MOVIMENTOS FEMINISTAS NO BRASIL E SUA AÇÃO INSUBMISSA FRENTE AO GOLPE DE 2016

Maria Mary FERREIRA

Resumo


Os recentes acontecimentos que marcam o Brasil no processo e após o impeachment de Dilma Rousseff acirraram um amplo debate sobre a condição da mulher neste País, cuja cultura política é reconhecidamente patriarcal. As ações do movimento feminista demonstraram que o golpe revestido de impeachment, no qual se articularam os setores mais conservadores do País: mídia, o Congresso Nacional, o judiciário, capitaneado pelo Supremo Tribunal Federal e a elite econômica, mostraram que a misoginia, o machismo, o sexismo, são parte de uma cultura patriarcal que não ultrapassou os muros do Século XX. As ofensivas dirigidas à então Presidenta Dilma através de redes sociais e de forma mais direta no episódio da Copa do Mundo em 2014, surpreendeu pela grosseria, misoginia e violência dos homens sobre as mulheres. Uma violência que como se viu ultrapassa os espaços do privado para publicizar de forma inesperada e cruel contra uma mulher que, naquele momento representava a sociedade brasileira tendo em vista sua eleição em 2010 e reeleição em 2014. A ação e reação dos movimentos feministas que, ao longo das décadas se singularizaram pela radicalidade, pela força transgressora das várias articulações, se fez presente em atos de norte a sul do País. Mostrando um feminismo revigorado, criativo, transgressor, articulado e renovado. Neste artigo apresentamos uma reflexão sobre as correntes que ajudam a compreender como os movimentos feministas se movimentaram no País através de várias frentes de lutas. Foram estas frentes que desnudaram e desmascararam o golpe. Os movimentos afirmaram seu potencial de luta de insubmissão e descontentamento em relação à situação de uma mulher que, naquele momento, representava todas as mulheres oprimidas e vítimas do patriarcado. O estudo ora apresentado é parte de reflexões que se dão no contexto acadêmico e na luta feminista como ativista, e como pesquisadora. Metodologicamente o estudo se caracteriza como qualitativo e perspectiva dialética, dada a dimensão das análises que buscam pensar o movimento feminista como movimento político, considerado um dos pilares da emancipação as mulheres, responsável por protagonizar ações políticas de intervenção na realidade.

 

 


Palavras-chave


Feminismos; Mulheres; Política; Brasil; Dilma Rousseff

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, Naiara. O que querem os movimentos feministas que ocuparam as ruas do Brasil. Nexo Jornal. 8 mar. 2017. Disponível em: Acesso em 23 jul. 2018.

ALVES, Branca Moreira. Ideologia e feminismo: a luta da mulher pelo voto no Brasil. Petropólis: Vozes, 1980.

APÓS impeachment, Senado transforma pedaladas fiscais em lei. Jornal do Brasil. 3 set. 2016. http://www.jb.com.br/pais/noticias/2016/09/02/apos-impeachment-senado-transforma-pedaladas-fiscais-em-lei/ Acesso em 23 jul. 2018.

AVILA, Maria Betânia. Um golpe patriarca. SOS Corpo Instituto Feminista para a Democracia. 2016 Disponível em: http://soscorpo.org/um-golpe-patriarcal/. Acesso em 23 jun, 2018.

ARTICULAÇÃO de mulheres brasileiras na luta contra o golpe e contra a renúncia da presidenta Dilma Rousseff. 4 de maio de 2016. Disponível em:

Acesso em: 25 jun. 2018.

BARROCAL, André. O cheiro de negociata na privatização da Eletrobrás. Carta Capital. 28 ago. 2017. Disponível em: https://www.cartacapital.com.br/politica/o-cheiro-de-negociata-na-privatizacao-da-eletrobras. Acesso em: 24 de jun. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.340, de 7 de agosto de 2006, [Lei Maria da Penha]. Brasília:

Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2010. 34 p. – (Série ação parlamentar, n. 422). Disponível em: . Acesso 27 jun. 2018.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Política nacional de atenção integral à saúde da mulher: princípios e diretrizes. Brasília: Ministério da Saúde, 2004. 82 p.

CARTA da Articulação de Organizações de Mulheres Negras Brasileiras contra o Golpe de Estado em curso no Brasil. In: Racismo Ambiental, 8 jun. 2016. Disponível em: https://racismoambiental.net.br/2016/06/08/carta-da-articulacao-de-organizacoes-de-mulheres-negras-brasileirasamnb-contra-o-golpe-de-estado-em-curso-no-brasil/. Acesso 26 jun. 2018.

COSTA, Ana Alice. Feminismo brasileiro em tempos de ditadura militar. Labrys. estudos feministas/études féministes. 2009. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. Tradução Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

D’EMERY, Nathália. Defesa da democracia dá o tom da 5ª Marcha das Margaridas. In: SOS Corpo: Instituto Feminista para a democracia. Disponível em: http://soscorpo.org/defesa-da-democracia-da-o-tom-da-5a-marcha-das-margaridas/>. Acesso em: 23 jun. 2018.

DILMA é inocentada pelas acusações de crimes Disponível em:. Acesso em: 23 jun. 2018.

FABRINI, Fábio. Para Ministério Público, pedaladas do governo Dilma não são crime. O Estado de S. Paulo. 14 Jul. 2016. Disponível em: . Acesso em 26 jun. 2018

FARIA, Nalu. A luta feminista contra o golpe patriarcal. In: Politizando: Boletim do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Política Social (NEPPOS/CEAM/UnB), v. 6, n.22, p. 4-5, abr. 2016. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

.

FERREIRA, Maria Mary. As Caetanas vão à luta: feminismo e políticas públicas. São Luís: EDUFMA, 2007.

FERREIRA, Maria Mary. et. al. Direitos iguais para sujeitos de direito: empoderamento de mulheres no combate à violência doméstica. São Luís: EDUFMA, 2016.

FLORESTA, Nísia. Direitos das mulheres e injustiça dos homens. São Paulo: Editora Cortez, 1989.

JORGE Paulo Lemann é quem financia o golpismo? Brasil 247. 9 mar.2015. Disponível em:

https://www.brasil247.com/pt/247/economia/172505/Jorge-Paulo-Lemann-%C3%A9-quem-financia-o-golpismo.htm; Quem financia os grupos que pedem o impeachment?> Acesso em 20 jun. 2018.

KOLLONTAI, Alexandra Mikháilovna. Tradução de Denise Sales. A mulher trabalhadora na sociedade contemporânea. Pravda, n. 40, 1913. In: SCHNEIDER, Graziela. (Org.). A Revolução das mulheres: emancipação, feminina na Rússia Soviética, artigos, atlas panfletos, ensaios. São Paulo: Boitempo, 2017, p. 150-163.

MELO, Hildete Pereira de; THOMÉ, Débora. Mulheres e poder: histórias, ideias e indicadores. Rio de Janeiro: FGV Editores, 2018.

MENICUCCI, Eleonora. Como o golpe em curso impacta na vida das mulheres. Brasil 247. 27 de Jun. 2016. Disponível em: Acesso em 26 jun. 2018

MULHERES lutam contra impeachment sexista de Dilma, diz The Guardian. 7 jul. 2016. Disponível em: Acesso em 26 jun. 2018

MULHERES vão às ruas em São Paulo contra golpe e machismo midiático. Frente Brasil Popular. 26 abr. 2016. Acesso em 26 jun. 2018.

NA PRIVATIZAÇÃO da Eletrobrás, incompetência e irresponsabilidade. Carta Capital. 06/03/2018. Disponível em: Acesso 26 jun. 2018.

OLIVEIRA, Eleonora Menicucci de. Nosso corpo nos pertence: uma reflexão pós anos 70. Labrys: estudos feministas/études féministes. Jan. /Jul. 2005.

PERÍCIA conclui que Dilma não participou de pedaladas fiscais. Disponível em: . Acesso em 26 jun. 2018

PERROT, Michelle. As mulheres ou os silêncios da história. Tradução Viviane Ribeiro. Bauru: EDUSC, 2005.

QUEM financia os grupos que pedem o impeachment? Diário do Centro do Mundo. 13 mar. 2015. Disponível em: . Acesso em 26 jun. 2018.

RAGO, Margareth. Feminismo e subjetividade em tempos pós-modernos. In: COSTA, Cláudia de Lima; SCHMIDT, Simone Pereira. (Org.). Poéticas e políticas feministas. Ilha de Santa Catarina: Mulheres, 2004.

REDE Feminista contra o golpe: risco à democracia e à saúde das mulheres. 29 de mar. 2016. Disponível em: Acesso: 27 jun. 2018.

SCAVONE, Lucila. Dar a vida e cuidar da vida: feminismo e Ciências Sociais. São Paulo: EDUNESP, 2004. 205p.

________. Nosso corpo nos pertence? discursos feministas do corpo. Gênero. Niterói, v. 10, n. 2, p. 47-62, 1. sem. 2010. Disponível em: http://www.revistagenero.uff.br/index.php/revistagenero/article/view/4>Acesso: 27 jun. 2018.

SEMPREVIVA organização feministas imagens da luta contra o golpe promovido pelo sof (2017). Disponível em: Acesso em 27 jun./ 2018.

STREIT, Maíra. Marcha das Margaridas reúne 100 mil mulheres em apoio a Dilma. 12. Ago. 2015. Disponível em:

WALLERSTEIN, Waleska. Feminismo como pensamento da diferença. Labrys: estudos feministas/études féministes, Jan./jun. 2004. Disponível em: Acesso em: 23 jun./ 2018.

.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2018.v1.n2.p55-77



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.