Paisagem rural da microrregião de Tomé-Açu sob a ótica bertrandiana

Leonardo Sousa Santos, João Santos Nahum, Cleison Bastos Santos, Orleno Marques da Silva Junior

Resumo


A formação da paisagem da Microrregião de Tomé-Açu (MRGTA) caminha pari passu com a reorganização e a configuração espacial desse território, agrupando intencionalidades sociais, que introduzem nos lugares onde aportam novas temporalidades e espacialidades segundo as lógicas dos mercados mundiais. As estradas, a exploração agropecuária e a expansão urbana são algumas das perturbações significativas nas Unidades de Paisagens (UPs) rurais dessa microrregião. O desafio deste trabalho foi ler e interpretar os Mosaicos de Unidades Homogêneas (MUH) através do sistema hierarquizado tripolar bertrandiano GTP (Geossistema-Território-Paisagem), das unidades superiores e inferiores, destacando a complexidade da paisagem rural. Utilizou-se de bases secundárias oriundas de instituições do Governo Federal para representação cartográfica das MUH. Posteriormente, organizou-se um Banco de Dados Geográficos através do Sistema de Informação Geográfica (SIG) QGis 2.18. Com os resultados, evidencia-se que alguns MUH se encontram bem diferentes dos tempos passados, representando uma pluralidade de formas e estruturas de ocupações, principalmente quanto à reprodução do capital, viabilizado e difundido pela ação estatal/empresarial, em especial da paisagem monótona da monocultura do dendê, que tem um arranjo único que causa impacto sociocultural no conjunto geográfico estudado. Do ponto de vista bertrandiano, revela-se que a paisagem da MRGTA possui um conjunto de formas heterogêneas (naturais e artificiais) que possibilitam interpretações particulares de vários tempos, escritos uns sobre os outros, e com idades e heranças de diferentes momentos. Por fim, constata-se que a paisagem da MRGTA possui uma complexidade, e a metodologia aplicada possibilitou ler as marcas e matrizes na paisagem, deixadas no tempo e no espaço dessa microrregião do agronegócio

 

 

Rural landscape of Tomé-Açu micro region under georges bertrand's perspective

 

A B S T R A C T

The formation of the Tomé-Açu Micro region Landscape (MRGTA), Northern Brazil, goes hand in hand with the reorganization and spatial configuration of this territory, encompassing social intentionalities that introduce new temporalities and spatialities according to the logic of global markets. Roads, agricultural exploitation and urban sprawl are some of the significant disorders for the rural landscape units (UPs) in this micro region. The challenge of this research was to read and interpret the Mosaics of Homogeneous Units (MUH) through Georges Bertrand's tripolar hierarchical system GTP (Geosystem-Territory-Landscape), of upper and lower units, which highlights the complexity of the rural landscape. This research used secondary bases from Federal Government institutions for cartographic representation of the Mosaics of Homogeneous Units. Then, a Geographic Database was organized through the Geographic Information System (GIS) QGis 2.18. The results of the research indicate that some MUH are quite different from the past, representing a plurality of forms and structures of occupancies, especially regarding the reproduction of capital, made possible and disseminated by state and business actions, especially the monotonous landscape of palm oil monoculture, which has a unique conformation that causes sociocultural impact on the studied geographical object. From Bertrand's point of view, it is observed that the landscape of MRGTA has a set of heterogeneous forms (natural and artificial) that enable particular interpretations from different times, written about each other, and with ages and inheritances of different times. Finally, it is understood that the MRGTA landscape has a complexity, and the applied methodology made it possible to read the marks and matrices in the landscape, left in time and space of this agribusiness micro region.

Keywords: bertrand, gtp (geosystem-territory-landscape), rural landscape


Palavras-chave


Bertrand; GTP (Geossistema-Território-Paisagem); Paisagem rural.

Texto completo:

PDF

Referências


Ab'sáber, A. N., 2003. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. Ateliê Editorial.

Almeida, C. A., Coutinho, J. A. M., Esquerdo, J. C. D. Adami, A., Venturieri, A., Diniz, C. G., Dessay, N., Durieux, L., Gomes, A. R., 2014. Status and prospects of oil palm in the Brazilian Amazon. Biomass and bioenergy, v. 67, p. 270-278. Acesso em: 21 jul. 2019.

Alves, E. J. C., Rêgo, J. C., Galvão, C. D. O., Vieira, J. B. D. A., 2018. Limits and conditions for the exploitation of alluvial aquifers in the Brazilian semi-arid region. RBRH, v. 23, 2018. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/2318-0331.0318160049. Acesso em: 21dez. 2018.

Aparecido, L. E. D. O., Rolim, G. D. S., Richetti, J., Souza, P. S. D., Johann, J. A., 2016. Köppen, Thornthwaite and Camargo climate classifications for climatic zoning in the State of Paraná, Brazil. Ciência e Agrotecnologia, v. 40, n. 4, p. 405-417. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-70542016000400405. Acesso: 03 mai. 2019.

Araújo, M. J., 2000. Fundamentos de agronegócios. Editora Atlas AS.

Barcelos, E., Pacheco, A. R.,Müller, A. A., Viegas, I.,Tinoco, P. B., 1987. Dendê: informações básicas para seu cultivo. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E). Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2019.

Becker, B. K., 1995. A (des) ordem global, o desenvolvimento sustentável e a Amazônia. vários autores, Geografia e Meio Ambiente no Brasil, Hucitec, São Paulo, 1995.

Becker, B., 2009. Amazônia: geopolítica na virada do III milênio. Rio de Janeiro: Garamond. 168p.

Benda, F., Alves, M., Corrêa, F., 2017. Estudo do Risco de Degradação por Assoreamento dos Corpos d’água Superficiais Utilizando SIG. Informática Pública, 9(2), 55-69. Disponível: http://www.ip.pbh.gov.br/ANO9_N2_PDF/estudo-risco-degradacao.pdf. Acesso em: 20 out. 2017.

Bertrand, G., Bertrand, C., 2007. Uma geografia transversal e de travessias: o meio ambiente através dos territórios e das temporalidades. Maringá: Massoni, p. 290-291. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&pid=S1982-4513201400020027100010&lng=en. Acesso em: 07 jul. 2019.

Bolfe, É. L., Batistella, M., 2012. Análise florística e estrutural de sistemas silviagrícolas em Tomé-Açu, Pará. Pesquisa Agropecuária Brasileira, 46(10), 1139-1147. Disponível: http://seer.sct.embrapa.br/index.php/pab/article/view/8508>. Acesso: 21 out. 2017.

Cardoso, F. H. M., 1977. Amazônia: expansão do capitalismo. Editora brasiliense, São Paulo – Brasil.

Costa, F. A., 2012. Formação rural extrativista na Amazônia: os desafios do desenvolvimento capitalista (1720-1970). Belém: NAEA. (Coleção Economia Política da Amazônia. Série III - Formação histórica, v. 1).

Cunha, S. B., Guerra, A J., 2011. Geomorfologia e meio ambiente. Organizadores. – 10ª Ed. – Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Da Silva Gemaque, A. M., Beltrão, N. E. S., Mesquita, M. D. O. B., Ferreira Filho, H. R., 2017. Qualidade de Vida do Agricultor Familiar e sua Relação com a Dendeicultura: Estudo de uma Comunidade Rural no Município De Moju, Pa. Revista Brasileira de Gestão e Desenvolvimento Regional, v. 13, n. 1. Disponível em: https://www.rbgdr.net/revista/index.php/rbgdr/article/view/2734. Acesso em: 12 mar. 2019.

Da Silva, T. M., Dos Santos, B. P., 2010. Sistemas de drenagem e evolução da paisagem. Revista Geográfica Acadêmica, 4(1), 5-19. Disponível em: https://search.proquest.com/openview/55c333249841d97972ce82a82cf891bc/1?pq-origsite=gscholar&cbl=2046164. Acesso em 26 out. 2017.

De Britto, M. C., Ferreira, C. C. M., 2011. Paisagem e as diferentes abordagens geográficas. Revista de Geografia-PPGEO-UFJF, v. 1, n. 2. Disponível: https://periodicos.ufjf.br/index.php/geografia/article/view/17890. Acesso em: 12 mai. 2019.

De Carli, A. A., 2015. Água é vida: eu cuido, eu poupo: para um futuro sem crise. Editora FGV.

De Carvalho, A. C. A., Nascimento, E. N., Nahum, J. S. A., 2014. Dendeicultura e a sua Expansão no Estado do Pará: Uma Interpretação Geográfica do Evento. Anais do VI Congresso Ibero Americano de Estudios Territoriales y Ambintales. Disponível em: http://6cieta.org/arquivos-anais/eixo2/Ana%20Claudia%20Alves%20de%20Carvalho,%20Jo%C3%A3o%20Santos%20Nahum,%20Elvecia%20Noleto%20Nascimento.pdf. Acesso em 15 out. 2017.

Ferraro. L. M. W, Bered. A. R., Pagel. S. M., 2012. A Unidade de paisagem Natural como Base Especial para Gestão Ambiental. Paisagem: leituras, significados transformações. (Org.) ROBERTO, Verdum... [et al.]. Porto Alegre: Editora da UFRGS. p. 37 - 47.

Ferreira, A. B., 2001. Alcoforado, M. J., Vieira, G. T., Mora, C., Jansen, J. Metodologias de análise e de classificação das paisagens. O exemplo do projecto Estrela. Finisterra, 36(72). Disponível em: https://doi.org/10.18055/Finis1632. Acesso em: 05 mai. 2019.

Ferreira, M. J. M., Viana Júnior, M. M., Pontes, A. G. V., Rigotto, R. M., Gadelha, D., 2016. Gestão e uso dos recursos hídricos e a expansão do agronegócio: água para quê e para quem? Ciência & Saúde Coletiva, v. 21, p. 743-752, 2016. Disponível em: http://dx.doi.org/10.1590/1413-81232015213.21012015. Acesso em: 22 fev. 2019.

Furlan Júnior, J., Kaltner, F.J., Azevedo, G.F.P., 2006. Biodiesel: Porque tem que ser dendê. Belém: Embrapa Amazônia Oriental, Palmasa. 205p.

Girão, O., Correa, A. D. B. 2004. A contribuição da geomorfologia para o planejamento da ocupação de novas áreas. Revista de Geografia, Recife, 21(2), 36-58 Disponível: http://www.cchla.ufrn.br/geoesp/arquivos/artigos/artigoGeomorfologiaUrbana.pdf. Acesso: 26 out. 2017.

Glass, V., 2013. Expansão do dendê na Amazônia brasileira: elementos para uma análise dos impactos sobre a agricultura familiar no nordeste do Pará. Repórter Brasil. Fases: São Paulo, sd, 15p. Disponível: http://reporterbrasil. org. br/documentos/Dendê 2013. pdf. Acesso: 26 out. 2017.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. 2009. Normais Climatológicas do Brasil 1961-1990. Versão revista e ampliada Instituto Nacional de Meteorologia. Disponível: http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisClimatologicas. Acesso: 15 mai. 2019.

Kaltner, F. J., Furlan Júnior, J., Da Silva, E. B., Veiga, A. S., Vaz, J. D. C., 2004. Viabilidade técnica e econômica de produção de ésteres de óleo de palma, para utilização como substituto de óleo diesel, na Amazônia. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E), Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/408467/1/OrientalDoc193.PD. Acesso em: 19 jun. 2019.

Ker, J. C., 1997. Latossolos do Brasil: uma revisão. Revista Geonomos, 5(1). Disponível:https://periodicos.ufmg.br/index.php/revistageonomos/article/view/11493/8231. Acesso: 26 out. 2017.

Lago, A., Pádua, J. A, 2017. O que é ecologia. Brasiliense.

Lopes, A. P., 2015. Território usado e recursos hídricos: o uso da água na produção de flores e plantas ornamentais em Holambra-SP. 2015. 164 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas.

Lumbreras, J. F., Naime, U. J., Carvalho Filho, A. D., Wittern, K. P., Shinzato, E., Dantas, M. E., Pimentel, J., 2003. Zoneamento agroecológico do Estado do Rio de Janeiro / José Francisco Lumbreras... [et al.]. - Rio de Janeiro: Embrapa Solos. 113 p. - (Embrapa Solos. Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento, n. 33. Disponível em: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/458/1/bol_33_2003_zon_rj.pdf. Acesso em: 23 nov. 2017.

Martinelli, M., Pedrotti, F., 2011. A cartografia da unidade de paisagem: questões metodológicas. Revista do Departamento de Geografia, 14, 39-46. Disponível: http://www.revistas.usp.br/rdg/article/view/47311. Acesso: 25 set. 2017.

Martorano, L. G., Nechet, D., Pereira, L. C., 1993. Tipologia climática do Estado do Pará: adaptação do método de Köppen. Boletim de Geografia Teorética, v. 23, p. 45-46. Disponível: https://www.bdpa.cnptia.embrapa.br/consulta/busca?b=ad&id=328300&biblioteca=CPAO&busca=autoria:%22PEREIRA,%20I.C.B.%22&qFacets=autoria:%22PEREIRA,%20I.C.B.%22&sort=&paginacao=t&paginaAtual=1. Acesso: 20 jan. 2019.

Miranda, E. E. De, (Coord.), 2005. Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite. Disponível: https://www.cnpm.embrapa.br/projetos/relevobr/. Acesso: 13 out. 2017.

Miranda, E. E. De, (Coord.)., 2005. Brasil em Relevo. Campinas: Embrapa Monitoramento por Satélite. Disponível: https://www.cnpm.embrapa.br/projetos/relevobr/. Acesso: 13 out. 2017.

Monteiro, R. H. Rocha, C. A. Quanto de Uma Paisagem Pode Entrar em Um Olho. Anais do VI Seminário Nacional de Pesquisa em Arte e Cultura Visual Goiânia-G O: UFG, FAV, 2013. Disponível em: https://seminarioculturavisual.fav.ufg.br/p/9362-2013. Acesso em: 2 jan. 2018.

Müller, A. A., Alves R. M., 1997. A dendeicultura na Amazônia brasileira Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E), 1997. Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/374987/1/CPATUDoc91.pdf. Acesso em: 10 jan. 2018.

Müller, A. A., Furlan Júnior, J., Celestino Filho, P. A., 2006. Embrapa Amazônia Oriental e o agronegócio do dendê no Pará. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E). Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/394940/1/Doc257.pdf. Acesso em: 13 mai. 2019.

Pissinati, M. C., Archela, R. S., 2009. Geossistema território e paisagem-método de estudo da paisagem rural sob a ótica bertrandiana. Geografia, v. 18, n. 1, p. 5-31. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5433/2447-1747.2009v18n1p5. Acesso em: 01 jan. 2019.

Puntel, G. A., 2012. Paisagem e a Geografia. Paisagem: Leitura, Significado e transformações/ [Organizado por] Verdum, R., Vieira, L., Pinto, B.F. e da Silva, L.A. Porto Alegre. Editora da UFRGS. 256p.: il., 16 x 23 cm.

Ramalho Filho, A., Da Motta, P., Freitas, P., Teixeira, W., 2010. Zoneamento agroecológico, produção e manejo para a cultura da palma de óleo na Amazônia. Rio de Janeiro: Embrapa Solos.

Ribeiro, L. S., Da Gloria Alves, M., 2008. Análise de suscetibilidade à erosão laminar no município de Campos dos Goytacazes/RJ através de técnicas de geoprocessamento. Estudos Geográficos: Revista Eletrônica de Geografia, v. 6, n. 1, p. 89-100. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2019.

Rodrigues, T. E., Dos Santos, P. L., Rollim, P. A. M., Santos, E., Rego, R. S., Da Silva, J. M. L., Gama, J. R. N., 2001. Caracterização e classificação dos solos do Município de Tomé-Açu, PA. Embrapa Amazônia Oriental-Documentos (INFOTECA-E). Disponível em: https://www.infoteca.cnptia.embrapa.br/bitstream/doc/403598/1/OrientalDoc117.PDF. Acesso em 20 out. 2017.

Sauer, C. O., 2004. A Morfologia da Paisagem. Paisagem, tempo e cultura / Organização Roberto Lobato Corrêa, Zeny Rosendahl. 2 Ed. – Rio de Janeiro: EdUERJ.

Schier, R. A., 2003. Trajetórias do conceito de paisagem na geografia. Raega-O Espaço Geográfico em Análise, v. 7. Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/raega.v7i0.3353. Acesso em: 15 mai. 2019.

Souza, R. J., 2009. O sistema GTP (geossistema-território-paisagem) como novo projeto geográfico para a análise da interface sociedade-natureza. Revista Formação, n. 16, p. 89-106. Disponível: http://www2.fct.unesp.br/pos/geo/revista/artigos/n16v2/souza7.pdf. Acesso: 05 jul. 2019.

Suertegaray. D. M., Guasselli, L., 2004. Paisagens (Imagens e Representações) do Rio Grande do Sul. In VERDUM, R., BASSO, L. A. SUERTEGARAY. D. M. (Org.). Rio Grande do Sul: Paisagem Território em Transformação. Poro Alegre: Editora UFRGS.

Thomaz Junior, A., 2010. O agrohidronegócio no centro das disputas territoriais e de classe no Brasil do século XXI. Campo-território - Revista de geografia agrária, v. 5, n. 10, 2010. Disponível em: http://www.seer.ufu.br/index.php/campoterritorio/article/view/12042. Acesso em: 25 jul. 2019.

Vasconcelos, T. C. C. D., 2013. Análise dos Índices de Erosividade a partir de dados de precipitação de postos pluviométricos do Município de João Pessoa–PB. Trabalho de conclusão de curso em Geociências. João Pessoa, PB Disponível em: http://rei.biblioteca.ufpb.br:8080/jspui/handle/123456789/500. Acesso em: 20 out. 2017.

Veiga, A. M., Trindade, M. C., Souza, R. M., Oliveira, W. N., 2013. Caracterização Hidromorfológicas da Bacia Hidrográfica do Rio dos Bois. Anais do XX Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. Disponível em: http://www.cprm.gov.br/publique/media/Evento_Veiga_Carac.pdf. Acesso em: 18 abr. 2017.

Verdum, R., Dos Santos Vieira, L. D. F., Pinto, B. F., Da Silva, L. A. P. (Eds.), 2012. Paisagem: leituras, significados transformações. Editora da UFRGS.

Villela, S. M., Mattos, A., 1975. Hidrologia aplicada. In Hidrologia aplicada. McGraw-Hill.

Vitte, A. C., 2005. O Uso da Morfometria de Bacias de Drenagem como Suporte ao Mapeamento da Fragilidade Ambiental nos Municípios de Sumaré e Valinhos, Região Metropolitana de Campinas (SP), Brasil. Anais do X Encontro de Geógrafos da América Latina. Universidade de São Paulo. Disponível em: http://observatoriogeograficoamericalatina.org.mx/egal10/Procesosambientales/Geomorfologia/15.pdf. Acesso em: 27 abr. 2017.

Watrin, O. D. S., Santos, D., Valente, M., 2011. Base de dados geográficos como subsídio à gestão territorial na fazenda experimental da Embrapa Amazônia Oriental, Belém, PA. Embrapa Amazônia Oriental-Boletim de Pesquisa e Desenvolvimento (INFOTECA-E) disponível: file:///C:/Users/User/Downlo ads/CPATUBPD77.pdf. Acesso: 22 nov. 2017.

Whately, M., Campanili, M., 2016. O século da escassez: Uma nova cultura de cuidado com a Água: Impasses e Desafios. Editora Schwarcz - Companhia das Letra.

Zacharias, A. A., 2010. A representação gráfica das unidades de paisagem no zoneamento ambiental São Paulo: Ed. UNESP.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2694-2715

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License