O drama mítico-expressionista de Consuelo de Castro: uma análise de Marcha a Ré (1986)

Renato Cândido da Silva, Orlando Luiz de Araújo

Resumo


A dramaturga Consuelo de Castro, ao longo de sua trajetória no teatro brasileiro, escreveu diversos dramas que dialogam com os mitos da Antiguidade clássica – como é o caso de Marcha a Ré (1986), peça que mantém estreita relação com o mito de Orfeu e Eurídice. Partindo do pressuposto de que esta obra se trata de um drama subjetivo, devido à sua construção dramática, pois a unidade de ação é substituída pela unidade do Eu, este artigo tem como objetivo analisar Marcha a Ré, levando em consideração a intrínseca relação entre o referido mito greco-romano e o teatro expressionista.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, A. L. V. de. Margem e centro: a dramaturgia de Leilah Assunção, Maria Adelaide Amaral e Ísis Baião. São Paulo: Perspectiva, 2006.

ARISTÓTELES. Poética. Trad. de Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2015.

BORNHEIM, G. Duas características do expressionismo. In: O sentido e a máscara. 3. ed. São Paulo: Perspectiva. pp. 64-68.

BEUTTENMULLER, A. “A má fase do teatro no mundo da publicidade”. Jornal do Brasil. p. 5, 2 abr. 1975.

BRASIL. DECRETO Nº 20.493, DE 24 DE JANEIRO DE 1946. Regulamento do Serviço de Censura de Diversões Públicas do Departamento Federal de Segurança, Brasília, jan. 1946.

CAMARGO, R. G. Função estética da luz. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CANDEIAS, M. L. L. A fragmentação da personagem: no texto teatral. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CASTRO, C. de. Marcha a Ré. In: Urgência e Ruptura. São Paulo: Perspectiva, 1989. pp. 572-511.

CASTRO, C. de. Prova de Fogo. In: Urgência e Ruptura. São Paulo: Perspectiva, 1989. pp. 26-117. “Consuelo diz como fez ‘A flor da Pele’”. Tribuna da Imprensa. p. 5, 18 mai. 1972.

COURI, N. “Consuelo de Castro: o sangue, a censura e o porco”. Jornal do Brasil. p. 10, 29 abr. 1976.

ESSLIN, M. Anatomia do drama. Trad. de Barbara Heliodora. Rio de Janeiro: Editora Zahar, 1978.

FARIA, J. R. Teatro e política no Brasil: os anos 70. In: O teatro na estante. São Paulo: Ateliê Editorial, 1998. pp. 163-174.

GARCIA, S. As trombetas de Jericó: teatro das vanguardas históricas. São Paulo: Hucitec, 1997.

GRIMALDI, E. “Consuelo leva ao teatro a violência da sociedade”. O Fluminense. p. 5, 23 fev. 1976.

GUARNIERE, G. “A respeito de Consuelo de Castro”. In: CASTRO, C. de. A cidade impossível de Pedro Santana. São Paulo: Vanguarda, 1978. pp. 5-7

GUINSBURG, L; FARIA, J. R.; LIMA, M. A. de. Dicionário do teatro brasileiro: temas, formas e conceitos. 2. ed. São Paulo: Perspectiva: Edições SESC SP, 2009.

HELIODORA, Barbara. Caminhos do teatro ocidental. São Paulo: Perspectiva, 2015.

LUIZ, M. “Consuelo de Castro desiste dos concursos. A censura não”. Jornal do Brasil. p. 10, 3 nov. 1976.

MACHADO, G. S. “Colunão”. Tribuna da Imprensa. p. 11, 18 jan. 1972.

MAGALDI, S. Um documento exemplar. In: CASTRO, C. de. Urgência e Ruptura. São Paulo: Perspectiva, 1989. pp. 515-517.

MAGALDI, S. Panorama do teatro brasileiro. 3. ed. São Paulo: Global Editora, 1997.

MAGALDI, S. “O teatro social no Brasil contemporâneo”. In: Teatro sempre. São Paulo: Perspectiva, 2006. pp. 97-116.

MICHALSKI, Y. Consuelo de Castro: Sempre urgente. Sem rupturas. In: CASTRO, C. de. Urgência e Ruptura. São Paulo: Perspectiva, 1989. pp. 13-24.

MICHALSKI, Y. Desnudamento ético. In: CASTRO, C. de. Urgência e Ruptura. São Paulo: Perspectiva, 1989. pp. 539-543.

OVÍDIO. Metamorfoses. Trad. de Paulo F. Alberto. Lisboa: Livros Cotovia, 2007.

PATRIOTA, R. “Uma breve nota acerca de inúmeras anotações. In: GUINSBURG, J;

PATRIOTA, R. J. Guinsburg, a cena em aula: itinerário de um professor em devir. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2009.

PAVIS, P. Dicionário de teatro. Trad. de J. Guinsburg e Maria Lúcia Pereira. 3. ed. São Paulo: Perspectiva, 2015.

PEIXOTO, F. “Cultura: do golpe ao apodrecimento do golpe”. In: Teatro em questão. São Paulo: Editora Hucitec, 1989. pp. 57-60.

PRADO, D. de A. A personagem no teatro. In: CANDIDO, A. [et al.]. A personagem de ficção. 13. ed. São Paulo: Perspectiva, 2014. pp. 81-101.

RANGEL, M. L. “O Teatro premiado que não poderá ser visto. Jornal do Brasil. p. 5, 18 out. 1976.

ROSENFELD, A. Aspectos do teatro moderno. In: Primas do teatro. São Paulo: Perspectiva, 1993. pp. 107-112.

ROSENFELD, A. Aspectos do teatro contemporâneo. In: Primas do teatro. São Paulo: Perspectiva, 1993. pp. 199-206.

ROSENFELD, A. O teatro épico. 6. ed. São Paulo: Perspectiva, 2017.

RIANI, M. “Encontro dos tempos de chumbo com os anos 90”. Jornal do Brasil. p. 2, 10 mar. 2001.

STRINDBERG, A. Prefácio. In: O Sonho. Trad. de João da Fonseca Amaral. Lisboa: Estampa, 1978. pp. 9-20.

SARRAZAC, J-P. Poética do drama moderno: de Ibsen a Koltè. Vários tradutores. São Paulo: Perspectiva, 2017.

SZONDI, P. Teoria do drama moderno. 2. ed. Trad. de Raquel Imanishi Rodrigues. 2. ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2011.

“Teatro pede a Nei que libere peças premiadas”. Jornal do Brasil. p. 6, 26 jun. 1976.

VINCENZO, E. C. de. Um teatro de mulher: dramaturgia feminina no palco brasileiro contemporâneo. São Paulo: Perspectiva; Edusp, 1992.

VICENZO, E. C. de. Mito e cotidiano num projeto de puro teatro. In: CASTRO, C. de. Urgência e Ruptura. São Paulo: Perspectiva, 1989. pp. 551-554.

WAJNBERG, D. S. “Consuelo de Castro, autora de ‘Only You’, faz balanço de sua trajetória. Tribuna da Imprensa, p. 1, 21 mar. 2003.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.