A permanente construção no tempo histórico de um ambiente capitalista em Recife, Pernambuco: tendência à homogeneização dos interesses dominantes

Cláudio Jorge Moura de Castilho

Resumo


No curso dos 520 anos de capitalismo no Brasil, foi instalado, consolidado e expandido um ambiente favorável, antes de tudo, à concretização das relações capitalistas de produção-circulação-distribuição-consumo no Brasil. Este artigo possui como objetivo principal discutir o permanente processo de construção deste ambiente em Recife, capital do estado federado de Pernambuco, como uma tendência homogeneizadora ligada aos interesses das classes dominantes. A metodologia utilizada para a operacionalização desta discussão fundamentou-se na abordagem do materialismo histórico-dialético a fim de evidenciar as contradições suscitadoras de tensões e conflitos inerentes a uma realidade dinâmica que se movimenta permanentemente em algum sentido, nas escalas do tempo e do espaço. Destarte, foi mostrado que a implantação do referido ambiente não aconteceu de maneira harmônica e pacífica como dizem as classes dominantes brasileiras na medida em que aconteceram protestos e mobilizações sociais que, reagindo contra o ambiente puramente capitalista, conseguiram obter conquistas interessantes para as classes subalternas e oprimidas.

 

 

The permanent construction of a capitalist environment during the historical time in Recife, Pernambuco: tendency to homogenize the dominant interests

 

A B S T R A C T

During the 520 years of capitalism in Brazil,a favorable environment was installed, consolidated and expanded, above all, for carrying out the production-circulation-distribution-consumption capitalist relationships. The main goal of this paper is to discuss the permanent process of this environment construction in Recife, capital of Pernambuco federal state, as a homogenizing trend linked to the domintant classes’ insterests. The methodology used for the operationalization of this discussion was based on the historical-dialectical materialism approach in order to highlight the contradictions that raise social tensions and conflicts inherent to a dynamic reality that moves permanently in some sense, in the time and spatial levels. Thus, it was shown that the implantation of the referred environment did not happen in a harmonious and peaceful way, as the Brazilian dominant classes say, insofar as social protests and mobilizations occurred, which, reacting against the purely capitalist environment, managed to obtain interesting achievements for the subordinated and oppressed classes.

Keywords: Technical-instrumental rationality. Neoliberalism. Urban environment. Environmental racionality.


Palavras-chave


Racionalidade técnico-instrumental, Neoliberalismo, Ambiente urbano, racionalidade ambiental

Texto completo:

PDF

Referências


Andrade, G. O. de. (1969) Montebelo, os males e os mascates. Recife: Universidade Federal de Pernambuco.

Andrade, M. C. de. (1079) Recife: problemática de uma metrópole de região subdesenvolvida. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Barreto, A. M. M. (1994) O Recife através dos tempos. A formação da sua paisagem. Recife: Edições Fundarpe.

Bernardes, D. (1996) Recife: o caranguejo e o viaduto. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Bitoun, J. (1994) Recife, uma interpretação geográfica. In: CARLOS, A. F. A. (Org.) Os caminhos da reflexão sobre a cidade e o urbano. São Paulo: Edusp.

______. (1996) Análise dos bairros do Recife através da distribuição da renda. Revista de geografia, Edição especial, p. 41-55.

Castilho, C. J. M. de. (2015) Por uma geografia social dos serviços: articulando pedaços de uma realidade fragmentada para explicar a natureza das inter-relações espaço-serviços. In: Castilho, C. J. M. de. (Org.) Movimentos sociais, academia e sociedade. Por um espaço do cidadão. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Castilho, C. J. M. de. (2017) Do (des)respeito à complexidade ambiental no processo de formação do território brasileiro. In: Galvíncio, J. D., Oliveira, V. S. De, Souza, W. M. de. (Org.) Mudança climática, cidade e meio ambiente. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Castro, J. de. (1954) A cidade do Recife. Ensaio de geografia urbana. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil.

Castro, J. de. (1957) Documentário do Nordeste. Rio de Janeiro: José Olympio Editora.

Cézar, M. do C. (1985) As organizações populares do Recife: trajetória e articulação política (1955-1964). Cad. Est. Soc., v. 1, n. 2, p. 161-182.

Freyre, G. (1981) Sobrados e mucambos. Rio de Janeiro: José Olympio.

______. (1985) Vida social no Brasil nos meados do século XIX. Recife: Editora Massangana.

Harvey, D. (2013) Os limites do capital. São Paulo: Boitempo.

Lins, R. C. (1982) Alguns aspectos originais do sítio urbano do Recife. In: Andrade, M. C. de. (Org.) Capítulos de geografia do Nordeste. Recife: União Geográfica Interenacional/Comissão Nacional do Brasil.

Marx, K. (2013) O capital: crítica de economia política. Livro 1: O processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo.

Mello, M. A. B. C. de. (1985) A cidade dos mocambos: estado, habitação e luta de classes no Recife (1920-1964). Revista Espaço e Debates, ano 5, n. 14, p. 45-66.

Melo, M. L. de. (1978) Metropolização e subdesenvolvimento. O caso do Recife. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Menezes, J. L. M. (Org.) (1988) Atlas histórico-cartográfico do Recife. Recife: Prefeitura da Cidade do Recife.

Outtes, J. (1997) O Recife: gênese do urbanismo 1927-1943. Recife: Editora Massangana.

Pontual, V. (2001) Uma cidade e dois prefeitos: narrativas do Recife nas décadas de 1930 a 1950. Recife: Editora da Universidade Federal de Pernambuco.

Prado Júnior, C. (1985) História econômica do Brasil. Rio de Janeiro: Editora Brasiliense.

Ribeiro, D. (2015) O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil. 3ª ed. São Paulo: Global.

Santos, M. (1997) A natureza do espaço. Técnica e tempo, razão e emoção. São Paulo: Hucitec.

Santos, M. e Silveira, M. L. (2001) O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. Rio de Janeiro: Record.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2840-2856

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License