Um elogio de paixão em A pedra iluminada, de Walmir Ayala

Luís Alberto dos Santos Paz Filho

Resumo


O presente trabalho propõe uma leitura da produção poética de Walmir Ayala, na obra A pedra iluminada, com o objetivo de analisar os signos de paixão e suas formas de expressão conduzidas pelos sujeitos poéticos dos textos. A partir da perspectiva de Hugo Friedrich, em A estrutura da lírica moderna, no tocante à obscuridade das revelações poéticas típicas do indivíduo moderno, bem como de provocações sobre a construção do eu-lírico, serão analisados alguns poemas em cujas possibilidades de amor mostrem-se como tarefas distintas, de acordo com as noções singulares de cada “eu” textual.


Texto completo:

PDF

Referências


AYALA, Walmir. A pedra iluminada. Rio de Janeiro: Pallas S.A, 1976

FOUCAULT, Michel. A hermenêutica do sujeito. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

FRIEDRICH, Hugo. Estrutura da lírica moderna: da metade do século XIX a meados do século XX. Trad. Marise M. Curioni. São Paulo: Duas cidades, 1978.

HAMBURGER, Käte. A lógica da criação literária. Editora Perspectiva, 1986.

LACAN, Jacques. (1959-1960). Livro 7: A ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1991.

PAZ, Octavio. O arco e a lira. Trad. Olga Savary. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1956.

SEFFRIN, André. Walmir Ayala. Disponível em: Acesso em 16.02.2019

VIEIRA, Marcus André. A ética da paixão: uma teoria psicanalítica do afeto. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

WALMIR AYALA. Autores gaúchos. Nº 22. Porto Alegre: Instituto Estadual do Livro, 1989.

WALMIR AYALA. Disponível em: Acesso em: 20.03.2019






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.