DISTRIBUIÇÃO ESPAÇO-TEMPORAL DAS QUEIMADAS NO BIOMA CERRADO (1999/2018) E SUA OCORRÊNCIA CONFORME OS DIFERENTES TIPOS DE COBERTURA E USO DO SOLO

Maíra Iaê Savioli Rocha, Diego Tarley Ferreira Nascimento

Resumo


Usualmente empregadas pelos povos tradicionais, as queimadas também têm sido utilizadas para o desmatamento de vegetação natural e incorporação de atividades agropecuárias. Diante desse contexto, tem-se como objetivo analisar a distribuição espaço-temporal dos focos de queimadas no bioma Cerrado no período de 1999 a 2018, verificando sua ocorrência entre os diferentes tipos de cobertura e uso do solo, no intuito de avaliar a hipótese de que a prática de queimadas esteja recorrentemente associada à desmatamentos e à implantação de atividades agropecuárias. Para tanto, foram compilados, organizados e processados em ambiente SIG, arquivos vetoriais de focos de queimadas, a partir do Banco de Dados de Queimadas (BDQ/INPE), e arquivos raster de mapeamentos de cobertura e uso do solo do Cerrado, elaborados e disponibilizados pelo Projeto MapBiomas, ambos dados referente ao bioma Cerrado e ao recorte temporal de 1999 a 2018. Em termos médios, verifica-se a ocorrência de 65.513 focos anuais de queimadas, porém, em alguns anos a quantidade de queimadas atinge o montante de 137.918 focos, como visto em 2007. Há uma concentração das queimadas no período seco, especialmente, no trimestre agosto-setembro-outubro, que responde por 72% das ocorrências anuais. A maior densidade de queimadas é percebida ao longo da fronteira agrícola na região do MATOPIBA e próxima ao Arco do Desmatamento, nos estados do Maranhão, Tocantins e de Mato Grosso, ao passo que evidencia-se a maior incidência das queimadas sobre determinadas classes de cobertura e uso do solo, sobretudo representadas por formações savânicas e campestres. 


Palavras-chave


Queimadas; Cerrado; Cobertura e uso do solo.

Referências


BARBOSA, A. S. Um Bioma em Extinção. Xapuri Socioambiental, v. 4 .2015.

BOND, W.J., KEELEY, J.E. Fire as a global ‘herbivore’: the ecology and evolution of flammable ecosystems. Trends Ecol. Evol., v. 20, n. 7, p. 387–394, 2005.

BORGES, S. L. ELOY, L.; SCHMIDT, I. B.; SANTOS, I. A. dos. Manejo do fogo em veredas: novas perspectivas a partir dos sistemas agrícolas tradicionais no Jalapão. Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 19, n. 3, p. 269-294, 2016.

CLARKE, S.; FRENCH, K. Germination response to heat and smoke of 22 Poaceae species from grassy woodlands. Australian Journal of Botany, v. 53, n. 5, p. 445-454, 2005.

COUTINHO, L.M. O conceito de bioma. Acta Bot. Bras., São Paulo, v. 20, n.1, 2006.

COUTINHO, L. M. Contribuição ao conhecimento do papel ecológico das queimadas na floração de espécies do Cerrado. 1976. Tese (Livre Docência em Ecologia Vegetal) - Instituto de Biociências, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1976.

FIDELIS, A.; ROSALEM, P.; ZANZARINI, V.; CAMARGOS, L. S.; AND MARTINS, A. R. From ashes to flowers: a savanna sedge initiates flowers 24 h after fire. Ecology, v. 100, n. 5, p. 2019.

GUEDES, D. M. Resistência das árvores do Cerrado ao fogo: papel da casca como isolante térmico. 1993. 113 f. Dissertação (Mestrado em Ecologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 1993.

HUGHES, R. Amazon fires: what's the latest in Brazil? BBC. Disponível em: . Acessado em 18 novembro de 2019.

INSTITUTO NACIONAL DE METEOROLOGIA (INMET). Normais Climatológicas do Brasil 1981 – 2010. Brasília-DF: 2018.

KLINK, C. A.; MACHADO, R. B. A conservação do cerrado brasileiro. Megadiversidade, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 147-155, jul. 2005.

KOTTEK, M. et al. World Map of the Koppen-Geiger climate classification update. Meteorologische Zeitschrift, Berlim, v. 15, n. 3, p 259-263, 2006.

MEDEIROS, M. B.; MIRANDA, H. S. Mortalidade pós-fogo em espécies lenhosas de campo sujo submetido a três queimadas prescritas anuais. Acta Botanica Brasilica, v. 19, n. 3, p. 493-500, 2005.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE – MMA. Plano de Ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas no Cerrado: 1ª fase (2010-2011). Brasília: MMA, 2010.

______. Plano de Ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas no Cerrado: 2ª fase (2014-2015). Brasília: MMA, 2014.

______. Plano de Ação para prevenção e controle do desmatamento e das queimadas no Cerrado: 3ª fase (2016-2020). Brasília: MMA, 2016.

MIRANDA, A. C.; MIRANDA, H. S.; DIAS, I. F. O.; DIAS, B. F. S. Soil and air temperatures during prescribed cerated fires in Central Brazil. Journal of Tropical Ecology, v. 9, n. 3, p. 313-320, 1993.

MIRANDA, H. S.; BUSTAMANTE, M. M. C.; MIRANDA, A. C. The fire factor. In: OLIVEIRA, P. S.; MARQUIS, R. J. (eds.). The cerrados of Brazil. New York, NY: Columbia University Press, 2002. p. 51-68.

MITTERMEIER, R. A.; GIL, P. R.; HOFFMANN, M. PILGRIM, J. BROOKS, T. MITTERMEIER, C. G.; LAMOREUX, J. FONSECA, G. A. B. Hotspots revisited: earth’s biologically richest and most endangered terrestrial ecoregions. México City: CEMEX, 2004.

MONTEIRO, C. A. de F. Notas para o estudo do clima do Centro-Oeste brasileiro. Revista Brasileira de Geografia, v. 13, n. 1, p. 3-46, jan-mar 1951.

NASCIMENTO, D. T. F.; ARAÚJO, F. M.; FERREIRA JÚNIOR, L. G. Análise dos padrões de distribuição espacial e temporal dos focos de calor no bioma Cerrado. Revista Brasileira de Cartografia, Uberlândia, v. 63, n. 4, p. 461-475, 2010.

NASCIMENTO, M. A. L. S. do. O meio físico do cerrado: revisitando a produção teórica pioneira. In: Almeida, M. G. de (org.). Abordagens geográfica de Goiás: o natural e o social na contemporaneidade. Goiânia: IESA, 2002. Cap. 2, p. 47-89.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1989. 422p. 2ed.

NOGUEIRA, E. M.; FEARNSIDE, P. M.; NELSON, B. W.; FRANÇA, M. B. Wood density in forests of Brazil’s ‘arc of deforestation’: implications for biomass and flux of carbon from land-use change in Amazonia. For Ecol Manage, v. 248, n. 3, p.119–135, 2007.

______, NELSON, B. W.; FEARNSIDE, P. M.; FRANÇA, M. B.; OLIVEIRA, A. C. A. Tree height in Brazil’s ‘arc of deforestation’: shorter trees in south and southwest Amazonia imply lower biomass. For Ecol Manage, v. 255, n. 7, p. 2963–2972, 2008.

PROJETO MapBiomas – Coleção 4.0 (1985-2018) da Série Anual de Mapas de Cobertura e Uso de Solo do Brasil. Disponível em Acessado em 19 set. 2019.

RIBEIRO, J. F; WALTER, B. M. T. As Principais Fitofisionomias do Bioma Cerrado. In: SANO, S. M.; ALMEIDA, S. P.; RIBEIRO, J. F (Org.). Cerrado: ecologia e flora. 1. ed. Brasília, DF: Embrapa Informação tecnológica, 2008. Cap. 6, p.151-212;

SANTOS, P. R.; PEREIRA, G.; ROCHA, L. C. Análise da distribuição espacial dos focos de queimadas para o bioma Cerrado (2002-2012). Caderno de Geografia, Uberlândia, v. 24, número especial, p. 133-142, 2014.

SERRA, A.; RATISBONNA, L. As massas de ar na América do Sul. Rio de Janeiro: Serviço de Meteorologia, Ministério da Agricultura, 1942.

SILVA, E. B. da. A dinâmica socioespacial e as mudanças na cobertura e uso da terra no bioma cerrado. 148 p. Tese (Doutorado em Geografia) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013.

VIEIRA FILHO, J. E. R. Expansão da fronteira agrícola no Brasil: desafios e perspectivas. Rio de Janeiro: Ipea, 2016.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.3.p%25p

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License