“Na volúpia urgente de uma confissão”: Lavoura Arcaica (1975), o lírico, o trágico e o arquétipo

Sandro Adriano da Silva, Ana Maria Soares Zukoski

Resumo


Resumo: Este artigo aventa uma análise interpretativa do romance lírico Lavoura arcaica (1975/2001), de Raduan Nassar, a partir de um olhar para o imaginário que funda a narrativa e assegura-lhe um estilo incisivo e universal. A obra retoma o arquétipo para, diluindo-se entre matizes do trágico e uma linguagem altamente lírica, realinhar o tempo, a tradição, a liberdade, o amor sob o peso de verdades consagradas como irremovíveis.

Palavras-chave: Literatura brasileira contemporânea. Lavoura arcaica. Romance lírico. Trágico. Arquétipo.  


Texto completo:

PDF

Referências


BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. Trad. Joaquim José Moura Ramos (et al). São Paulo: Abril Cultural, 1978.

BAKHTIN, Mikail. Formas de tempo e de cronotopo no romance. Ensaios de poética histórica. In:______. Questões de literatura e estética: a teoria do romance. Trad. Aurora Fornoni Bernardini [et al]. 7.ed. São Paulo: Hucitec, 2014, p. 211-162.

BAUDRILLARD, Jean. Da sedução. Campinas, SP: Papirus, 2001.

BÍBLIA DE JERUSÁLEM. São Paulo: Sociedade Bíblica Católica Internacional; Paulus, 1995.

BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. 49.ed. São Paulo: Cultrix, 2013.

CHEVALIER, Jean; GHEERBRANT, Alain. Dicionário de símbolos (mitos, sonhos, costumes, gestos, formas, figuras, cores, números). 31. ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 2018.

DURAND, Gilbert. As estruturas antropológicas do imaginário: introdução à arquetipologia geral. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

ELIADE, Mircea. O sagrado e o profano: a essência das religiões. Trad. Rogério Fernandes. Sã Paulo: Martins Fontes, 2001.

FREEDMAN, Ralph. La novela lírica: Hermann Hesse, André Gide y Virginia Woolf. Barcelona: Barral Editores, 1971.

FREUD, Sigmund. Totem e tabu. In: Obras psicológicas completas: Edição Standard Brasileira, Rio de Janeiro: Imago, 1996.

LIMA, Luiz Costa. Teoria da literatura em suas fontes vol. 1. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2002.

LUKÁCS, Georg. A teoria do romance: um ensaio histórico-filosófico sobre as formas da grande épica. Trad. José Marcos Mariani de Macedo. São Paulo: Duas Cidades; Editora 34, 2009. 240 p.

LURKER, M. Dicionário de simbologia. Trad. Mario Krauss; Vera Barkow. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MACHADO, Roberto. Zaratustra: tragédia nietzschiana. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

NASSAR, Raduan. Lavoura arcaica. 3.ed. 13.reimpr. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich Wilhelm. A origem da tragédia. São Paulo: Guimarães Editora, 1991.

NUNES, Benedito. Reflexões sobre o moderno romance brasileiro. In: FILHO, Domício. O livro do seminário: ensaios. São Paulo: L. R. Editores, 1983.

STALLONI, Yves. A noção de gênero literário. Trad. Claudete Soares. Mem Matins, Portugal: Publicações Europa-América, 2009, p. 13-37.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.