APONTAMENTOS SOBRE A VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER NA POLÍTICA INSTITUCIONAL BRASILEIRA

Elba Ravane Alves Amorim, Juliene Tenório de Albuquerque

Resumo


O presente artigo tem como objeto de estudo a violência contra mulher na arena política e foi desenvolvido a partir de referenciais teóricos de Pierre Bourdieu, Heleieth Saffioti, Flávia Biroli e Luis Felipe Miguel. A pesquisa qualitativa teve como objetivo geral analisar a violência contra mulher na arena política no Brasil. São objetivos específicos identificar ocorrências de violência contra a mulher no Brasil; Refletir a ausência de marcos legais para o enfrentamento a esse tipo de violência e debater a relação entre a violência contra mulher na arena política e a baixa representatividade das mulheres nos espaços de poder. Na sociedade e na democracia brasileira homens e mulheres ainda não têm as mesmas condições e recursos para exercerem seus direitos políticos. Frente a essa realidade, o estudo mostra-se relevante, uma vez que são poucas as produções científicas que abordam o a relação entre violência e participação política das mulheres no Brasil.


Palavras-chave


Democracia; Gênero; Violência política.

Texto completo:

PDF

Referências


BARDIN, Laurence. 2001. Análise de Conteúdo. Lisboa: Relógio D’água Editores.

BIROLI, Flávia. 2014. O público e o privado. In: BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo.

BIROLI, Flávia. 2016. Violência política contra as mulheres. Disponível em:

https://blogdaboitempo.com.br/2016/08/12/violencia-politica-contra-as-mulheres/. Acesso em: 02/10/2017.

BIROLI, Flávia; MIGUEL, Luis Felipe. 2010. Práticas de gênero e carreiras políticas: vertentes explicativas. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 18, n. 3, pp. 653-679, setembro-dezembro.

BOLÍVIA. 2012. Ley nº 243/2012. Disponível em:

http://www.ine.gob.bo/indicadoresddhh/archivos/viole/nal/Ley%20N%20243.pdf. Acesso em: 02/10/2017.

BONI, Valdete; QUARESMA, Silvía Jurema. 2005. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em Ciência Sociais. Em Tese, Florianópolis, v. 2, n. 1, pp. 68-80, janeiro-julho.

BOURDIEU, Pierre. 2003. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

BOURDIEU, Pierre. 1996. Razões práticas: sobre a teoria da ação. São Paulo: Papirus.

BRASIL. 1997. Lei 9.504/1997. Disponível em:

https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9504.htm. Acesso em: 02/10/2017.

BRASIL, TSE. 2014. Eleições 2014: número de deputadas federais cresce 13,33% em relação a 2010. Disponível em: http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2014/Outubro/eleicoes-2014-numero-de-deputadas-federais-cresce-13-33-em-relacao-a-2010. Acesso em: 02/10/2017.

BRASIL, TSE. 2014. Presidente do TSE diz que partidos usam 'mulheres-laranja' para cumprir cota. Disponível em:

http://www.em.com.br/app/noticia/politica/2014/03/19/interna_politica,509672/presidente-do-tse-diz-que-partidos-usam-mulheres-laranja-para-comprir-cota.shtml. Acesso em: 02/10/2017.

BRASIL, TSE. 2016. Mais de 16 mil candidatos tiveram votação zerada nas Eleições 2016. Disponível em: http://www.tse.jus.br/imprensa/noticias-tse/2016/Novembro/mais-de-16-mil-candidatos-tiveram-votacao-zerada-nas-eleicoes-2016. Acesso em: 02/10/2017.

CELLARD, André. 2008. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes.

CERVO, Amado Luiz.; BERVIAN, Pedro Alcino. 1983. Metodologia científica: para uso de estudantes universitários. 3. ed. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

CIRNE, Julio. 2014. Em comitê oficial, socialistas batizam cadela em homenagem a Marília Arraes. Vereadora protesta na Câmara Municipal do Recife. Disponível em:

http://blogs.ne10.uol.com.br/jamildo/2014/08/06/em-comite-oficial-socialistas-batizam-cadela-vira-lata-com-nome-de-marilia-arraes-vereadora-protesta-na-camara-municipal-do-recife/. Acesso em: 02/10/2017.

FOUCAULT, Michel. 2006. A ordem do discurso. 13. ed. São Paulo: Loiola.

GROSSI, Míriam Pillar. MIGUEL, Sônia Malheiros. 2001. Transformando a diferença: as mulheres na política. Estudos Feministas, Florianópolis, v. 9, n. 1, pp. 167-206.

LOPES, Jorge. 2006. O fazer do trabalho científico em ciências sociais aplicadas. Recife: Editora Universitária da UFPE.

MATOS, Marlise; PARADIS, Clarisse Goulart. 2014. Desafios à despatriarcalização do Estado brasileiro. Cadernos Pagu, Campinas, 43, pp. 57-118, julho-dezembro.

MIGUEL, Luis Felipe. 2014. O Feminismo e a política. In: BIROLI, F.; MIGUEL, L. F. Feminismo e política. São Paulo: Boitempo.

MIGUEL, Luis Felipe. 2000. Teoria política feminista e liberalismo: o caso das cotas de representação. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 15, n. 44, pp. 91-102, outubro.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. 2008. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 11 ed. São Paulo: Hucitec.

NARVAZ, Martha Giudice. 2005. Submissão e resistência: explodindo o discurso patriarcal da dominação feminina. Porto Alegre. Dissertação (Mestrado em Psicologia). Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

OEA. 2012. Carta Social das Américas. Disponível em:

https://oas.org/consejo/sp/docs/AG05806P05.doc. Acesso em: 02/10/2017.

OEA. 2017. Violência e assédio contra as mulheres na arena política. Disponível em:

http://www.oas.org/es/cim/violenciapolitica.asp. Acesso em: 02/10/2017

PINTO, Celi Regina Jardim. 2003. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo.

SAFFIOTI, Heleieth. 2013. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. 3 ed. São Paulo: Expressão Popular.

SCOTT, Joan. 1995. Gênero: uma categoria útil para análise histórica. Disponível em: moodle.stoa.usp.br/mod/resource/view.php?id=39565. Acesso em: 02/10/2017.

SILVA, Louise Caroline Santos de Lima e. 2012 Conferências nacionais de políticas públicas e democracia participativa: conferências de políticas para as mulheres e decisões governamentais no período Lula (2003-2010). Recife. Dissertação (Mestrado em Ciência Política). Universidade Federal de Pernambuco.

THIRY-CHERQUES, Hermano Roberto. 2006. Pierre Bourdieu: a teoria na prática. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 40, n. 1, pp. 27-55, janeiro-fevereiro.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2018.v1.n2.p143-163



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.