ERA UMA VEZ: OS CONTOS DE FADAS E AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA PERSPECTIVA DAS PROFESSORAS

Maria do Carmo Gonçalo Santos, Amanda Teresinha Gomes Soares

Resumo


Este artigo trata dos contos de fadas e as relações de gênero na perspectiva das professoras em sala de aula. Os contos como gênero literário, conteúdo e recurso pedagógico na educação são perpassados por construções de gênero, que podem influenciar a produção de identidades/identificações dicotômicas de masculino e feminino. Tomamos gênero como construção social e categoria de análise, nas perspectivas dialogais e plurais (BENTO, 2006; LOURO, 1997). A abordagem qualitativa (MINAYO, 2002) viabiliza a aproximação da realidade, através dos significados. A Análise de Conteúdo, como técnica de análise de dados (BARDIN, 1977), possibilitou identificar que os contos de fadas são utilizados com finalidade pedagógica pelas professoras. Embora as professoras reconheçam que os contos produzem estereótipos de gênero, revelam que não realizam abordagem de gênero no trabalho com os contos na prática docente.


Palavras-chave


Gênero; Contos de fadas; Representações femininas.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAMOVICH, Fanny. Literatura infantil: gostosuras e bobices. 4. Ed. São Paulo: Scipione, 1994

AGUIAR, Eveline Lima de Castro e BARROS, Marina Kataoka. A representação feminina nos contos de fadas das animações de Walt Disney: a ressignificação do papel social da mulher. XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Nordeste – Natal - RN Natal – RN. 2015.

Disponível em: http://www.portalintercom.org.br/anais/nordeste2015/resumos/R47-1959-1.pdf Acesso em: 20 de maio de 2018.

BARDIN, Laurence. Análise de Conteúdo. Trad. Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa, Portugal: Edições 70, 1977.

BASTOS, Rodolpho Alexandre Santos Melo; NOGUEIRA, Joanna Ribeiro. Estereótipos de gênero em contos de fada: uma abordagem histórico-pedagógica. Revista Dimensões, v. 36, jan.-jun. 2016, p. 12-30. Disponível em: http://www.periodicos.ufes.br/dimensoes/article/viewFile/13864/9817 Acesso em: 25 de abril de 2018.

BENTO, Berenice. A reinvenção do corpo: sexualidade e gênero na experiência transexual. Rio de Janeiro: Garamond. 2006.

BETTELHEIM, B. A Psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2002.

BUSS-SIMÃO, Márcia. Meninos entre meninos num contexto de educação infantil: um olhar sobre as relações sociais de gênero na perspectiva de crianças pequenas. 35ª Reunião Anual da Anped. 2012. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt07-1364_res.pdf Acesso em: 25 de abril de 2018.

BUTLER, Judit. Problemas de gênero: feminismo e subversão da identidade. Tradução Renato Aguiar. 5. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2013.

CANEN, Ana; MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa (Orgs.). Ênfases e omissões no currículo. Campinas, SP: Papirus, 2001. (Coleção Magistério: Formação e Trabalho Pedagógico).

COELHO, Nelly Novaes. O conto de fadas. São Paulo: Ática, Literatura infantil: teoria- análise – didática. São Paulo: Ática, 1993.

______.O Conto de Fadas: símbolos, mitos e arquétipos. São Paulo: Difusão Cultural do Livro, 2003.

CORSO, D. L. e CORSO, M. Fadas no divã: psicanálise nas histórias infantis. Porto Alegre: Artmed, 2006.

DAROS. Thuinie Medeiros Vilela. Problematizando os gêneros e as sexualidades através da literatura infantil. Revista Práticas de Linguagem. V. 3, n. 2, jul./dez. 2013

FALCONI, I. M. e FARAGO, A. C. Contos de Fadas: origem e contribuições para o desenvolvimento da criança. Cadernos de Educação: Ensino e Sociedade, Bebedouro-SP. 2015

GIROUX, H. MCLAREN, P. Por uma pedagogia crítica da representação. In: SILVA, T. T. MOREIRA, A F. (org.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995. p.144-158.

_______. A Disneyzação da Cultura Infantil. In: SILVA, T. T. MOREIRA, A F. (org.). Territórios contestados: o currículo e os novos mapas políticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995.p. 49-79.

GOMES, Romeu. A análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo, M.C.S. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. 29. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação: Uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 29. Ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

MANZINI, José Eduardo. Entrevista semiestruturada: análise de objetivos e de roteiros. Programa de Pós Graduação em Educação, Unesp, Marília . Apoio: CNPq, 2004.

OLIVEIRA, P. S. T. de. A construção dos contos de fadas no processo de aprendizagem das crianças. 62 p. 2010. Trabalho de Conclusão de Curso – UNEB, Salvador, 2010.

SABAT, Ruth. Pedagogia Cultural, gênero e sexualidade. Revista Estudos Feministas. Vol. 9. Florianópolis, 2001.

SALGADO, Raquel Gonçalves; FERRARINI, Anabela Rute Kohlmann; LUIZ, George Moraes de. Crianças mirando-se no espelho da cultura: corpo e beleza na infância contemporânea. 35ª Reunião Anual da Anped. 2012. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/gt07-2261_int.pdf Acesso em: 25 de abril de 2018.

SCOTT, J. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade. Porto Alegre. v. 16, n. 2, p. 5-22, jul/dez, 1990.

SEVILLA, Gabriela Garcia. Pedagogias de gênero e sexualidade em artefatos culturais: reflexões sobre uma experimentação. 37ª Reunião Nacional da Anped. 2015. Disponível em: http://www.anped.org.br/sites/default/files/trabalho-gt23-4463.pdf Acesso em: 25 de abril de 2018.

SIQUEIRA, Tatiana Lima. Joan Scott e o papel da história na construção das relações de gênero. Revista Ártemis. Vol. 8. Junho 2008. pp. 110-117.

VIDAL, Fernanda Fornari. Os “novos contos de fadas”: Ensinando sobre relações de gênero e sexualidade. Fazendo gênero 8 – corpo, violência e poder. Florianópolis: 2008.

Disponível em: http://www.fazendogenero.ufsc.br/8/sts/ST44/Fernanda_Fornari_Vidal_44.pdf Acesso em: 10 de outubro de 2017.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2018.v1.n3.p32-62



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.