Influência da Indústria do Gesso e da Agropecuária na Dinâmica da Cobertura Vegetal no Polo Gesseiro do Araripe

Daniel Junio da Silva Lima, Luís Francisco Mello Coelho, Renato Garcia Rodrigues

Resumo


A exploração da gipsita, minério utilizado na produção de Gesso, constitui a principal atividade econômica do Polo Gesseiro do Araripe (PGA), tendo principalmente a lenha como matriz energética nas indústrias de transformação. Para compreender como a dinâmica econômica e produtiva do PGA está relacionada com as variações na cobertura vegetal, combinamos informações do MapBiomas com dados relacionados a indústria do gesso e ao PIB do PGA. A cobertura vegetal da área de estudo é caracterizada por fisionomias de caatinga sedimentar e cristalina, sendo que as áreas de caatinga sedimentar, localizada na APA do Araripe, são estudadas separadamente. Foi utilizada análise de regressão linear simples para descrever a relação entre a cobertura vegetal e as variáveis explicativas. Todos os modelos gerados pela análise de regressão linear apresentaram coeficientes de regressão negativos, sendo que para a área de caatinga fora da APA, esses coeficientes foram estatisticamente significativos com todas as variáveis explicativas e apresentaram normalidade dos resíduos. Já os modelos gerados para a área de caatinga dentro da APA não foram estatisticamente significativos. O presente estudo foi o primeiro a analisar explicitamente a relação entre as duas principais fitofisionomias vegetais do PGA com variáveis associadas à produção de gesso e ao PIB da região. A partir das análises conduzidas foi possível identificar que a área fora da APA, onde predomina a fitofisionomia denominada caatinga do cristalino, é mais suscetível à exploração relacionada ao desenvolvimento econômico, onde as atividades agropecuárias e a indústria do gesso são os principais indutores do desmatamento.


Palavras-chave


Caatinga, Desmatamento, Matriz Energética, Lenha, MapBiomas.

Referências


Andrade-Lima, D., 2007. Estudos fitogeográficos de Pernambuco. Anais da Academia Pernambucana de Ciência Agronômica, v. 4, p. 243-274.

Araújo, S.M.S., 2004. O polo gesseiro do Araripe: Unidades Geoambientais e Impactos da Mineração. Tese (Doutorado em Administração e Política de Recursos Minerais). Campinas, Universidade Estadual de Campinas.

BDE. Base de Dados do Estado de Pernambuco, 2005. Território: Posição e Extensão. Pernambuco. Disponível:http://www.bde.pe.gov.br/visualizacao/Visualizacao_formato2.aspx?codFormatacao=574&CodInformacao=272&Cod=3. Acesso: 17 Mar. 2018.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento Agrário / Secretaria de desenvolvimento Territorial, 2011. Plano Territorial de Desenvolvimento Rural Sustentável do Sertão do Araripe. Brasília, DF. Disponível: http://sit.mda.gov.br/download/ptdrs/ptdrs_qua_territorio081.pdf. Acesso: 26 Mar. 2018.

Callegari-Jacques, S.M., 2003. Bioestatística: princípios e aplicações. Porto Alegre, Ed. Artmed, 255 p.

Campello, F.B., Gariglio, M.A., Silva, J.A., Leal, A.M.A., 1999. Diagnóstico florestal da Região Nordeste. Natal: Projeto IBAMA/PNUD/BRA/93/033, 16 p. (Boletim Técnico, n. 2).

Campello, F.C.B., 2011. Análise Do Consumo Específico De Lenha nas Indústrias Gesseiras: A Questão Florestal e sua Contribuição para o Desenvolvimento Sustentável da Região do Araripe – PE. Dissertação (Mestrado em Ciências Florestais). Recife, Universidade Federal de Pernambuco.

Campos, H., 1983. Estatística experimental não-paramétrica. 4 ed. Piracicaba: ESALQ, Departamento de Matemática e Estatística, 349 p.

Crawley, M.J., 2007. The R Book. Chichester, Ed. John Wiley & Sons, 942 p.

Ferreira, L.V., Venticinque, E., Almeida, S., 2005. O desmatamento na Amazônia e a importância das áreas protegidas, v. 19, p. 1-10.

Gadelha, F.H.L., 2014. Desempenho silvicultural e avaliação econômica de clones híbridos de eucaliptos plantados em diferentes regimes de manejo para fins energéticos. Tese (Programa de Pós-Graduação em Ciências Florestais). Recife, Universidade Federal Rural de Pernambuco.

Granja, C.V.A., Cavalcante, E.P., Filho, H.P.C., Siqueira, M.S., Nascimento, W., 2017. Degradação Ambiental: Exploração de Gipsita no Polo Gesseiro do Araripe. Id on Line Multidisciplinary and Psycology Journal, v. 11, p. 239-267.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2010. Cidades. Disponível: https://cidades.ibge.gov.br/. Acesso: 16 mar. 2018.

Melo, F.P.L., 2017. The Socio-Ecology of the Caatinga: Understanding How Natural Resource Use Shapes an Ecosystem. In: Silva, J.M.C., Leal, I.R., Tabarelli, M. (Eds.) Caatinga. The largest tropical dry forest region in South America. Springer International Publishing, 369-382 p.

MMA. Ministério do Meio Ambiente, 2010.Uso Sustentável e Conservação dos Recursos Florestais da CAATINGA. Brasília, DF.

MMA. Ministério do Meio Ambiente, 2011. Subsídios para a elaboração do plano de ação para a prevenção e controle do desmatamento na caatinga. Brasília, DF.

Moro, M.F., Lughadha, E.N., Filer, D.L., Araújo, F.S., Martins, F.R., 2014. A catalogue of the vascular plants of the Caatinga Phytogeographical Domain: a synthesis of floristic and phytosociological surveys. Phytotaxa [online] v. 160. Disponível: https://www.mapress.com/j/pt/article/view/phytotaxa.160.1.1. Acesso: 12 Set. 2019.

Moro, M.F., Macedo, M.B., Moura-Fé, M.M., Castro, A.S.F., Costa, R.C., 2015. Vegetação, unidades fitoecológicas e diversidade paisagística do estado do Ceará. Rodriguésia [online] v. 66. Disponível: https://rodriguesia-seer.jbrj.gov.br/index.php/rodriguesia/article/view/1014/pdf_206. Acesso: 13 Set. 2019.

Neto, B.S., 2013. Perda da Vegetação Natural na Chapada do Araripe (1975/2007) no Estado do Ceará. Tese (Programa de Pós-Graduação em Geografia). Rio Claro - SP, Universidade Estadual Paulista.

Queiroz, L.P., Cardoso, D., Fernandes, M.F., Moro, M.F., 2017. Diversity and Evolution of Flowering Plants of the Caatinga Domain. In: Silva, J.M.C., Leal, I.R., Tabarelli, M. (Eds.) Caatinga: The largest tropical dry forest region in South America. Springer International Publishing, 23-63 p.

Ramos, M.A., Medeiros, P.M., Almeida, A.L.S., Feliciano, A.L.P., Albuquerque, U.P., 2008. Use and Knowledge of Fuelwood in an Area of Caatinga Vegetation in NE Brazil. Biomass & Bioenergy, v. 32, p. 510–517.

Sá e Silva, I.M.M., Marangon, L. C., Hanazaki, N., Albuquerque, U.P., 2008. Use and knowledge of fuelwood in three rural caatinga (dryland) communities in NE Brazil. Environ Dev Sustain, v. 11, p. 833–851.

Sá, I.I.S., Galvíncio, J.D., Moura, M.S.B., Sá, I.B., 2011. Avaliação da degradação ambiental na região do Araripe Pernambucano utilizando técnicas de sensoriamento remoto. Revista Brasileira de Geografia Física, v. 6, p. 1292-1314.

SECTMA. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Meio Ambiente, 2007. Região do Araripe: diagnóstico florestal. Brasília-DF.

Silva, J.A.A., 2008-2009. Potencialidades de florestas energéticas de Eucalyptus no Polo Gesseiro do Araripe – Pernambuco. Anais da Academia Pernambucana de Ciências Agronômicas, v. 5 e 6, p. 301-319.

Silva, J.M.C., Barbosa, L.C.F., 2017. Impact of human activities on the Caatinga. In: Silva, J.M.C., Leal, I.R., Tabarelli, M. (Eds.) Caatinga: the largest tropical dry forest region in South America. Springer International Publishing, 359-368 p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.4.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License