ANÁLISE ESPACIAL DO ÍNDICE DE ARIDEZ NA SUB-BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO GURGUEIA-PIAUÍ

Livania Norberta Oliveira, Cláudia Maria Sabóia Aquino

Resumo


O objetivo deste estudo foi estimar o índice de aridez (IA) para o ano de 2017 através da análise da pluviometria anual média e da evapotranspiração potencial anual média da sub-bacia hidrográfica do rio Gurgueia, pertencente a atual fronteira agrícola brasileira em território piauiense, com o propósito de observar seus efeitos na distribuição do espaço e nas ações antrópicas para subsidiar ações voltadas para a sustentabilidade ambiental. A pesquisa foi realizada em três etapas: pesquisa bibliográfica, pesquisa de campo e de gabinete. Utilizou-se do software ArcGis para o desenvolvimento dos mapas temáticos. Verificou-se que em 64,4% da bacia o IA ficou caracterizado como clima semiárido (no setor Norte e Centro-Sudeste), em 35,6% o IA corresponde a tipologia climática subúmido seco em (setor Centro-Norte e Sudoeste). Constatou-se que a análise espacial da distribuição do IAé relevante para observar sua influência na composição da paisagem, que pode ser utilizado como parâmetro para o planejamento ambiental na sub-bacia, assim como ações voltadas a orientação da população envolvida acerca de técnicas agrícolas adequadas para a manutenção dos ecossistemas envolvidos, tendo em vista a ocorrência de intensos processos erosivos em municípios que compõe a sub-bacia, tais como Gilbués e Monte Alegre do Piauí.


Palavras-chave


Índice de aridez, Bacia hidrográfica, Rio Gurguéia, Agricultura, Desertificação

Referências


ANA. Agência Nacional de Águas. 2017. HidroWeb - Sistema de Informações Hidrológicas. Séries históricas: ano 2017. Disponível em: http://hidroweb.ana.gov.br/. Acesso em 23 julho de 2019.

Amani, M., Salehi, B., Mahdavi,S., Masjedi, A., Dehnavi, S. 2017. Temperature-Vegetation-soil Moisture Dryness Index (TVMDI). Remote Sensing of Environment v.197, p. 1–14. https://doi.org/10.1016/j.rse.2017.05.026

Aquino, C.M.S., Oliveira, J.G. 2012. Avaliação de indicadores biofísicos de degradação/desertificação no núcleo de São Raimundo Nonato, Piauí, Brasil. Equado. v.1, n.1.

Aquino, I.O., Campos, A.R., Ratke, R.F. 2004. Caracterização da fitofisionomia e de solos na Sub-bacia hidrográfica do Alto Médio Gurgueia por Sistemas de Informações Geográficas – SIG. In: XXIII Seminário de iniciação científica da UFPI, Teresina-PI,

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. 2004. Programa de Ação Nacional de Combate à Desertificação e Mitigação dos Efeitos da Seca – PANBRASI. Disponível em: https://www.mma.gov.br/estruturas/sedr_desertif/_arquivos/pan_brasil_portugues.pdf . Acesso em 02 de junho de 2019

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. 2006. Caderno da região hidrográfica do Parnaíba. Brasília: Secretaria de Recursos Hídricos do Ministério do Meio Ambiente. 184p

Brito Da Silva, É. G., Oliveira, V. P. V. 2017. Identificação das áreas susceptíveis à desertificação no estado do Ceará: antecedentes cartográficos. Revista Brasileira de Geografia Física v.10, n.04, p. 1269-1280. https://doi.org/10.26848/rbgf.v10.4.p1269-1280

Castro, C. N. 2012. A agricultura no Nordeste brasileiro: oportunidades e limitações ao desenvolvimento. Brasília: IPEA.

Crepani, E. 2009. O Núcleo de Desertificação de Gilbués observado pelo Sensoamento Remoto e pelo Geoprocessamento. In: Anais do XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Natal, Brasil, INPE. p. 5185-5192.

França, L. C. J., Piuzana, D., Ross, J. L. S. 2017. Fragilidade Ambiental Potencial e Emergente em núcleo de desertificação no semiárido brasileiro (Gilbués, Piauí). Revista espacios. vol. 38, n. 31, pág. 21-38

Ghulam, A., Qin, Q., Zhan, Z. 2007a. Designing of the perpendicular drought index. Environmental Geology, v.2, n. 6, p.1045-1052. doi: 10.1007/s00254-006-0544-2

Ghulam, A., Qin, Q., Teyip, T., LI, Z.L. 2007b. Modified perpendicular drought index 737 (MPDI): a real-time drought monitoring method. ISPRS Journal of Photogrammetry and Remote Sensing, v.62, n.2, pp.150-164, https://doi.org/10.1016/j.isprsjprs.2007.03.002

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Levantamento sistemático da produção agrícola. Disponível em:. Acesso em 22 de julho de 2019.

IPCC. Intergovernmental Panel On Climate Change 2008. Climara change and Land. Genebra. Disponível em: https://www.ipcc.ch/srccl/. Acesso em: 12 de fevereiro de 2020.

Governo do Piauí. Caracterização bacia do Rio Gurgueia. 2016. Disponível em: http://www.ccom.pi.gov.br/download/GURG.pdf> Acesso em: 30 de maio de 2019.

Li, Z.; Tan, D. The Second Modified Perpendicular Drought Index (MPDI1): A Combined Drought Monitoring Method with Soil Moisture and Vegetation Index. J Indian Soc Remote Sens. v.41, p.873–881, 2013. https://doi.org/10.1007/s12524-013-0264-5

Lopes, L.S. de O.; Santos, R.W.P.; Miguel Filho, M.A. Núcleo de desertificação de Gilbués (PI): causas e intervenções. Revista Geografia (Londrina). v.20, n.02, mai/ago. 2011. disponivel em: < http://www.uel.br/seer/index.php/geografia/article/view/7829/10646 >

Lopes, I., Melo,J. M. M. de., Carvalho, A. A. de., Moura, G. B. de A., Leal,B. G. 2018. Análise multivariada no estudo da variação do Índice de Aridez da Bahia e Pernambuco. Agrometeoros, Passo Fundo, v.26, n.1, p.93-102, doi: 10.31062/agrom.v26i1.26345

Morais, R. C. DE S. 2018. Contribuição metodológica para a elaboração do diagnóstico físico-conservacionista (dfc) em bacias hidrográficas: aplicação na bacia do alto Gurgueia, Piauí (BRASIL). Tese (doutorado).Fortaleza, 151f.

Oliveira, J.G.B., Sales, M.C.L. 2016. Usuais: programas para uso em análise ambiental. Revista Equador, Teresina, v.5, n.2, p.36-60, jan./jun.

Oliveira, V. G. de., Corrêa, I. C. P., Brito, J. I. B. de; Costa, A, de S. 2017. Variabilidade dos índices de umidade e aridez para as cidades de Crato e Paracurú no estado do Ceará. Journal of Environmental Analysis and Progress. v. 02, n. 04, p. 549-554. DOI: https://doi.org/10.24221/jeap.2.4.2017.1670.549-554

Oliveira, L. N. de., Aquino, C.M.S. 2019. Dinâmica temporal do uso e cobertura da Terra Na Fronteira agrícola do MATOPIBA: análise na sub-bacia hidrográfica do rio Gurgueia-Piauí. Revista Equador (UFPI), v. 9, n.1, 2019, p.317 – 333.

Patrício, M. da C. M., Silva, V.M. de A., Ramo, A. R.D. 2012. Gilbués - núcleo de desertificação do Piauí, caracterização física, variabilidade climática e impactos ambientais. Reforma editorial. v. 11, n. 3. DOI:https://doi.org/10.12957/polemica.2012.3738

Piauí. Bacia do rio Gurgueia. 2010. Disponível em:

Sales, M. C. L. 1997. Estudo da degradação ambiental em Gilbués-PI: Reavaliando o “núcleo de desertificação”. São Paulo, USP. Dissertação de Mestrado. São Paulo, 181p.

Santos, F. de A. dos., Mendes, L. M. S., Cruz, M. L. B. da. 2018. Análise do índice de aridez da bacia hidrográfica do rio Piracuruca - Ceará-Piauí, Nordeste do Brasil . Geosul, Florianópolis, v. 33, n. 67, p. 181-199, mai./ago. DOI: http://dx.doi.org/10.5007/2177-5230.2018v33n67p181

CPRM. Serviço Geológico Do Brasil. 2017. Relatório situacional dos recuros hídricos superficiais da bacia hidrográfica do rio Parnaíba . Disponível em:https://www.cprm.gov.br/sace/boletins/Parnaiba/20171116_10-20171116%20-%20103332.pdf. Acesso em: 02 de junho de 2019

Silva, C.J., França, M.V., Medeiros, R.M., Holanda, R.M. 2019. O índice de aridez e sua tendência à desertificação na bacia do Rio Ipojuca-PE. Journal of Environmental Analysis and Progress. v. 04 n. 01, p. 021-030.

doi:https://doi.org/10.24221/jeap.4.1.2019.1875.021-030

Soares, D. B., Mota Filho, F. O., Nóbrega, R. S. 2011. Sobre o processo de desertificação. Revista Brasileira de Geografia Física. v.01, p.174-188. doi: https://doi.org/10.26848/rbgf.v4.1.p174-188

Sousa Silva, I. A., Suertegaray, D. M. A., Barros, J. R. 2019. Entre chapadas e malhadas: transformações da paisagem e a expansão agrícola em Gilbués-Piauí. Geographia (UFF), v. 21, p. 47-69, doi: https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2019.v21i45.a14288

Sousa Silva, I. A., Barros, J. R., Suertegaray, D. M. A. 2016. Variabilidade climática e seus efeitos no processo de arenização em Gilbués-Piauí. Revista de Geociências do Nordeste, v. 2, p. 405-415,

Steinck,R. N., Branco, B. V. L., Varela,L. dos A., Silveira,V. C. da, Gonçalves, J. L. 2017. Cálculo da evapotranspiração potencial pelos métodos de Priestley-Taylor, Penman-Monteith e Thornthwaite. RETEC. v. 7, n. 1.

Thornthwaite, C.W. 1941. Atlas of Climatic Types in the United States. Miscell Publ. n.421. U.S. Departament of Agricultures, Forest Service.

Thornthwaite, C. W. 1948. An approach toward a rational classification of climate. Geography Review, v. 38, p. 55-94.

Thornthwaite, C. W.; Mather, J. R. 1955. The water balance: publications in climatology. New Jersey: Drexel Institute of Technology. 104p.

Tucci, C.E.M. 1993. Hidrologia: ciência e aplicação. Porto Alegre: Eds. da UFRGS e da USP, 943p.

United States Geological Service (Serviço Geológico dos Estados Unidos). Digital elevation: SRTM 1 Arc-Second Global. 2019. Disponível em: . Acesso em: 23 jul. 2019a.

______. Collection: Landsat archive. Disponível em: http://earthexplorer.usgs.gov/. Acesso em: 23 julho 2019b.

United Nations Environment Programme. 1991. Status of desertification and implementation of the United Nations Plan of Action to Combat Desertification. Nairóbi.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.2.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License