Sensação térmica urbana em área residencial planejada no município de Santarém – Pará, Amazônia, Brasil

Leidiane Leão Oliveira

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi avaliar as variáveis microclimáticas, percepção e sensação térmica urbana de habitantes de um residencial planejado para famílias de baixa renda, na cidade de Santarém- Pará. Foi coletado dados de temperatura, umidade relativa do ar e velocidade do vento, além de aplicações de formulários pré-estabelecidos. O experimento ocorreu no dia 15 de agosto de 2018, em um transecto com sete pontos no residencial. Foram aplicados formulários em área interna (casas) e externa no total de 115 formulários, para uma população com idade de 15 a 60 anos. Com as informações microclimáticas do local foram calculados os índices de Temperatura e Umidade, de Temperatura e Umidade modificado e Temperatura Efetiva em função do Vento, os quais foram correlacionados com as sensações subjetivas da população do local. Os resultados indicam que o índice de Temperatura Efetiva em função do Vento foi o mais compatível com a sensação e a percepção pessoal dos entrevistados. Ficou bem evidente o desconforto térmico sentido pela população, entre o período de 12 a 15 h na área externa e 15 a 18 h na área interna (casas). A temperatura de brilho no recorte do residencial salvação houve um aumento gradativo da temperatura de 27 a 30°C ao longo do transecto, em comparação com uma área de ocupação à frente, é possível verificar as maiores temperatura com 33°C. Sugerimos um planejamento urbano que incluam casas com padrões arquitetônicos compatíveis com o clima da região, principalmente que levem consideração o conforto ambiental para os cidadãos de menor poder aquisitivo. Além da criação de parques públicos com vegetação e áreas de passeio público com arborização adequada, para amenizar o microclima local desses bairros.

Palavras-chave


Conforto Térmico, Área planejada, Clima urbano

Referências


ALMEIDA EMA. A configuração urbana e sua relação com os microclimas: estudo de frações urbanas na cidade de Maceió [dissertação]. Maceió: Programa de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo/UFA; 2006. 116p. Apud GARCÍA MCM. Climatologia Urbana. Barcelona: Universitat de Barcelona.1999.TextosDocentes.160p.

ALMEIDA JUNIOR NL. Estudo de clima urbano: uma proposta metodológica [dissertação]. Cuiabá- MT: Programa de Pós-Graduação em Física e Meio Ambiente/UFMG; 2005.94p.

AMORIM MCCT. Climatologia e gestão do espaço urbano. Mercator. Fortaleza. 2010:71-90. In: http://www.mercator.ufc.br/mercator/article/view/534.DOI: 10.4215/RM2010.0901.0005.

ARAUJO AP, ALEIXO NCR, MENEZES BB, SOUZA CG, RIVERO CAV, MONTEZANI E; BRAIDO LMH, TEODORO PHM, AMORIM MCCT. Ensaio metodológico sobre a utilização de transectos móveis no período diurno em Presidente Prudente-SP. Revista formação. 2010.n17.v1:77-95.

ARAÚJO RR, SANT’ANNA NETO JL . Clima, vulnerabilidade socioespacial e saúde da população urbana de São Luis (MA). Espaço & Geografia. 2015: 367:395.

AYOADE JO. Introdução à climatologia para os trópicos. tradução de Maria Juarcir Zani dos Santos. Rio de Janeiro.12ª ed.2007: Bertrand Brasil, 1996. 332p.

BARBOSA PHD, COSTA ACL, CUNHA AC, SILVA JUNIOR JA. Variabilidade de elementos meteorológicos e de conforto térmico em diferentes ambientes na Amazônia brasileira. Revista Brasileira de Climatologia. 2015; Volume (17). Disponível em: http://dx.doi.org/10.5380/abclima.v17i0.43048

COSTA ACL, SILVA JUNIOR JÁ, CUNHA AC, FEITOSA JRP, PORTELA BTT, SILVA GGC, COSTA RF. Índices de conforto térmico e suas variações sazonais em cidades de diferentes dimensões na Região Amazônica. Revista Brasileira de Geografia Física. 2013. V. 06 N. 03. 478-487.

COSTA ACL, UCHOA PW, SILVA JUNIOR JÁ, CUNHA AC, FEITOSA JRP. Variações termo-higrométricas e influências de processo de expansão urbana em cidade equatorial de médio porte. Brazilian Geographical Journal.2013. Ituiutaba: 615-632.

DINIZ JÚNIOR J. A influência da vegetação no índice de conforto térmico em praças de diferentes configurações morfológicas na cidade de Santarém-PA. [Dissertação]. Santarém: Mestrado em Recursos Naturais da Amazônia/UFOPA; 2012. 107p.

DINIZ JUNIOR J; COSTA, ACL; SANTOS, MRP; VIEIRA, LCR; OLIVEIRA, AAR; OLIVEIRA, LL. Influência da vegetação nos parâmetros micrometeorológicos da área urbana em uma cidade de médio porte da Amazônia. Ciência e Natura, v. 1, p. 64-66, 2013.

DUMKE EMS. Clima urbano/conforto térmico e condições de vida na cidade – uma perspectiva a partir do aglomerado urbano da região metropolitana de Curitiba[tese]. Curitiba: Doutorado em Meio Ambiente e Desenvolvimento/UFP;2007.

FERREIRA AD. Efeitos positivos gerados pelos parques urbanos: o caso do Passeio Público da Cidade do Rio de Janeiro [Dissertação]. Niterói/UFF;2005.

FROTA AB, SCHIFFER SR. Manual de conforto térmico. 5 ed São Paulo: Studio Nobel. 2001. 243p.

GARTLAND L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. Tradução: Silvia Helena Gonçalves. São Paulo: Oficina de Textos, 2010.

GARTLAND, L. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo. Oficina de textos. 2010.

GOMES MAS, AMORIM MCCT. Arborização e conforto térmico no espaço urbano: Estudo de caso nas praças públicas de Presidente Prudente, SP. Caminhos da Geografia. 2003. v.7, n.10. 94 - 106. Apud GARCIA FF. Manual de climatologia aplicada: clima, médio ambiente y planifición. Madrid: Editorial síntesis S. A. 1985.

GOMES MAS, AMORIM MCCT. Arborização e conforto térmico no espaço urbano: Estudo de caso nas praças públicas de Presidente Prudente, SP. Caminhos da Geografia. 2003. v.7, n.10. 94 – 106.

GOVERNO DO BRASIL [Internet]. Brasília: Governo Federal acesso a informação [Acesso em 03 de julho de 2019]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/noticias/cidadania-e-inclusao/2016/05/residencial-salvacao-transforma-vidas-em-santarem-no-para

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA [Internet]. Brasil. 2010 [visitado 03 de julho de 2019]. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/municipio/150680

NÓBREGA RS, LEMOS TVS. O microclima e o (des)conforto térmico em ambientes abertos na cidade do recife. Revista de Geografia (UFPE). 2011(V. 28) 1, 93-109.

OKE TR. Boundary Layer Climates. 2ed, Routledge, 1988.

OKE TR. The energetic basis of the urban heat island. Quarterly Journal of the Royal Meteorological Society.1982.v.108. n.455.p. l-24,

OLIVEIRA LL DE; SOUSA C; BARRETO NJC; SANTOS GP; ALMEIDA RM. Ilha de calor urbana: diagnóstico como ferramenta de gestão ambiental urbana para a cidade de Santarém (PA). Revista Ibero-americana de Ciências Ambientais, v. 9, p. 428-443, 2018.

OLIVEIRA LL, SOUSA C, COSTA BARRETO NJ, SANTOS GP, ALMEIDA RM. Ilha de calor urbana: Diagnóstico como ferramenta de gestão ambiental urbana para a cidade de Santarém – PA. Revista Ibero- Americana de Ciências Ambientais.2018.V.9 N.6. Disponível em: https://sustenere.co/index.php/rica/article/view/2425

OLIVEIRA, JV; COHEN, JCP; PIMENTEL, M; TOURINHO, HLZT; LÔBO, MAL; SODRÉ G; ABDALA, A. Urban climate and environmental perception about climate change in Belém, Pará, Brazil. Urban Climate. n.31, 2020.

SANT’ANNA NETO JL, AMORIM M CCT. Febrile Cities: the influence of construction meterials in the production of heat island in low-income districts of urban areas with tropical climate in Brazil. Proceedings of Climate Change and Urban Design. Commission for Europe an Urbanism, Oslo (Noruega).2008.

SANTOS GP, OLIVEIRA LL, SILVA JAP, BARRETO NJC, ALMEIDA RM. Desconforto térmico durante a estação seca em uma cidade de Clima Tropical Chuvoso da Amazônia. Revista Ibero- Americana de Ciências Ambientais. 2018. V.9 N.6. Disponível em: https://sustenere.co/index.php/rica/article/view/2424

SANTOS KPC, CUNHA AC, COSTA ACL, SOUZA EB. Índices de tendências climáticas associadas à "ilha de calor" em Macapá (1968-2010). Revista Brasileira de Ciências Ambientais. 2012.v.19. n.3:325-336.

SILVA JAC. Sensação Térmica Horária em Ambiente Aberto no Município de Santarém – PA. 2018. [monografia] Santarém: Curso de Engenharia Sanitária e Ambiental /UFOPA.

Silva Júnior JA, Costa ACL, Pezzuti JCB, Costa R F. Variabilidade espacial do conforto térmico e a segregação social do espaço urbano na cidade de Belém, PA. Revista Brasileira de Meteorologia, v.28, n.4, 419 - 428, 2013.

SILVA JUNIOR JA. Avaliação de parâmetros micrometeorológicos, do conforto e percepção térmica na área urbana da cidade de Belém-PA [Tese]. Belém: Doutorado em Desenvolvimento Sustentável do Trópico Úmido/UFPA;2012. 137p.

SOUZA DM, NERY JT. O Conforto térmico na perspectiva da Climatologia Geográfica. Geografia (Londrina). 2012. v. 21. n.2. 65-83.

SOUZA IMP, COSTA ACL, SILVA JÚNIOR JÁ, FEITOSA JRP. Estudo do conforto térmico em cidades de diferentes dimensões no estado do Pará. In: XVII CONGRESSO BRASILEIRO DE AGROMETEOROLOGIA. 2011. Espírito Santo: Guarapari.p. 5.

TEIXEIRA DCF, ORTIZ GF, AMORIM MCCT. Análise do conforto térmico em habitação popular no Município de Presidente Prudente-SP. Revista Geonorte. 2012.V.2.N.5:102 – 110.

UCHÔA PWS. Estudo de variações termo-higrométricas de cidade equatorial devido ao processo de urbanização: o caso de Santarém-PA. Dissertação (Mestrado). Santarém: Programa de Pós-Graduação em Recursos Naturais da Amazônia/UFOPA; 2011. 77p. Apud LOMBARDO MA. A ilha de calor nas metrópoles - O exemplo de São Paulo. Ed. Huciteck. 1985, 224p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.3.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License