Zoneamento Geoambiental para o uso sustentável de aquíferos no município de Pirassununga-SP (Geoenvironmental Zoning for sustainable use of aquifers in the municipality Pirassununga-SP)

Josmila Fernandes da Silva, Isadora Haddad Ruiz, João Vitor Roque Guerrero, Luiz Eduardo Moschini

Resumo


O avanço das atividades antrópicas no processo de ocupação do ambiente físico desencadeia impactos negativos na qualidade e disponibilidade de recursos naturais. Entre os recursos impactados estão os depósitos de águas subterrâneas que apresentam suscetibilidade a diferentes fontes de contaminação, natural ou antrópica, de acordo com características do meio, que apresenta capacidade de potencializar ou reduzir esse processo. Dentre as atividades com maior potencial a contaminação das unidades aquíferas está o cultivo de monocultura de cana-de-açúcar e áreas agrícolas com solo exposto, ambas identificadas no município de Pirassununga-SP. Neste sentido o objetivo do presente trabalho foi elaborar uma proposta preliminar de Zoneamento Geoambiental que visa o uso sustentável dos aquíferos em Pirassununga-SP, de modo a conservar a qualidade e disponibilidade das águas subterrâneas. Com base na análise do meio físico e antrópico da área e estudo, foi possível obter a caracterização geoambiental e interpretar as potencialidades à contaminação das unidades aquíferas presentes em Pirassununga-SP. Os resultados foram obtidos elaborando-se a cartografia geoambiental da área, e posterior aplicação das metodologias de Soma Ponderada e Lógica Fuzzy que relacionam os fatores geoambiental, no qual zonas com diferentes potenciais à contaminação foram geradas. Em sua maioria a área urbana, localizada na região central do município, demonstrou potencial baixo e médio a contaminação, enquanto zonas de alto e muito alto potencial encontram-se na área rural. A partir disso, o zoneamento demonstrou-se uma ferramenta potencial básica para o desenvolvimento de ações de gestores públicos, visando um planejamento territorial mais sustentável.

 

 

 

A B S T R A C T

The advancement of anthropogenic Activities in the occupation process of the physical environment triggers negative impacts on the quality and availability of natural resources. Among the impacted resources are groundwater deposits that present susceptibility to different sources of contamination, natural or anthropic, according to characteristics of the physical environment, which present capacity to enhance or reduce this process. Among the activities with the greatest potential the contamination of the aquifers units are contamination of the aquifers units is the cultivation of sugar cane monoculture and agricultural areas with exposed soil, both identified in the municipality of Pirassununga-SP. Hence the objective of this work was to draw up a preliminary proposal of geoenvironmental zoning aimed at the sustainable use of aquifers in Pirassununga-SP, in order to preserve the quality and availability of groundwater. Through the analysis of the physical and anthropic environment of the municipality, it was possible to obtain the characterization of the study area and interpret as potentialities contamination of the units aquifers presents in Pirassununga-SP. The results were obtained from the drawing up the geoenvironmental cartography of the area, and subsequent application of the methodology of Weighted Sum and Fuzzy Logic that related the geoenvironmental factors, in which, areas with different potentials to the contamination generated. Mostly the urban area, located in the central region of the municipality demonstrated low and medium potential for contamination and, how much the high and very high potential areas are in the rural area. From this, the zoning demonstrated a basic potential tool for the development of actions of public managers, aiming at a more sustainable territorial planning

Keywords: geoenvironmental cartography, contamination potential, gis, zoning.


Palavras-chave


Cartografia Geoambiental, Potencial de contaminação, SIG, Zoneamento.

Texto completo:

PDF

Referências


Câmara, M. R. G., Caldarelli, C. E., 2016. Expansão canavieira e o uso da terra no estado de São Paulo. Estudos Avançados 30, 93-116.

Costa, C. W., Moraes, M. C. P., Cançado, C. J., Guerrero, J. V. R., Marangon, F.; M., Lorandi, R., Lollo, J. A., Moschini, L. E., 2015. Potencial de Contaminação de Aquíferos por Atividades Antrópicas da Bacia do Ribeirão no Meio - Município de Leme - SP. Revista Brasileira de Recursos Hídricos 20, 218-225.

Das, N., Goswami, D. C., 2018. A Geo-Environmental Study on Groundwater Recharge Zones and Groundwater Management in the Guwahati Municipal Area. In: SARMA et al. (Org). Urban ecology, water quality and climate change. Springer, Cham, 389–400.

ESRI. Environmental Systems Research Institute, 2017. WEIGHTED SUM. Disponível em: . Acesso em: setembro de 2017.

Falkenmark, M. et al. Water, a reflection of land use: options for counteracting land and water mismanagement. Stockholm, Sweden: Swedish Natural Science Research Council 1999, 128.

Foster, S, Hirata, R., Gomes, D., D'elia, M., Paris, M. 2002. Groundwater Quality Protection: a guide for water utilities, municipal authorities, and environment agencies. The word Bank, The International Bank for Recontruction and Development, 01-11.

Guerra, A.J.T. Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica. In: Guerra, A.J.T. el al. (Org). Erosão e conservação dos solos: conceitos temas e aplicações: Rio de Janeiro: Bertrand Brasil. 1999, 17-50.

Guerreiro, J.V.R., Lollo, J.A., Lorandi, R., 2016. Cartografia geoambiental como base para planejamento territorial na bacia do Rio Clarinho, Sp. Revista Brasileira de Cartografia 68, 313-326.

Gjorup, A.F. et al. 2016. Análise de procedimentos para seleção de áreas prioritárias em programas de pagamento por serviços ambientais hídricos. Rev. Ambient. Água 11, 225-238.

Hirata, R., 2009. Recursos Hídricos. In: TEIXEIRA, W. (Org). Decifrando a Terra. São Paulo, Companhia Editora Nacional, 448-444.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e estatística, 2016. Cidades, 2016. [online] Disponível em: . Acesso em: julho de 2017.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2008. Banco de Dados Geomorfométricos do Brasil (TOPODATA) - Formas do terreno. Disponível em: . Acesso em: julho de 2017.

IBAMA. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis, 2013. Zoneamento Ambiental. Disponível em: . Acesso em: julho de 2017.

IG. Instituto Geológico. Unidades Básicas de Compartimentação do Meio Físico do Estado de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: julho de 2017.

Iritani, M. A., Ezaki, S., 2009. As águas subterrâneas do Estado de São Paulo. 2. ed. São Paulo: Secretaria de Estado do Meio Ambiente, 20-51.

Kreitlow, J.P., Neves, S.M.A.S., Neves, R.J., Serafim, M.E., 2014. Avaliação geoambiental das terras do município brasileiro de Cáceres para o cultivo da teca. Revista Ra’eGa 31, 53-68.

Lima, W. de P. et al. 2013. Interações bióticas e abióticas na paisagem: uma perspectiva eco‐hidrológica. In: CALIJURI, M. do C.; CUNHA, D. G F. (Ed.) Engenharia ambiental conceitos tecnologia e gestão. Rio de Janeiro: Elsevier, 215-44

Liu, S., Li, W,, Wang, Q., 2018. Zoning method for environmental engineering geological patterns in underground coal mining areas. Science of The Total Environment 634, 1064-1076.

Lossardo, L.F., 2014. Proposta de zoneamento geoambiental da bacia hidrográfica do Ribeirão do Ouro no município de Pirassununga (SP). 159p. Tese (Doutorado em Ciências Exatas e da Terra). Universidade Federal de São Carlos, São Carlos.

Marchiwal, D., Jha, M. K., Singh, V. P., Mohan, C., 2018. Assessment and mapping of groundwater vulnerability to pollution: Current status and challenges. Earth-Science Reviews 185, 901-927.

Montaño, M, Oliveira, I.S.D, Ranieri, V.E.L, Fontes, A.T, Souza, M.P., 2007. O zoneamento ambiental e sua importância para a localização de atividades. Revista Pesquisa e Desenvolvimento Engenharia de Produção 6, 49-64.

Moreira, F. R., Câmara, G., Filho, R. A., 2001. Técnicas de Suporte à Decisão para Modelagem Geográfica por Álgebra de Mapas. Relatório Técnico do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), 03-40. Disponível em: < http://www.dpi.inpe.br/geopro/modelagem/relatorio_suporte_decisao.pdf >. Acesso em: julho de 2017.

Oliveira, A.V.L.C, 2012. Zoneamento geoambiental como subsídio ao planejamento territorial municipal: estudo de caso para Currais Novos/RN. 109p. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Natal.

INPE. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2001. Pesquisas Espaciais (INPE), 03-40. Disponível em: < http://www.dpi.inpe.br/geopro/modelagem/relatorio_suporte_decisao.pdf >. Acesso em: julho de 2017.

Rossatto, D. R., Toniato, M. T. Z., Durigan, G., 2008. Flora fanerogâmica não arbórea do cerrado na Estação Ecológica de Assis, Estado de São Paulo. Revista Brasileira de Botânica 31, 409-424.

Ross, J. L. S. 1994. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. Revista do Departamento de Geografia 8, 64-66.

Santos, V. S., Lorandi, R., 2017. Características Hidrogeológicas e Vulnerabilidade à Contaminação das Unidades Aquíferas da Bacia Hidrográfica dos Córregos Amaral e Brilhante - Jaciara (MT). Revista Brasileira de Geografia Física 10, 1624-1637.

Schirmer, G.J., Robaina, L.E.S., 2012. Zoneamento geoambiental em municípios do rio grande do sul: município de agudo zoneamento geoambiental em municípios do Rio Grande do Sul: município de Agudo. São Paulo, UNESP, Geociências 31, 93-102.

USGS. Serviço Americano Geológico, 2017. Earth Explorer. Disponível em: . Acesso em: julho de 2017.

Tambosi, L.R. et al. 2015. Funções eco-hidrológicas das florestas nativas e o Código Florestal. Estudos Avançados 29, 151-162.

Tavanti, D. R., Moura, S., Azevedo, F. Z., Medvedchikoff, T. G., Deus, L. R., Moreira, M. A. A., Lorandi, R., Caçado, C. J., Martins, M. M. R., 2009. Estudo da Vulnerabilidade de Contaminação de Aquífero por Agrotóxicos, na Região de Descalvado e Analândia (SP). Revista Brasileira de Recursos Hídricos 14, 53-61.

Tucci, C. E. M.; Clarke, R. T., 1997. Impactos das mudanças da cobertura vegetal no escoamento: revisão. Revista Brasileira de Recursos Hídricos 2, 135-152.

Tundisi, J. G., 2014. Recursos hídricos no Brasil: problemas, desafios e estratégias para o futuro. Rio de Janeiro: Academia Brasileira de Ciências, 76.

Vorosmarty, C. J., Mcintyre, P.B., Gessner, M. O, Dudgeon, D.; P, S. E., Sullivan, C. A.; Liermann, C. R., Davies, P. M., 2010. Global threats to human water security and river biodiversity. Nature 467, 555-561.

Zaine, J.E., 2000. Mapeamento geológico-geotécnico por meio do método do detalhamento progressivo: ensaio de aplicação na área urbana do município de Rio Claro (SP). 189p. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente). Universidade Paulista Júlio de Mesquita Filho, Rio Claro.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.4.p1277-1290

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License