AUTISMO: UMA PROPOSTA PSICANALÍTICA DE INTERVENÇÃO

Renata Wirthmann Gonçalves Ferreira

Resumo


O presente trabalho parte de uma revisão teórica do autismo, passando pela construção do diagnóstico nosológico e da legislação em torno da questão do autismo para localizar, neste percurso, os limites e desafios encontrados. Frente às dificuldades de se descobrir a causa e, portanto, o tratamento para o autismo, tem surgido muitas técnicas não-científicas, com expectativas milagrosas. Na contramão desses acontecimentos, este artigo busca apresentar alguns resultados obtidos pelo projeto de pesquisa e extensão “Saúde Mental da Criança e do Adolescente” do curso de psicologia do IBIOTEC da UFG-Regional Catalão. Todo trabalho teórico e prático foi supervisionado e teve como foco principal o acompanhamento de crianças e adolescentes que estejam dentro do Transtorno do EspectroAutista (TEA). Todas as práticas foram construídas a partir da teoria psicanalítica e aplicadas em diferentes locais onde as crianças e adolescentes já estavam inseridas, além do acompanhamento clínico realizado no Centro de Estudos Aplicados em Psicologia (CEAPSI).


Palavras-chave


Psicanálise; Saúde mental; Autismo

Texto completo:

PDF

Referências


AMERICAN PSYCHIATRIC ASSOCIATION. Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders, Fifth Edition (DSM-V). Arlington, VA: American Psychiatric Association, 2013.

BRASIL. LEI Nº 12.764, DE 27 DE DEZEMBRO DE 2012. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2012/lei/l12764.htm. Acessado em: 31 de maio de 2019.

BRASIL. Lei no 13.438, de 26 de abril de 2017 altera a Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990 (Estatuto da Criança e do Adolescente), para tornar obrigatória a adoção pelo Sistema Único de Saúde (SUS) de protocolo que estabeleça padrões para a avaliação de riscos para o desenvolvimento psíquico das crianças. Brasília, 2017.

COUTINHO AA, Carrijo C, Ciqueira D et al. Do DSM-I ao DSM-5: efeitos do diagnóstico psiquiátrico “espectro autista” sobre pais e crianças. Psicanálise, autismo e saúde pública. [homepage da internet]. São Paulo. [atualizado em 11/04/2013;Disponível em: http://psicanaliseautismoesaudepublica.wordpress.com/2013/04/11/do-dsm-i-ao- -dsm-5-efeitos-do-diagnostico-psiquiatrico-espectro-autista- -sobre-pais-e-criancas/acesso em 11/11/2013

GRINKER, R.R. Autismo – Um mundo obscuro e conturbado. São Paulo: Larousse do Brasil, 2010.

KUPFER, M.C.M, Jerusalinsky, A., Bernardino, L.F., Wanderley, D., Rocha, P., Molina, S., Sales, L., Stellin,R., Pesaro, M.E. e Lerner, R. Valor preditivo de indicadores clínicos de risco para o desenvolvimento infantil: um estudo a partir da teoria psicanalítica.Latin American Journal of Fundamental Psychopathology Online, São Paulo, v. 6, n. 1, p. 48-68, 2009.

LACAN, J. O Seminário. Livro 20: Mais, ainda. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1985. (Trabalho original publicado em 1975)

LAURENT, E. Abatalhadoautismo:daclínicaàpolítica. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

MALEVAL. Jean-Claude. O autista e a sua voz,tradução e notas de Paulo Sérgio de Souza Jr. – São Paulo: Blucher, 2017. 400 p.

Manual de Diagnóstico e Estatístico de TranstornosMentais DSM-5 / American Psychiatric Association; Nascimento, Porto Alegre, Artmed, 2014, 984p.

MEC, 2010. Manual de Orientação: Programa de Implantação de Sala de Recursos Multifuncionais,Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=9936-manual-orientacao-programa-implantacao-salas-recursos-multifuncionais&Itemid=30192. Acessado em: 31 de maio de 2019.

MILLER. Jacques-Alain, 2013, Jacques Lacan e a voz. Disponível em: http://www.opcaolacaniana.com.br/pdf/numero_11/voz.pdf. Acessado em: 06 de agosto de 2018.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2019.v2.n6.p72-92



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.