Modelagem cartográfica para a delimitação das paisagens da bacia hidrográfica do Alto Curso do Rio Mundaú - Pernambuco/Alagoas, Nordeste, Brasil

Fernando da Silva Alexandre, Ana Lúcia Bezerra Candeias, Daniel Dantas Moreira Gomes

Resumo


A noção de paisagem está presente na memória do ser humano antes mesmo da elaboração do conceito. As sínteses naturalistas concebem a natureza através de uma ordem natural que promove a organização da superfície terrestre a partir dos elementos internos e externos do globo, essa ordem está passível de analise, já que se espacializa em áreas naturais homogêneas, dotadas de uma hierarquia. A bacia hidrográfica é uma excelente opção de investigação, é um sistema aberto, dinâmico, onde ocorrem trocas constantes de matéria e energia. As bacias hidrográficas, na condição de unidades funcionais de planejamento, esguardam paisagens. Assim para a delimitação das paisagens do alto curso, buscou-se correlacionar os fatores geológico-geomorfológico com a climatologia da bacia, o que resultou na delimitação de 8 unidades de paisagens, sendo elas: caatingas secas em relevo dissecado em ravina, caatingas subúmidas em relevo dissecado convexo, matas úmidas em relevo convexo, matas úmidas em relevo dissecado aguçado, matas úmidas em relevo pediplano degradado inumado, matas úmidas em relevo tabular, atas subúmidas em relevo tabular e matas úmidas em relevo dissecado aguçado.

 

Cartographic modeling of the delimitation of landscapes in watershed of the high course of the Mundaú River – Pernambuco / Alagoas, Northeastern, Brazil

 

A B S T R A C T

The notion of landscape is present in human memory even before the elaboration of this concept. Naturalistic syntheses conceive nature through a natural order that promotes the organization of the earth's surface from the inner and outer elements of the globe. This order is subject to analysis, since it is spatialized in homogeneous natural areas, endowed with a hierarchy. The watershed is an excellent research option. It is an open, dynamic system where constant exchanges of matter and energy occur. Watersheds, as functional planning units, protect landscapes. Thus, for the delimitation of the landscapes of the upper course, we sought to correlate the geological-geomorphological factors with the climatology of the basin, which resulted in the delimitation of 8 landscape units, namely: dried dry caatingas in ravine, submerged caatingas in convex dissected relief, convex embossed wetlands, sharp dissected embossed wetlands, smoked degraded pediplane embossed woods, tabular embossed wetlands, tabular embossed wetlands and thickened dissected embossed wetlands.

Keywords: landscape cartography, landscape units, geosystems, landscape mapping.


Palavras-chave


Cartografia de paisagem, unidades de paisagem, geossistemas, mapeamento de paisagens.

Texto completo:

PDF

Referências


Alexandre, F. S. et al. Geoprocessamento Aplicado ao Mapeamento das Unidades Geomorfológicas da Bacia Hidrográfica do Alto Curso do Rio Mundaú - PE/AL. Revista de Geologia (Fortaleza), v. 31, p. 159-168, 2018.

Alexandre, F. S. et al. Aerofotogrametria de pequeno formato aplicada a realização da cartografia básica da cidade de Palmeirina-pe. Os Desafios da Geografia Física na Fronteira do Conhecimento, v. 1, n. 2017, p. 5565–5572, 2017.

Alexandre, F. S. et al. Geoprocessamento aplicado a análise morfométrica da sub-bacia hidrográfica do alto curso do rio mundaú–Pernambuco/Alagoas. do 4º GeoAlagoas, Anais, 2016.

Bailey, R. G. Ecosystem geography: from ecoregions to sites. [S.l.]: Springer Science & Business Media, 2009.

Bertrand, G. Paisagem e geografia física global. esboço metodológico. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, v. 8, 2004.

Botelho, R. G. M. Planejamento ambiental em microbacia hidrográfica. Erosão e conserva- ção dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 269–300, 1999.

Botelho, R. G. M.; SILVA, A. d. Bacia hidrográfica e qualidade ambiental. Reflexões sobre a geografia física no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, p. 153–192, 2004.

Brasil, L. N. 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art, v. 21, p. 9433–97, 2010.

Casseti, V. Geomorfologia: [S.l.]: , 2005.

Cavalcanti, L.; Corrêa, A. Da descrição de áreas às sínteses naturalistas: uma abordagem historiográfica sobre a ideia de ‘áreas naturais’. Espaço e Geografia (UNB), v. 17, n. 2, p. 377–422, 2014.

Cavalcanti, L. C. d. S. Da descrição de áreas à teoria dos geossistemas: uma abordagem epistemológica sobre sínteses naturalistas. Tese (Doutorado), 2013.

Cavalcanti, L. C. S.; Corrêa, A. C. de B. Geossistemas e geografia no brasil. Revista Brasileira de Geografia, v. 61, n. 2, p. 3–33, 2017.

Chorley, R.; Haggett, P. Modelos, paradigmas e a nova geografia. CHORLEY, Richard, HAGGETT, Peter. Modelos sócioseconômicos em geografia. Rio de janeiro: Livros Técni- cos e Científicos/USP, p. 1–22, 1975.

Chorley, R. J. The drainage basin as the fundamental geomorphic unit. Water, earth and man, London, Methuen and Co. Ltd, p. 77–98, 1969.

Christofoletti. Geomorfologia. 2. ed. [S.l.]: Edgard Blucher, 1980.

Christofoletti, A. Análise morfométrica de bacias hidrográficas. Notícia Geomorfológica, v. 9, n. 18, p. 35–64, 1969.

Christofoletti, A. Modelagem de sistemas ambientais. [S.l.]: Edgard Blücher, 2007.

Corrêa, A. C. de B.; et al. Megageomorfologia E Morfoestrutura Do Planalto Da Borborema. Revista do Instituto Geológico, 2010.

Crepani, E. et al. Sensoriamento remoto e geoprocessamento aplicados ao zoneamento ecológico-econômico e ao ordenamento territorial. [S.l.]: INPE, São José dos Campos, 2001.

Davis, C.; Fonseca, F. Introdução aos sistemas de informação geográficos. [curso de espe- cialização em geoprocessamento]. Belo Horizonte (MG): UFMG/Instituto de Geociências, 2001.

Fitz, P. R. Geoprocessamento sem complicação. [S.l.]: Oficina de textos, 2013.

Gomes, D. D. M. Geoprocessamento aplicado à análise e zoneamento dos sistemas ambi- entais da bacia hidrográfica do Rio Mundaú - PE/AL. Tese (Doutorado), 2015.

Gomes, D. D. M.; Medeiros, C.; Albuquerque, E. L. S. Mapeamento dos níveis de degradação da cobertura vegetal da bacia hidrográfica do rio jaibaras no semiárido cearense para o período de 1985 a 2009. Fortaleza: IPECE, 2011.

Gomes, D. D. M.; Mendes, L. M. S.; Medeiros, C. N. De; Verissimo, C. U. V. Análise multitemporal do processo de degradação da vegetação da bacia hidrográfica do rio jaibaras no estado do ceará. Geografia Ensino & Pesquisa, v. 15, n. 2, p. 41–62, 2011.

Guerra, A. J. T.; Marçal, M. dos S. Geomorfologia ambiental. [S.l.]: Bertrand Brasil, 2006.

Haggett, P. Models, paradigms and the new geography. Models in geography, Methuen, p. 19–41, 1967.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de geomorfologia. [S.l.]: IBGE, 2009. v. 2.

Isachenko, A. G. Principles of Landscape Science and Physical-Geographic Regionali- zation. [S.l.]: Melbourne University Press, 1973.

Kottek, M.; GRIESER, J.; BECK, C.; RUDOLF, B.; RUBEL, F. World map of the köppen-geiger climate classification updated. Meteorologische Zeitschrift, E. Schweizerbart’sche Ver- lagsbuchhandlung, v. 15, n. 3, p. 259–263, 2006.

Landim, P. M. B. Introdução aos métodos de estimação espacial para confecção de mapas. Rio Claro: UNESP, p. 20, 2000.

Martinelli, M. Cartografia ambiental: uma cartografia diferente? Revista do Departamento de Geografia, v. 7, p. 61–80, 2011.

Nascimento, F. R. do. Categorização de usos múltiplos dos recursos hídricos e probemas ambientais: cenários e desafios. Os recursos hídricos do Ceará: integração, gestão e poten- cialidades, p. 38, 2011.

Passarge, S. Physiogeographie und vergleichende Landschaftsgeographie. [S.l.: s.n.], 1913.

Ponzoni, F. J.; Shimabukuro, Y. E.; Kuplich, T. M. Sensoriamento remoto da vege- tação. [S.l.]: Oficina de Textos, 2015.

Rodrigues, C. A teoria geossistêmica e sua contribuição aos estudos geográficos e ambientais. Revista do Departamento de Geografia, v. 14, p. 69–77, 2011.

Rodriguez, J. M. M.; Silva, E. D.; Cavalcanti, A. P. B. Geoecologia das paisagens: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: editora UFC, p. 27–30, 2004.

Rosa, R. Introdução ao sensoriamento remoto. 7. ed. [S.l.]: EDEFU, 2009.

Ross, J. L. S. Geomorfologia: ambiente e planejamento. [S.l.]: Editora Contexto, 1990.

Ross, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomorfológicos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do departamento de Geografia, v. 6, p. 17–29, 1992.

Ross, J. L. S. Ecogeografia do Brasil. [S.l.]: Oficina de Textos, 2006. ISBN 978-85-86238-60- 4.

Rouse, J.; Haas, R.; Schell, J.; Deering, D. Monitoring vegetation systems in the great plains with erts. 1974.

Santos, M. Metamorfoses do espaço habitado. [S.l.: s.n.], 1988. v. 4. 136 p.

Sochava, V. Algumas noções e termos da geografia física. Relatórios do instituto de Geo- grafia da Sibéria e do Extremo Oriente, v. 3, p. 53, 1963.

Sochava, V. The study of geosystems. In: Reports of the Institute of Geography of Siberia and the fay Eeast, special issue for the. XXIII Internacional Geographical Con- gress. [S.l.: s.n.], 1976. p. 3–40.

Sochava, V. B. O estudo de geossistemas. [S.l.]: Universidade de São Paulo, Instituto de Geografia, 1977. v. 16.

Solnetsev, N. The natural geographic landscape and some of its general rules. Foundation papers in landscape ecology. Columbia University Press, New York, p. 19–27, 2007.

Souza, J. O. Praça de; CORRÊA, A. C. de B. Sistema fluvial e planejamento local no semiárido. Mercator-Revista de Geografia da UFC, Universidade Federal do Ceará, v. 11, n. 24, 2012.

Torres, F. T. P.; Machado, P. d. O. Introdução à hidrogeografia. São Paulo: CENGAGE, 2012.

Troll, C. Geo-ecology of the mountainous regions of the tropical americas(proceedings of the unesco mexico symposium, august 1-3, 1966). FDümmlers, 1968.

Tundisi, J. G. Água no século xxi: enfrentando a escassez. In: Água no século XXI: enfren- tando a escassez. [S.l.: s.n.], 2003.

Valeriano, M.; Rossetti, D.; Albuquerque, P. Topodata: desenvolvimento da pri- meira versão do banco de dados geomorfométricos locais em cobertura nacional. Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, p. 1–8, 2009.

Viganó, H.; Borges, E.; Franca-Rocha, W. Análise do desempenho dos índices de vegetação ndvi e savi a partir de imagem aster. Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, v. 15, p. 1828–1834, 2011.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License