AGÊNCIA, GÊNERO E SEXUALIDADE DISSIDENTES NA ESCOLA: EXPERIÊNCIAS DE JOVENS E PROFESSORES/AS EM MATO GROSSO DO SUL

Fabricio Pupo Antunes, Tiago Duque

Resumo


O objetivo desse artigo é analisar as experiências positivas em relação a gênero e sexualidade dissidentes nas escolas de Mato Grosso do Sul. A metodologia utilizada foi a coleta de relatos de diferentes jovens e professores/as de instituições públicas e privadas por meio de um blog divulgado em atividades educativas e mídias sociais. Teoricamente as análises foram feitas a partir das teorias pós-críticas em educação. Mesmo em uma realidade demarcada pela heteronormatividade, os resultados apontam para as possibilidades de agência dos/as participantes em diferentes contextos escolares, especialmente em cidades do interior do estado. 


Palavras-chave


Escola; Agência; Gênero; Sexualidade; Dissidência.

Texto completo:

PDF

Referências


Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Travestis e Transexuais (ABGLT). As experiências de adolescentes e jovens lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais em nossos ambientes educacionais. Relatório da Secretaria de Educação da Associação de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais, 2016.

ABRAMOVAY, Miriam; CASTRO, Mary Garcia; SILVA, Lorena Bernadete da. Juventudes e sexualidade. Brasília: Unesco, 2004.

ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE TRAVESTIS E TRANSEXUAIS (ANTRA). Mapa dos Assassinatos de Travestis e Transexuais no Brasil em 2017.

BALIEIRO, Fernando; RISK, Eduardo. Escola e Sexualidades: uma visão crítica à normalização. In: MISKOLCI, Richard; LEITE JÚNIOR, Jorge. (Orgs). Diferenças na educação, outros aprendizados. São Carlos: EdUFSCAR, 2014. p. 149-198.

BALIEIRO, Fernado; DUQUE, Tiago. Notas sobre uma cruzada moral na era digital: a “Ideologia de Gênero”como uma ameaça à sociedade brasileira.In: El Desangriamento Latino Americano: Un panorama político contemporáneo y la reconfigurácion del estado neoliberal. Barranquilla: Corporácion Universitaria Americana, 2018. p. 278 - 311.

BELELI, Iara. Gênero. In MISKOLCI, Richard (Org.). Marcas da diferença no ensino escolar. São Carlos: Editora UFScar, 2014. p. 49-63.

BENTO, Berenice. Na escola se aprende que a diferença faz a diferença. Revista Estudos Feministas. 2011, vol.19, n.2, p. 549-559, 2011.

BRAH, Avtar. Diferença, Diversidade, Diferenciação. Cadernos Pagu, Campinas, n.26, p.329-376, 2006.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular (BNCC). Segunda versão revista. Brasília, MEC/CONSED/UNDIME, 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília: MEC/SEF, 1997.

BRITZMAN, Deborah. Curiosidade, currículo e sexualidade. In: LOURO, Guacira Lopes. (Org). O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2018. p. 83-111.

BUTLER, Judith. Problemas de Gênero: a subversão da identidade. Rio de Janeiro: Editora Civilização Brasileira, 2003. 236 p.

FOUCAULT, Michel. A História da Sexualidade vol. I. São Paulo: Editora Paz e Terra, 2017. 175 p.

JARCEM, Pâmela da Silva. Do plano estadual de educação a “lei da mordaça”: percurso e propostas do Programa Escola sem Partido para as políticas educacionais em Mato Grosso do Sul. 148f. Dissertação (Mestrado Profissional) – Educação – Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), Campo Grande, 2020.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. Escola, Homofobia e Heteronormatividade. Revista Coletiva, Recife, n.18, s/p, jan/abr/2016.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Temos um problema em nossa escola: um garoto afeminado demais”: Pedagogia do armário e currículo em ação. Revista Educação e Políticas em Debate, Uberlândia, n.2, v.4, p. 221-239, ago/dez, 2015.

JUNQUEIRA, Rogério Diniz. “Aqui não temos gays nem lésbicas”: estratégias discursivas de agentes públicos ante medidas de promoção do reconhecimento da diversidade sexual nas escolas. Bagoas: revista de estudos gays, Natal, v.3, n.4, p.171-189, 2009.

LEITE, Vanessa. A política de educação no cenário recente da política sexual brasileira: venturas e desventuras dos “adolescentes LGBT” na relação com a escola. In: LOPES, Aline Casimiro; OLIVEIRA, Anna Luiza A. R. Martins, OLIVEIRA, Gustavo Gilson Souza. (Orgs) Os Gêneros da Escola: e o (im)possível silenciamento no currículo. Recife: Editora: UFPE, 2018. p. 127-162.

LOURO, Guacira Lopes. Um Corpo Estranho: ensaios sobre sexualidade e teoria queer. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2016. 92 p.

LOURO, Guacira Lopes . Corpo, Gênero e Sexualidade – Um debate contemporâneo na educação. Petrópolis: Editora Vozes, 2017. 189 p.

LOURO, Guacira Lopes. Gênero, sexualidade e educação – Uma perspectiva pós- estruturalista. Petrópolis: Editora Vozes, 2017. 184 p.

MISKOLCI, Richard. Sexualidade e orientação sexual. In: MISKOLCI, Richard (Org.) Marcas da Diferença no ensino Escolar. São Carlos: Editora UFScar, 2014. p. 79-89.

ORTNER, Sherry. Poder e projetos: reflexões sobre a agência. GROSSI, Miriam et al. (Org.) Conferências e Diálogos: saberes e práticas antropológicas. Brasília: ABA/Nova Letra, 2007. p. 45-80.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Metodologias de pesquisas pós-críticas em educação e currículo: trajetórias, pressupostos, procedimentos e estratégias analíticas. In: MEYER, Dagmar Estermann; PARAISO, Marlucy Alves (Orgs). Metodologias de pesquisas pós- críticas em educação. Belo Horizonte: Editora Mazza, 2014. p. 25-47.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo, gênero e heterotopias em tempo do Slogan “Ideologia de Gênero. In: LOPES, Aline Casimiro; OLIVEIRA, Anna Luiza A. R. Martins, OLIVEIRA, Gustavo Gilson Souza (Orgs) Os Gêneros da Escola: e o (im)possível silenciamento no currículo. Recife: Editora UFPE, 2018. p. 211-241.

PELÚCIO, Larissa. Gênero na escola. In: MISKOLCI, Richard; JÚNIOR LEITE, Jorge (Orgs) Diferenças na educação, outros aprendizados. São Carlos. EdUFSCAR, 2014. p. 106 - 119.

PRECIADO, Beatriz. Basura y Género, Mear/Cagar. Masculino/Femenino. Bilbao, Amasté, 2002.

REPROLATINA. Estudo qualitativo sobre homofobia no ambiente escolar em 11 capitais brasileiras. Projeto Escola sem Homofobia – componente de pesquisa, 2011.

ROSE, Nikolas. Como se deve fazer a história do Eu? Educação e Realidade, Porto Alegre, v. 26, n. 1, p. 33-58, 2001.

SEVILA, Gabriela; SEFFNER, Fernando. A Guinada conservadora na educação: reflexões sobre o novo contexto político e suas reverberações para a abordagem de gênero e sexualidade na escola. Seminário Internacional Fazendo Gênero 11& Women’s Worlds Congress 13. Florianópolis, 2017.

SILVA, Caio Samuel Franciscati; BRANCALEONI, Ana Paula Leivar; OLIVEIRA, Rosemary Rodrigues. Base Nacional Comum Curricular e diversidade sexual e de gênero: (des)caracterizações. Revista Ibero-Americana de Estudos em Educação, Araraquara, v. 14, n. esp. 2, p. 1538-1555, jul. 2019.

SILVA, Tomaz Tadeu. A produção social da identidade e da diferença. In: SILVA, Tomaz Tadeu; HALL, Stuart; WOODWART, Kathryn (Orgs). Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Editora Vozes, 2009. p. 73-102.

SILVA, Tomaz Tadeu. Documentos de Identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2017. 153 p.

VENCATO, Ana Paula. Diferenças na escola. In: MISKOLCI, Richard; JÚNIOR LEITE, Jorge (Orgs.). Diferenças na educação, outros aprendizados. São Carlos: EdUFSCAR, 2014. p. 19-56.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2020.v3.n11.p272-294



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.