Análise Geomorfológica da TransiçãoCuestas-Depressão Periférica: A Alta Bacia do Rio Passa Cinco(SP) como estudo de caso

Tissiana Almeida Souza, Rafael Vilela Andrade, Cenira Maria Lupinacci

Resumo


O relevo paulista é marcado pela presença de extensa linha de cuestas cuja origem ainda hoje suscita discussões. Assim, o objetivo deste estudo foi analisar as características morfoestruturais da Alta Bacia do Rio Passa Cinco, situada em setor de transição Cuestas – Depressão Periférica, a qual se constitui em exemplo significativo da dinâmica deste tipo de relevo visto a complexidade de formas existentes, que incluem extenso frontcontínuo e morros testemunhos de variados tamanhos, com características e extensões diversificadas.Os dados para avaliar a área de estudo foram obtidos através da interpretação integrada das cartas Geomorfológica, Clinográfica, de Densidade de Drenagem, de Profundidade de Dissecação e de Lineamentos, na escala 1:50.000.Além da circundesnudação, considerado o fator clássico de origem e desenvolvimento destes dois macrocompartimentos do relevo, fatores tectônicos também necessitam ser avaliados para o entendimento das formas de relevo. Esses fatores são responsáveis pela aceleração da ação erosiva dos cursos fluviais em alguns setores, colaborando com a circundesnudação, assim como pela diferenciação das características doFrontCuestiforme e dos morros testemunhos. Assim, entende-se que os procedimentos técnicos permitiram obter dados que demonstram a complexidade que envolve a elaboração do relevo nesse setor de transição e que são passíveis de serem estendidos a outros setores do interior do Estado de São Paulo caracterizados por tais relevos.

 

Geomorphological Analysis of the Cuesta-Peripheral Depression: Case study of the Passa Cinco River watershed

 

A B S T R A C T

The relief of São Paulo is characterized by the presence of long cuesta, whose origin causes discussion until the present day. Thus, the objective of this research is to analyze the morphostructural characteristics of the Passa Cinco River watershed, situated at transition zone of Cuestas-Peripheral Depression, constituting significative example of this relief system, taking in consideration the complexity of existing forms, that include extense continuous cuesta scarp and buttes of different sizes, extensions and characteristics. The data to analyze the study area were obtained through the integrated interpretation of the Geomorphological, Declivity, Drainage Density, Depth of Drainage and Lineation maps, in 1:50.000 scale. Beyond circumdenudation, considered the classic process of origin of these two relief macrocompartments, tectonic factors also need to be evaluated in order to have a better understanding of these relief forms. These factors are responsible for the acceleration of erosive processes promoted by river courses in some sectors, collaborating with the circumdenudation process, as with the local variation of the Cuesta Front and buttes. Thus, it is understood that the technical procedures allowed to obtain data that demonstrate the complexity involved in the elaboration of the relief in this transition sector, being able to be extended to others areas of the interior of the state of São Paulo with this same relief characteristics.

Keywords: drainage density; depth of drainage; lineation; declivity.


Palavras-chave


Densidade de drenagem, profundidade de drenagem, lineamentos, declividade

Texto completo:

PDF

Referências


Aguilar, R. L.; Cunha, C. M. L., 2015. Análise morfoestrutural de um setor da Serra da Atalaia, Analândia/Corumbataí (SP). Revista Brasileira de Geografia Física 8, 1410-1434.

Almeida, F. F. M., 1949. Relevo de “Cuestas” na Bacia Sedimentar do Paraná. Boletim Paulista de Geografia 3, 21-33.

Andrade, R. V., 2018. Morfometria da Alta Bacia do Rio Passa Cinco (SP). Trabalho de Conclusão de Curso. Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”. 59 f.

Azevedo, T. S., 2003. Análise espaço temporal da dimensão fractal de matas ciliares na Alta Bacia do Rio Passa Cinco – Centro Leste do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Geografia) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 161 f.

Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura – CEPAGRI., 2017. Clima dos Municípios Paulistas. Disponível em: .Acesso em: 16. Jan. 2017.

Cunha, C. M. L., 2001. A Cartografia do relevo no contexto da gestão ambiental. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente) – Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro, 128 f.

De Biasi, M., 1992. A carta clinográfica: os métodos de representação e sua confecção. Revista do Departamento de Geografia 6, 45-60.

Facincani, E. M., 2000. Morfotectônica da Depressão Periférica Paulista e Cuesta Basáltica: regiões de São Carlos, Rio Claro e Piracicaba, SP. Tese (Doutorado em Geociências). Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Rio Claro. 222 f.

Filizola, H. F.; Almeida Filho, G. S.; Canil, K.; Souza, M. D.; Gomes, M. A. F., 2011. Controle dos processos erosivos lineares (ravinas e voçorocas) em áreas de solos arenosos. Circular Técnica 22, 1-7.

Godoy, D. F.; Hackspacher, P. C.; Guedes, S.; Hadler Neto, J. C., 2006. Reconhecimento da tectônica mesozoica-cenozoica na borda leste da Bacia do Paraná através da aplicação de traços de fissão em apatitas no Domo de Pitanga (sudoeste de Rio Claro, SP). Geociências 25, 151-164.

Hubp, J. I. L., 1988. Elementos de geomorfologia aplicada (metodoscartograficos). Cidade do México: Universidad Nacional Autónoma de México.

Instituto Agronômico de Campinas- IAC, 1981. Levantamento pedológico semidetalhado do Estado de São Paulo - Quadrícula São Carlos SF-23-Y-A-I. Campinas, Escala 1:100.000.

Instituto Agronômico de Campinas – IAC, 2014 Solos do Estado de São Paulo. Disponível em: . Acesso em: 16 jan. 2017.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 1969a. Itirapina Folha SF-23-M-I-3. Rio de Janeiro, Escala 1:50.000.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 1969b. Rio Claro Folha SF-23-M-I-4. Rio de Janeiro, Escala 1:50.000.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 1981ª. Mapa Geológico do Estado de São Paulo. São Paulo: IPT.

Instituto de Pesquisas Tecnológicas – IPT, 1981b. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo: IPT.

Lupinacci, C. M.; Andrade, R. V., 2017. A morfometria do relevo em área de transição Cuestas-Depressão: um estudo de caso. ENANPEGE 12, 11568-11576.

Paschoal, L.G.; Conceição, F. T.; Cunha, C. M. L., 2010. Utilização do ArcGIS 9.3 na elaboração de simbologias para mapeamentos geomorfológicos: uma aplicação na área do complexo argileiro de Santa Gertrudes/SP. Simpósio Nacional de Geomorfologia 8, 2010, 01-14.

Penteado, M. M., 1976. Geomorfologia do setor centro-ocidental da Depressão Periférica Paulista. São Paulo: Instituto de Geografia/Universidade de São Paulo.

Perrotta, M. M. et al., 2005. Mapa Geológico do Estado de São Paulo. Escala 1:750.000. São Paulo.

Pinheiro, M. R.; Queiroz Neto, J. P., 2014. Reflexões sobre a gênese da Serra Geral e da Depressão Periférica Paulista: o exemplo da Região da Serra de São Pedro e do baixo Piracicaba, SP. Revista do Instituto Geológico 35, 47-59.

Pinheiro, M. R.; Queiroz Neto, J. P., 2015. Neotectônica e evolução do relevo da região da Serra de São Pedro e do baixo Rio Piracicaba/Sudeste do Brasil. Revista Brasileira de Geomorfologia 16, 593-613.

Projeto RadamBrasil, 1983. Folhas SF23/24 Rio de Janeiro/Vitória, geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro: Projeto RADAMBRASIL.

Ross, J. L. S.; Moroz, I. C., 1997. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. São Paulo: FFLCH-USP/IPT/FAPESP.

Santos, M.; Ladeira, F. S. B., 2006. Tectonismo em perfis de alteração da Serra de Itaqueri (SP): análise através de indicadores cinemáticos de falhas. Geociências 25, 135-149.

Souza, T. A.; Oliveira, R. C., 2012. Avaliação da potencialidade de imagens tridimensionais em meio digital para o mapeamento geomorfológico. Revista Geonorte 2, 1348-1355.

Stefanuto, E. B; Lupinacci, C. M., 2016. Características morfoestruturais do relevo em setor de cuestas: um estudo em Analândia (SP). Revista Brasileira de Geografia Física 8, 1197-1211.

Tricart, J., 1965. Principes et méthodes de lagéomorphologie. Paris: Masson.

Verstappen, H. T.; Zuidam, R. A. V., 1975. System ofgeomorphologicalsurvey. Netherlands: Manuel ITC Textbook.

Valente, R. O. A., 2001. Análise da estrutura da paisagem na Bacia do Rio Corumbataí, SP. Dissertação (Mestrado em Recursos Florestais) – Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”, Universidade de São Paulo, Piracicaba, 144f.

Vieira, P. C., 1982. Hipótese sobre a origem da Depressão Periférica Paulista. Revista do Instituto Geológico 3, 61-67.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.2.p465-486

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License