Um conceito “alma-e-corpo” para as Cidades

Roberto Montezuma, Maria de Jesus de Britto Leite

Resumo


Este artigo trata da construção do conceito - alma-e-corpo. Este conceito se apresenta fundamental ao desenvolvimento de uma hipótese cujo argumento central é o de que uma cidade pode ser considerada um organismo vivo e que, por isso: a) sua espacialidade interage com o contexto, com a natureza circundante, com seus habitantes; b) cada cidade é afetada pelas pessoas que a habitam, pelo ambiente, pelos acontecimentos da vida cotidiana, pelas manifestações culturais, sociais, políticas. Entre os acontecimentos da vida cotidiana são reconhecidos os “acontecimentos significativos” que têm lugar nos espaços públicos urbanos, que têm potencial para fazer reviver os lugares; que podem se transformar em marcos, memórias e estimular um senso de pertencimento em relação ao lugar. Desse argumento surgiu a necessidade de refletirmos teoricamente sobre um conceito que expressasse essa realidade de uma cidade que, em sendo um “organismo vivo”, se constitui de alma e de corpo, e como alma e corpo se integram numa estrutura única.  O Recife é a cidade referência. Trata-se de esforço teórico que, apoiado num modo sistêmico de entender o mundo, atravessa a arquitetura, a filosofia, a neurociência, com o entendimento de que as coisas vivas são complexas, sistêmicas; de que a cidade é tanto um organismo vivo quanto o é o Planeta do qual ela faz parte. Um conceito que “pondera” os acontecimentos em relação inextricável com a constituição física de uma cidade, expressa na palavra composta - alma-e-corpo. Lefèbvre e Norberg-Schulz são os principais autores desta teia teórica.


Palavras-chave


Alma-e-corpo, cidade, organismo, conceito, construção teórica

Texto completo:

PDF

Referências


Alexander, C., 2002. The nature of order: the process of creating life. Book 2. Berkeley: Taylor & Francis.

Aristoteles, 2010. Sobre a Alma. Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda.

Bergson, H., 1999. Matéria e Memória: ensaio sobre a relação do corpo com o espírito. São Paulo: Martins Fontes.

Bondía, J. L., 2002. Notas sobre a experiência e o saber de experiência. Rev. Brasileira de Educação [online]. 19. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782002000100003&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1413-2478. https://doi.org/10.1590/S1413-24782002000100003. Acesso: 12 set. 2020.

Brito, T., 2011. A presença da Sociobiologia em Espaços de Esperança de David Harvey. Revista Geográfica de América Central Número Especial EGAL, p. 1-15.

Capra, F., 2002. As conexões ocultas. São Paulo: Cultrix.

Castro, J., 1956. A cidade do Recife: ensaio de geografia urbana. Rio de Janeiro: Casa do Estudante de Brasilia.

Cottingan, J., 1995. Dicionário Descartes. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Damásio, A., 2004. Em busca de Espinosa: prazer e dor na ciência dos sentimentos. São Paulo: Companhia das Letras.

Descartes, R., 2004. Meditações sobre Filosofia Primeira. Campinas: Cemodecon-Ifch-Unicamp.

Descartes, R., 2002. Princípios de Filosofia. Rio de Janeiro: UFRJ.

Descartes, R., 1996. Ouvres de Descartes. Paris: Vrim.

Doxiadis, C., 1968. Ekistics: An Introduction to the Science of Human Settlements. New York: Oxford University Press.

Espinosa, B., 1983. Ética. São Paulo: Abril Cultural, Coleção Os Pensadores.

Ferreira, G. G., 2020. Imagem e Imaginação na Ética: por uma Teoria Dinâmica da Imaginação em Espinosa. Cadernos Espinosanos, n. 42.

Harvey, D., 2004. Espaços de Esperança. São Paulo: Loyola.

Kopenawa, D., 2015. A Queda do Céu. Palavras de um Xamã Yanomani. Sao Paulo: Companhia das Letras.

Kostof, S., 1991. The City Shaped: Urban Patterns and Meanings Through History. London: Thames and Hudson.

Latour, B., 2017. A esperança de Pandora. Sao Paulo: UNESP.

Lefèbvre, H., 2013. La producción del espacio. Madrid: Capitán Swing Libros.

Lovelock, J., 1990. Gaia - um modelo para a dinâmica planetária e celular. In: Thompson, W.I (org). Gaia. Uma teoria do Conhecimento. São Paulo: Gaia, p. 77-90.

Lynch, K., 1972. De qué tiempo es este lugar? Para una nueva definición de ambiente. Barcelona: Gustavo Gili.

Maturana, H., 1990. O que se observa depende do observador. In: In: Thompson, W.I (org). Gaia. Uma teoria do Conhecimento. São Paulo: Gaia, p. 61-76.

Maturana, H.; Varela, F., 2001. A Arvore do Conhecimento. São Paulo: Palas Athena.

Mendes, M.I.B.S.; Nóbrega, T.P., 2004. Corpo, natureza e cultura: contribuições para a educação. Revista Brasileira de Educação [online]. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782004000300009&lng=en&nrm=iso>. ISSN 1809-449X. https://doi.org/10.1590/S1413-24782004000300009. Acesso: 13 dez, 2020.

Montezuma, R., 2019. Metrópole na Natureza x Natureza na Metrópole. A re-invenção do Recife Metropolitano a partir do Ambiente Natural. Trabalhos programados. Centro de Investigação em Arquitetura, Urbanismo e Design (CIAUD), Lisboa.

Montezuma, R., 2019-2022. Corpo e Alma. Projeto de Cidade na Reinvenção do Recife entre os séculos XX e XX. Pesquisa Doutoral. Centro de Investigação em Arquitetura, Urbanismo e Design (CIAUD), Lisboa.

Norberg-Schulz, C., 1971. Existence, Space & Architecture. New York: Praeger Publishers.

Norberg-Schulz, C.,1980. Genius Loci: Towards a Phenomenology of Architecture. New York: Rizzoli.

Norberg-Schulz, C., 1999. Arquitectura Occidental. Barcelona: Gustavo Gili.

Oliva, L. C., 2018. O Conatus em Descartes, Hobbes e Espinosa. Curitiba, São Carlos: Dois Pontos.

Oliveira, M.K., 1990. Três questões sobre desenvolvimento conceitual. In: OLIVEIRA, M.B.; OLIVEIRA, M.K. Investigações cognitivas – conceitos, linguagem e cultura. Porto Alegre: Artmed.

OLIVEIRA, W., 1942. Geologia da Planície do Recife: contribuição ao seu estudo. Tese de concurso à cátedra de História Natural da Escola Normal Oficial de Pernambuco. Recife: Oficinas Gráficas do Jornal do Comércio.

Pereira, M.S., 2011. Entre Bergson e Espinosa: Eternidade ou Duração? Tese Doutorado. Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo, São Paulo.

Sahuí, A., 2002. Razón y espacio público. Arendt, Habermas y Ralws. México: Ediciones Coyoacán.

Sennett, R., 2018. Construir e Habitar. Ética para uma cidade aberta. São Paulo: Record.

Sennett, R., 2012. Juntos: os rituais, os prazeres e a política da cooperação. Rio de Janeiro: Record.

Sennett, R., 2002. Carne e Pedra. O corpo e a cidade na Civilização Ocidental. São Paulo: Cosac & Naify.

Sennett, R., 1999. O declínio do Homem Público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras.

Josselyn, S.A; Tonegawa, S., 2020. Memory engrams: Recalling the past and imagining the future. Science 367, 6473- 03.

Veras, L.M.S.C., 2017. Paisagem Postal: A Imagem e a Palavra na Compreensão de um Recife Urbano. Sao Paulo: ANPUR/LetraCapital.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.1.p246-265

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License