The Yellow Wallpaper: o gótico feminino em Charlotte Perkins Gilman

Ana Carolina da Silveira Costa Santiago

Resumo


O presente trabalho tem como objetivo estudar o conto The Yellow Wallpaper, de Charlotte Perkins Gilman, como uma obra literária feminina e gótica. O trabalho é desenvolvido a partir de pesquisa bibliográfica, de caráter analítico-descritivo. Discute-se acerca dos elementos do gótico feminino no conto e de como tais elementos se relacionam à liberação feminista. Busca-se analisar a construção do estilo literário gótico e investigar como os elementos que o compõem se unem à escrita feminina, criando um novo estilo de literatura. A partir de autores como Botting (1996), Stevens (2006) e Wallace (2009), Zolin (2009) reflete-se sobre a literatura gótica feminina e sobre como esta retrata a mulher e seus anseios como indivíduo latente em sociedade. O feminismo ligado a traços da escrita do horror e do fantástico cria um mundo onde as mulheres podiam mostrar quem realmente eram. As análises mostram que Gilman lutava, com uma escrita alegórica de terror e fantasia, por um lugar onde as mulheres pudessem se ver libertas de opressão. A obscuridade utilizada no conto não é apenas pela ambientação sem luz, mas também pela repressão à expressão ativa e intelectual da mulher. Entende-se que a literatura gótica feminina contribui com a formação intelectual e ideológica, principalmente de mulheres.


Palavras-chave


Charlotte Perkins Gilman; Horror; Feminismo; Literatura gótica feminina.

Referências


BERGMAN, Jill. Charlotte Perkins Gilman and a woman’s place in America. Tuscaloosa: University Alabama Press, 2017.

BOTTING, Fred. Gothic. London; New York: Routledge, 1996.

FOUCAULT, M. As palavras e as coisas: uma arqueologia das ciências humanas. São Paulo: Martins Fontes. 1999.

GILMAN, Charlotte Perkins. The Yellow Wallpaper. Boston: Small, Maynard & Company. 1901.

HOEVELER, Diane Long. Gothic feminism: the professionalization of gender from Charlotte Smith to the Brontës. Pennsylvania: Pennsylvania State University Press, 1998.

KRISTEVA, Julia. Powers of horror: an essay on abjection. New York: Columbia University Press, 1982.

MARIA, Luzia de. O que é conto. São Paulo: Brasiliense, 1992.

MOERS, Ellen. Literary women: the great writers. New York: Oxford University Press, 1976.

SANDER, Lúcia V. O caráter confessional da literatura de mulheres. In: Revista Organon, Porto Alegre, v. 16, n. 16, pp. 38-51, 1989.

SANTOS, Ana Paula Araujo dos. O gótico feminino na literatura brasileira: um estudo de Ânsia Eterna, de Júlia Lopes de Almeida. Rio de Janeiro. 2017. 91 f. Dissertação (Mestrado em Teoria da Literatura e Literatura Comparada) – Instituto de Letras, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2017.

SMITH, Sidonie. A poetics of women's autobiography: marginality and the fictions of self-representation. Bloomington: Indiana University Press, 1987.

SNODGRASS, Mary Ellen. Encyclopedia of gothic literature. New York: Facts on file, 2005.

STEVENS, David. The gothic tradition. Cambridge: Cambridge University Press, 2006.

USSHER, Jane M. The Madness of Women: Myth and experience. London and New York: Routledge, 2011.

WALLACE, Diana; SMITH, Andrew. The Female Gothic: New Directions. New York: Palgrave Macmillan, 2009.

WILLIAMS, Anne. Art of Darkness:a poetics of gothic. Chicago: The University of Chicago Press, 1995.

ZOLIN, Lúcia Osana. Crítica Feminista. In: BONNICI, Thomas; ZOLIN, Lúcia Osana (Orgs.). Teoria literária: abordagens históricas e tendências contemporâneas. Maringá: Eduem, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2018 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.