Índices de (des) conforto humano em um município de clima semiárido

Rebecca Luna Lucena, Jório Bezerra Cabral Júnior, Ercília Torres Steinke

Resumo


O objetivo principal neste trabalho consistiu em analisar e comparar índices de (des) conforto térmico humano em um município de clima semiárido. Para isso foram adquiridos e utilizados equipamentos termo-higrômetros automáticos datalogger Akso AK170, sendo esses distribuídos espacialmente em onze pontos (dez em áreas urbanizadas e um em área rural), durante um período de 32 dias, em Caicó-RN. De posse dos dados horários de temperatura e umidade relativa do ar (maio/junho), realizaram-se análises estatísticas descritivas e aplicaram-se três índices de conforto humano, a saber: Índice de Desconforto (ID), índice de Temperatura Efetiva (TE), e o Índice de Temperatura e Umidade (ITU). Os resultados indicaram que o município de Caicó está propenso aos efeitos do processo de urbanização, registrando-se frequências de temperaturas mais elevadas nas áreas urbanizadas, especialmente nas de menor arborização e maior concentração de pavimentos urbanos. Em termos médios a maior parte da população de Caicó sente desconforto devido ao calor (ID), as temperaturas ficaram sempre acima do considerado calor moderado (TE) e de acordo com o ITU a classificação foi de extremamente desconfortável. Portanto, é imprescindível minimizar o os efeitos da ilha de calor no município a fim de se obter melhores índices de conforto térmico humano.

 

Human (dis) comfort indices in a semi-arid municipality in Brazil

 

A B S T R A C T

The main aim of this study was to analyse and compare the human thermal (dis)comfort indices in a Brazilian municipality with a semi-arid climate: Caicó, in the state of Rio Grande do Norte. Akso AK170 thermo-hygrometer data loggers were acquired for this purpose, which were distributed at eleven points in the study area – ten in built-up areas and one in a rural area – over a 32-day period covering the months of May to June. Having collected the time- and date-stamped temperature and relative humidity data, descriptive statistical analyses were conducted using three human comfort indices: discomfort index (DI), effective temperature index (ETI), and temperature-humidity index (THI). The results indicate that the municipality under study is affected by urbanization processes that propitiate higher temperatures in the built-up areas, especially where there are fewer trees and more of the roads are paved. On average, most of the population of Caicó feels discomfort because of the heat (ID), and the temperature always remains above the range rated as moderately hot (ETI). The municipal climate was classified as “extremely uncomfortable” by the THI. It is therefore of the utmost importance to minimize the effects of the heat island in the municipality to improve the human thermal comfort indices.

Keywords: Urban climate. Caicó-RN. Human thermal comfort indices.


Palavras-chave


Clima urbano; Caicó-RN; Índices de conforto térmico humano.

Texto completo:

PDF

Referências


Ab’saber, A. N., 2002. “Caatingas: o domínio dos sertões secos”. Os domínios de natureza no Brasil: Potencialidades paisagísticas. 6ª Ed., São Paulo: Ateliê Editorial.

Andreasi, W. A.; Lamberts, R.; Cândido, C., 2010. Thermal acceptability assessment in buildings located in hot and humid regions in Brazil. Building and Environment, v. 45, n. 5, p. 1225-1232.

Blazejczyk, K.; Epstein, Y.; Jendritzky, G.; Staiger, H.; Tinz, B., 2012. “Comparison of UTCI to selected thermal indices”. International Journal of Biometeorology, v. 56, p.515–535.

Cabral Júnior, J. B.; Bezerra, B. G., 2018. Análises da evapotranspiração de referência e do índice de aridez para o Nordeste do Brasil. Revista de Geociências do Nordeste, v. 4, n. 1, p. 71-89.

Cabral Júnior, J. B.; Lucena, R. L., 2020. Analysis of precipitation by non-parametric tests of Mann-Kendall and Kruskal-Wallis. Mercator, v. 19, p. 1-14.

Faria, C. E. de., 2011. Os eventos geográficos e a expansão urbana de Caicó. Natal: Editora do IFRN.

Gartland, L., 2010. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. Tradução Silvia Helena Gonçalves. São Paulo: Oficina de Textos.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2018). Brasil. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/rn/caico/panorama. Acesso em 15 de Jul de 2019.

Lamberts, R.; Dutra, L.; Pereira, F. O. R., 1997. Eficiência energética na arquitetura. São Paulo: PW.

Landsberg, H. E., 1956. The climate of towns. In: THOMAS W. E. ec. Man’s role in changing the face of Earth. The WennerGren Fundation Antropological Research. The University of Chicago Press.

Lombardo, M. A., 1985. Ilhas de calor nas metrópoles: o exemplo de São Paulo. São Paulo: HUCITEC.

Lucena, J. A., Souza, B.I., Moura, M. De O., Lima, J. De O., 2012. Análise da variabilidade da precipitação pluviométrica como subsídio para o planejamento agrícola em Caicó/RN. Revista Brasileira de Climatologia, v.10, p.121 – 135.

Lucena, R. L.; Ferreira, A. M.; Ferreira, H. F. P. A.; Steinke, E. T., 2013. Variabilidade climática no município de Caicó/RN: secas e chuvas num arquétipo do clima semiárido do Nordeste brasileiro. CLIMEP Climatologia e Estudos da Paisagem, v.8. p. 25-47.

Lucena, R. L.; SANTOS, T. H. F. ; FERREIRA, A. M. ; STEINKE, E. T., 2016. Heat and human comfort in a town in Brazil’s semi-arid region. The International Journal of Climate Change: Impacts and Responses, v. 8, p. 15-30.

Matzarakis, A.; Mayer, H. 1991. “The extreme heat wave in Athens in July 1987 from the point of view of human biometeorology”. Atmospheric environment. 25b (2): 203 – 211. Accessed May 03, 2014.

Monteiro, C. A. De F., 1976. Teoria e clima urbano. São Paulo: IGEO/USP.

Monteiro, C. A. De F.; MENDONÇA, F., 2003. Clima Urbano. São Paulo: Contexto.

Nedel, A. S.; Coelho, M. De S.; Gonçalves, F. L. T., 2006. Comparative analysis of different human thermal comfort indexes in São Paulo city and their relationship with respiratory morbidity. Proceedings of 8 ICSHMO, Foz do Iguaçú, Brazil, April 24 -28, INPE, p.675-677.

Neves, G. A. R.; Marques, J. B.; Nogueira, J. De S.; Biudes, M. S.; Arruda, P. H. Z.; Curado, L. F. A.; Palácios, F. Da R., 2015. Desenvolvimento e Calibração de um Termohigrômetro para uso em Pesquisas de Micrometeorologia, Agrometeorologia e Climatológica. Revista Brasileira de Geografia Física. V 08. N 01. 136-143p.

Nóbrega, R. S., Lemos, T. V. Da S., 2011. O microclima e o (des)conforto térmico em ambientes abertos na cidade do Recife. Revista de Geografia (UFPE), v.8 No 1, 93 – 109 p.

Romero, M. A. B., 2013. Princípios bioclimáticos para o desenho urbano. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Santos, J. S., 2011. Campo térmico urbano e a sua relação com o uso e cobertura do solo em cidade de clima tropical úmido. Tese de Doutorado, Programa de Pós-graduação em Recursos Naturais, Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), 110p..

Shashua-Bar, L.; Porshter, O.; Bitan, A.; Yaakov, Y., 2010. Microclimate modelling of street tree species effects within the varied urban morphology in the Mediterranean city of Tel Aviv, Israel. International Journal of Climatology, v. 30, p. 44–57.

Silva, N. R. da., 2007. Avaliação do conforto térmico. (Trabalho de conclusão de curso) Engenharia de segurança do trabalho. Universidade Santa Cecília, Santos SP. 35p.

Suping, Z.; Guanglin, M.; Yanwen, W.; Ji, L. 1992. “Study of the relationships between weather conditions and the marathon race, and os meteorotropic affects on distance runners.” International Journal of Biometeorology. v.36, p.63 – 68, 2014.

Taha, H. 1997. “Urban climates and heat islands: albedo, evapotranspiration, and anthropogenic heat.” Energy and Buildings. 25: 99-103. Accessed November 01, 2013.

Ting, D. S.-K., 2012. Heat Islands – Understanding and Mitigating Heat in Urban Areas. [s.l.] Earthscan LLC.

Varejão-Silva, M. A., 2006. Meteorologia e Climatologia. 5ª ed. Recife/PE: PAX Gráfica e Editora Ltda, 345p.

Zavattini, J. A., 2004. Estudos do clima no Brasil. Campinas - SP: Editora Alínea, 398p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.07.p3287-3303

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License