Nacional. Portal HidroWeb. Series históricas 1998-2018. Disponível em < http://www.snirh.gov.br/hidroweb/publico/medicoes_historicas_abas.jsf > Acesso em: 8/10/2018 ás 18:45. 2018

ANTAS, P.T. & CAVALCANTI, R, B. Aves comuns do Planalto Central. Brasília:

BARREIRAS, C. C. M. A. Vão Paranã: estruturação de uma região. Goiânia: UFG,2002.

BRAGA, R. Plantas do Nordeste: especialmente do Ceará. Mossoró: 3ª Editora,1976.

CREPANI, E; MEDEIROS, J. S; FILHO, P. H; FLORENZANO, T. G; DUARTE, V; BARBOSA, C. C. F. Sensoriamento Remoto e Geoprocessamento Aplicados ao Zoneamento Ecológico-Econômico e ao Ordenamento Territorial. São José dos Campos: INPE, 2001. 113 p.

Centro Nacional de Pesquisas e Conservação de Cavernas- CECAV. Cadastro Nacional de Informações Espeleologicas – CANIE. 2018 Disponivel em

http://www.icmbio.gov.br/cecav/canie.html > Acesso em 8/10/2018 as 16:17

CUNHA, Lúcio e CRAVIDÃO, Fernanda (2001) – “Territorio, urbanización y calidad medioambiental: una trilogia incompatible?”. Actas do II Encuentro Internacional de Estudios Urbanos, La Habana (no prelo) de amostras; Goiás, n0 27. Rio de Janeiro: Fundação Instituto Brasileiro de Geografia demográfico de 1991; características gerais da população e instrução; resultados e Estatística. 1991. Editora Universidade de Brasília, 1988.

FIGUEIREDO, M.C.B. et al. Análise da Vulnerabilidade Ambiental. Fortaleza: EMBRAPA Agroindústria Tropical, 2010

FLORENZANO, T.G. (org.). “Cartografia”, in Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. Ed. Oficina de Textos, São Paulo – SP, PP. (2008). 105 – 128.

GRIGIO. A. M. Aplicação de sensoriamento remoto e sistemas de informação geográfica na determinação da vulnerabilidade natural e ambiental do município de Guamaré/RN: simulação de risco das atividades da indústria petrolífera. Tese (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Geodinâmica e Geofísica, Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal, 2003.

GUERRA, A. J. T. Geomorfologia ambiental. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006. 192p.

IBGE-INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censos Agropecuários de 1980, 1985 e 1995/96. Rio de Janeiro: IBGE, 1998. v. 16.

IBGE-INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Agropecuário. 2017 . Disponível em < https://cidades.ibge.gov.br/brasil/go/sao-domingos/pesquisa/24/76693 > Acesso em 17 de outubro de 2018 as 16:45.

INPE. Fundamentos de geoprocessamento. Apostila do curso de Fundamentos de Geoprocessamento proferido pelo INPE no Ministério Público do estado de Mato Grosso. Cuiabá, 01 de julho de 2005.

Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade – ICMBio. Plano de ação nacional para a conservação do patrimônio espeleológico nas áreas cársticas da Bacia do Rio São Francisco. Organizadores Lindalva Ferreira Cavalcanti [et al.]. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2012. 140 p.

INSTITUTO NACIONAL DE PESQUISAS ESPACIAIS (INPE) (2010a). Distância vertical à drenagem mais próxima. Divisão de Processamento de Imagens (DPI/INPE), Grupo de Modelagem para Estudos da Biodiversidade, Variáveis Ambientais para a Modelagem de Distribuição de Espécies (AmbData). Disponível em: < http://www.dpi.inpe.br/Ambdata/hand.php>. Acesso em: 24 ago. 2018.

KASPERSON, R. E.; DOW, K.; ARCHER, E. R. M.; CÁCERES, D.;DOWNING, T. E.; ELMQVIST, T.; ERIKSEN,S.; FOLKE, C.; HAN, G.; IYENGAR, K. VOGEL, C.; WILSON, K. A.;ZIERVOGEL, G. Vulnerable Peoples and Places. In: HASSAN, R,; SCHOLES, R.; ASH, N. 9. ed. Ecosystems and human well-being: current state and trends Millennium Ecosystem Assessment. Washington, DC: Island Press, 2005.

KLAIS, Thalita Beatriz Antunes et al. Vulnerabilidade natural e ambiental do município de Ponta Porã, Mato Grosso do Sul, Brasil.Rev. Ambient. Água. 2012, vol.7, n.2, pp.277-290.

KOPPEN, W. 1948. Climatología: com um estúdio de los climas de La tierra. Fondo de Cultura Econômica. México. 479p.

Michaelis UOL. Dicionario online. 2018. < https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/busca/portugues-brasileiro/VULNERABILIDADE%20/ > . Acesso em: 25 de setembro de 2018 às 10:11.

MORAIS, M. A. B. No Cerrado de São Domingos-GO: a luta do camponês. Revista Faculdade Montes Belos, v. 4, n. 1, set. 2011

OLÍMPIO, J. L. S; ZANELLA, M. E. Emprego das geotecnologias na determinação das vulnerabilidades natural e ambiental do município de Fortaleza / CE. Revista Brasileira de Cartografia, nº 64, v. 1, p. 01-14. 2012.

PNUD. Relatorio do desenvolvimento humano 2014. Goiania 2018

RENNÓ, C. D.; NOBRE, A. D.; CUARTA, L. A.; SOARES, J. V.; HODNETT, M. G.; TOMASELLA, J. & WATERLOO, M. J. (2008). HAND, a new terrain descriptor using SRTM-DEM: Mapping terra-firme rainforest environments in Amazônia. Remote Sensing of Environment, v.112, p. 3469-3481.

Prefeitura de São Domingos-GO. Pontos Turísticos. 2011-2018. Disponivel em < http://www.saodomingos.go.gov.br/pagina/178-pontos-turisticos > Acesso em 8/10/2018 ás 11:40

Prefeitura de São Domingos-GO. História São Domingos. 2011-2018. Disponivel em Acesso em 28/08/2018 ás 11:14

RAMOS, D. M; COSTA, C. M. Turismo: tendências de evolução. Revista Eletronica de Humanidades do Curso de Ciências Sociais da UNIFAP. ISSN 1984-4352. Macapá, v.10, n.1, p. 21-33. 2017

RIBEIRO, M.M. São Domingos, Tradições e conflitos. Dissertação (Mestrado em História) - Universidade Católica de Goiás, 2008. Goiânia, p. 23-25. 2008.

RIBEIRO, F.C.; VILELA, C.C.; KOWATA, F.M.; FERREIRA, M.E. Análise sócio-ambiental da região do corredor Paranã-Pirineus – Estado de Goiás. Boletim Goiano de Geografia, Goiânia, v. 27, n. 3. pp.: 103-124. 2007.

Ruchkys, U. de A. 2007. Patrimônio Geológico e Geoconservação no Quadrilátero Ferrífero, Minas Gerais: Potencial para a Criação de um Geoparque da UNESCO – Tese (Doutorado) – Instituto de Geociências da UFMG. 211p.

SALOMÃO, F.X.T.; CANIL, K.; RODRIGUES, S.P. Exemplo de aplicação da geologia de engenharia no controle preventivo e corretivo dos processos erosivos. Revista Brasileira de Geologia de Engenharia e Ambiental. v.2, n.2. 2012.

SANTIN, Maria Fernanda Cavalieri de Lima. Vulnerabilidades Ambientais e Implicações para o desenvolvimento sustentável. Porto Alegre, 2006. V.17. n.1. p. 91-104.

SANTOS, R. F.; CALDEYRO, V. S. Paisagens, condicionantes e mudanças. In: SANTOS, R. F. (org.). Vulnerabilidade Ambiental. Brasília: MMA, 2007.192 p.

Serviço Geológico do Brasil – CPRM. Relatório Anual – 2015. Disponível em < https://www.cprm.gov.br/publique/media/informacao_publica/rel_anual_2015.pdf > Acesso em 19/10/2018 ás 22:15.

STRAHLER, A. & STRAHLER, A. N. Physical geography: science and systems of the human environment. [s.l.] : John Wiley & Sons, 1997.

TAGLIANI, C. R. A. Técnicas para avaliação da vulnerabilidade ambiental de ambientes costeiros utilizando um sistema geográfico de informações. In: Anais do Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 11, Belo Horizonte. Belo Horizonte: INPE, 2003. p. 1657-1664.

TEIXEIRA, N.A.; POLI, A. J. C.; FERREIRA, M. C. B. Contribuição a geologia e petrologia da região de São Domingos, GO. São Paulo, 1982.

TRAVASSOS, L. E. P. Considerações Sobre o Carste da Região de Cordisburgo, Minas Gerais, Brasil. Belo Horizonte: Tradição Planalto, 2010.

TRICART. J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, 1977

VARAJAO, G. F. D. C. & DINIZ, A. M. A. Turismo, produção do espaço e urbanização: evolução do uso e ocupação do solo de Lavras Novas, Ouro Preto-MG. Caderno de Geografia, v.24, n.42, 2014




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.5.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License