Movimentos intertextuais na configuração do plágio

José Elderson de Souza-Santos, Aurea Suely Zavam

Resumo


Este trabalho discute a constituição intertextual do plágio. Os pressupostos sustentados por Christofe (1996), Cavalcante e Brito (2011), Nobre (2014) e Koch (2009) permitem compreender como o plágio se apropria de movimentos intertextuais típicos a outros processos intertextuais (citação, paráfrase, paródia e pastiche) para se manifestar. Essa realidade dá à prática múltiplas formas de se organizar disfarçando o texto-plágio e mantendo o texto-fonte. A análise compara um texto acusado de plágio com seu texto-fonte, demonstrando, a partir de parâmetros funcionais e constitucionais (NOBRE, 2014), como esse fenômeno pode se configurar por meio dos movimentos intertextuais da paródia.


Texto completo:

PDF

Referências


CABRAL, Sérgio. Antonio Carlos Jobim: uma biografia. Rio de Janeiro: Lumiar, 1997.

CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Os sentidos do texto. São Paulo: Contexto, 2012.

______; BRITO, Mariza Angélica Paiva. Intertextualidades, heterogeneidades e referenciação. Linha D'Água, v. 24, n. 2, p. 83-100, 2011.

CHRISTOFE, Lilian. Intertextualidade e plágio: questões de linguagem e autoria. 1996. 192f. Tese (Doutorado em Linguística). Universidade Estadual de Campinas, Instituto de Estudos da Linguagem, Campinas, SP, 1996.

FARIA, Maria da Graça dos Santos. Alusão e citação como estratégias na construção de paródias e paráfrases em textos verbo-visuais. 2014. 118 f. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

GENETTE, Gérard. Palimpsestos: a literatura de segunda mão. Extratos traduzidos por Cibele Braga; Erika Viviane Costa Vieira; Luciene Guimarães; Maria Antônia Ramos Coutinho; Mariana Mendes Arruda; Mirian Vieira. Belo Horizonte: Viva Voz, 2010.

JENNY, Laurent. A estratégia da forma. In: ____. Poetique. Revista de Teoria e Análise Literária. Livraria Almedina: Coimbra, 1979. p. 05-49.

KOCH, Ingedore Grunfeld Villaça. Introdução à Linguística Textual: trajetória e grandes temas. 2. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

KRISTEVA, Julia. Introdução à semanálise. Tradução de Lucia Helena França Ferraz. São Paulo: Perspectiva, 2005.

NOBRE, Kennedy Cabral. Critérios classificatórios para processos intertextuais. 2014. 128 f. Tese (Doutorado em Linguística). Programa de Pós-graduação em Linguística, Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2014.

PIÈGAY-GROS, Nathalie. Introduction à l’intertextualité. Paris: Dunod, 1996. Traduzido por Mônica Magalhães Cavalcante; Mônica Maria Feitosa Braga Gentil; Vicência Maria Freitas Jaguaribe. São Paulo: Interseções, 2010.

SANT’ANNA, Affonso Romano de. Paródia, Paráfrase & Cia. 7. ed. São Paulo: Ática, 2003.

SOUZA SANTOS, José Elderson de; BRITO, Mariza Angélica Paiva; CAVALCANTE, Mônica Magalhães. Plágio, gêneros discursivos e sanções sociais. Revista Investigações, Recife, v. 32, n. 2, p. 571-602, 2019.

______.; CAVALCANTE, Mônica Magalhães. O plágio sob uma ótica textual-discursiva. In: I Jornada de Linguística Textual: Diálogos em Estudo da Linguagem, 2019, São Luís. Anais... São Luís: I Jornada de Linguística Textual: Diálogos em Estudo da Linguagem, 2019. p. 296-309.

______.; NOBRE, Kennedy Cabral. Intertextualidades explícitas e intertextualidades implícitas. Signótica, v. 31, 2019.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.