Fenologia Vegetativa e Reprodutiva da Eugenia sellowiana DC. (Myrtaceae) ocorrente no Jardim Botânico de São Gonçalo-Ceará

Marina Arruda de Castro, Lucas Farias Pinheiro, Eliseu Marlônio Pereira de Lucena

Resumo


A fenologia permite compreender dinâmica dos ecossistemas, pois estuda as fenofases dos vegetais relacionando fatores bióticos e abióticos. No ecossistema Restinga encontramos a ubaia-de-raposa (Eugenia sellowiana DC.), com frutos de elevado potencial para a industrialização de sucos. Desse modo, o presente trabalho teve como objetivo caracterizar a fenologia de Eugenia sellowiana DC. ocorrente no Jardim Botânico de São Gonçalo-Ceará, visando a definição do ponto de colheita ideal e a estimativa da produção. Foram selecionados dez indivíduos de E. sellowiana, as quais foram monitoradas entre os meses de agosto/2016 a julho/2017. Na fenologia anual verificou-se o desfolhamento teve seu maior registro do índice de intensidade (72,5%) em agosto/16 e o menor (25%) em janeiro/17. O enfolhamento ocorreu nos meses de novembro/16 a março/17. A floração iniciou em outubro/16 com a emissão de botões florais. A antese ocorreu no mês de janeiro/17, apresentando somente 7,5% de índice de intensidade. As flores fecundadas foram visualizadas somente nos meses de janeiro/17 e fevereiro/17. Para a fenologia da floração a frutificação verificou-se 218 botões florais, sendo necessários 77 dias após a marcação (DAM) para que 36,2% das flores entrassem em antese e 7 dias após a antese (DAA) para ocorrência de fecundação. Muitas flores abortaram (99,5%) desenvolver o fruto, restando apenas um fruto entre as plantas marcadas. Conclui-se que o ponto de colheita ideal do fruto da E. sellowiana é no estádio 3 (E3) de maturação, com uma estimativa da produção de um fruto por planta.

 

Vegetative and Reproductive Phenology of Eugenia sellowiana DC. (Myrtaceae) Occurring in the Botanical Garden of São Gonçalo-Ceará

 

A B S T R A C T

Phenology allows the understanding of ecosystem dynamics, as it studies the phenophases of plants, relating biotic and abiotic factors. In the Restinga ecosystem we find the ubaia-de-raposa (Eugenia sellowiana DC.), with fruits of high potential for the industrialization of juices. Thus, this study aimed to characterize the phenology of Eugenia sellowiana DC. occurring in the Botanical Garden of São Gonçalo-Ceará, aiming at defining the ideal harvest point and estimating production. Ten individuals of E. sellowiana were selected, which were monitored between the months of August 2016 to July 2017. In annual phenology, defoliation had its highest record of the intensity index (72.5%) in August/16 and the lowest (25%) in January/17. Leafing occurred in the months of November/16 to March/17. Flowering started in October/16 with the emission of flower buds. Anthesis occurred in January/17, presenting only 7.5% of intensity index. The fertilized flowers were seen only in the months of January/17 and February/17. For flowering phenology, fruiting occurred 218 flower buds, requiring 77 days after marking (DAM) for 36.2% of the flowers to enter anthesis and 7 days after anthesis (DAA) for fertilization to occur. Many flowers miscarried (99.5%) to develop the fruit, leaving only one fruit among the marked plants. It’s concluded that the ideal point of harvest of the E. sellowiana fruit is at stage 3 (S3) of ripeness, with an estimate of the production of one fruit per plant.

Keywords: Ubaia-de-raposa, floral biology, plant ecophysiology, fruit coastal, Restinga.


Palavras-chave


Ubaia-de-raposa; biologia floral; ecofisiologia vegetal; fruteira litorânea; Restinga.

Texto completo:

PDF

Referências


Aoki, C., Gomes, M. D., Savala, L. S., Gregório, G. C., & Massaranduba, V. (2018). Fenologia Reprodutiva de Pitanga (Eugenia pitanga) no Pantanal. Cadernos de Agroecologia, 13(2), 2236-7934.

Araújo, R. R., Santos, E. D., & Lemos, E. E. (2014). Fenologia do muricizeiro Byrsonima verbascifolia (L.) Rich em zona de tabuleiro costeiro do nordeste brasileiro. Ciência Agrícola, 12(1), 1-8. doi:10.28998/rca.v12i1.905

Azevedo, N. H., Martini, A. M. Z., Oliveira, A. A., & Scarpa, D. L. (Orgs.). (2014). Ecologia na restinga: uma sequência didática argumentativa. (1a ed). São Paulo: Instituto de Biociências/USP. doi:10.11606/9788591694808

Balisteiro, D. M., Araujo, R. L., Giacaglia, L. R., & Genovese, M. I. (2017). Effect of clarified Brazilian native fruit juices on postprandial glycemia in healthy subjects. Food Research International, 100(1), 196–203. doi:10.1016/j.foodres.2017.08.044

Bremekamp, C. A., Marinho, C. S., & Campos, G. S. (2016). Phenological characteristics of genotypes from cattley guava and guava trees submitted to fructification pruning. Revista Brasileira de Fruticultura, 38(4), 727-733. doi:10.1590/0100-29452016727

Brito Neto, R. L., Araújo, E. I. P., Maciel, C. M. S., Paula, A., & Tagliaferre, C. (2018). Fenologia de Astronium graveolens Jacq. em floresta estacional decidual em Vitória da Conquista, Bahia. Ciência Florestal, 28(1), 641-650. doi:10.5902/1980509832057

Camilo, Y. M. V. (2015). Avaliação de cagaiteiras (Eugenia dysenterica DC.) cultivadas no município de Goiânia,GO (Tese de doutorado). Escola de Agronomia e Engenharia de Alimentos, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, GO, Brasil. Recuperado de https://repositorio.bc.ufg.br/tede/bitstream/tede/4692/5/Tese%20-%20Yanuzi%20Mara%20Vargas%20Camilo%20-%202015.pdf

Castro, A. S. F., Moro, M. F., & Menezes, M. O. T. (2012). O Complexo Vegetacional da Zona Litorânea no Ceará: Pecém, São Gonçalo do Amarante. Acta Botanica Brasilica, 26(1), 108-124.

Cordeiro, G. D. (2015). Fenologia reprodutiva, polinização, compostos voláteis do cambuci (Campomanesia phaea - Myrtaceae) (Tese de doutorado). Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP. Brasil. Recuperado de https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/59/59131/tde-20042015-222512/publico/Tese_Guaraci_Duran_Cordeiro.pdf

Cunha, L. L. T., Lucena, E. M. P., & Bonilla, O. R. (2016). Exigências térmicas da floração à frutificação de quatro espécies de Myrtaceae em ambiente de Restinga. Revista Brasileira de Geografia Física, 9(3), 511-525. doi:10.26848/rbgf.v9.3.p707-721

Donado-Pestana, C. M., Belchior, T., & Genovese, M. I. (2015). Phenolic compounds from cagaita (Eugenia dysenterica DC.) fruit prevent body weight and fat mass gain induced by a high-fat, high-sucrose diet. Food Research International, 77(2), 177–185. doi:10.1016/j.foodres.2015.06.044

Energia Pecém. (2017). Dados de temperatura e umidade em São Gonçalo do Amarante-CE. São Gonçalo do Amarante: EDP Brasil.

Faria Júnior, J. E.Q. (2014). Revisão Taxonômica e Filogenia de Eugenia sect. Pilothecium (Kiaersk.) D.Legrand (Myrtaceae) (Tese de doutorado). Universidade de Brasília, Brasília, DF, Brasil. Recuperado de https://core.ac.uk/reader/33551109

Ferrera, T. S., Pelissaro, T. M., Eisinger, S. M., Righi, E. Z., & Buriol, G. A. (2017). Fenologia de espécies nativas arbóreas na região central do estado do Rio Grande do Sul. Ciência Florestal, 27(3), 753-766. doi:10.5902/1980509828608

Fidalgo, A. O. (2019). Reproductive phenology of shrubs and trees in a Cerrado area of Mogi Guaçu, SP, Brazil. Biotemas, 32(3): 1-9. doi:10.5007/2175-7925.2019v32n3p1

Fournier, L. A. (1974). Un método cuantitativo para la medición de características fenológicas en árboles. Turrialba, 24(4), 422-423.

Fritzsons, E., Mantovani, L. E., & Wrege, M. S. (2016). Relação entre altitude e temperatura: uma contribuição ao zoneamento climático no estado de Santa Catarina, Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, 18(12), 80-92. doi:10.5380/abclima.v18i0.39471

Fundação Cearense de Meteorologia e Recursos Hídricos. (2017). Calendário de Chuvas no Ceará. Fortaleza: FUNCEME. Recuperado de: http://www.funceme.br/app/calendario/produto/municipios/maxima/diario

Giaretta, A., Souza, M. C., Menezes, L. F. T., & Peixoto, A. L. (2018). Two new species of Eugenia (Myrtaceae) from the Atlantic forest of Espírito Santo, Brazil. Phytotaxa, 336(2): 181–189. doi:10.11646/phytotaxa.336.2.5

Gomes, J. P., Dacoregio, H. M., Silva, K. M., Rosa, L. H., & Bortoluzzi, R. L. C. (2017). Myrtaceae na bacia do rio Caveiras: Características ecológicas e usos não madeireiros. Floresta e Ambiente, 24, 1–10. doi:10.1590/2179-8087.011115

Helt, K. M. P., Navas. R., & Gonçalves, E. M. (2018). Características físico-químicas e compostos antioxidantes de frutos de pitanga da região de Capão Bonito, SP. Revista de Ciências Agroambientais, 16(1). doi:10.5327/Z1677-606220181400

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. (2009). Perfil básico municipal 2009: São Gonçalo do Amarante. Fortaleza: IPECE. Recuperado de: https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2018/09/Sao_Goncalo_do_Amarante_2009.pdf

Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. (2018). Perfil básico municipal 2017: São Gonçalo do Amarante. Fortaleza: IPECE. Recuperado de: https://www.ipece.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/45/2018/09/Sao_Goncalo_do_Amarante_2017.pdf

Leão-Araújo, E. F., Souza, E. R. B., Naves, R. V., & Peixoto, N. (2019). Phenology of Campomanesia adamantium (Cambess.) O.Berg in Brazilian Cerrado. Revista Brasileira de Fruticultura, 41(2), 1-12. doi:10.1590/0100-29452019121

Lucena, E. M. P. de. (2006). Desenvolvimento e maturidade fisiológica de manga ‘Tommy Atkins’ no vale do São Francisco (Tese de doutorado). Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Lucena, E. M. P., Alves, R. E., Cisneros- Zevallos, L., Moraes Luz, E. W., & Brito, E. S. (2014). Biodiversidade das Myrtaceae Brasileiras adaptadas à Flórida, EUA. Revista Brasileira de Geografia Física, 7(2), 327-340. doi:10.26848/rbgf.v7.2.p327-340

Luz, I. J., & Krupek, R. A. (2014). Fenologia reprodutiva, biometria do fruto e semente de Campomanesia xanthocarpa O.Berg. (Myrtaceae). Estudos de Biologia Ambiente e Diversidade, 36(86), 115-124. doi:10.7213/estud.biol.36.086.AO12

Machado, D. L., Pereira, M. G., Correia, M. E. F., Diniz, A. R., Santos L. L., & Menezes, C. E. G. (2015). Ciclagem de nutrientes em diferentes estágios sucessionais da mata atlântica na bacia do Rio Paraíba do Sul, RJ. Bioscience Journal, 31(4), 1222-1237. doi:10.14393/BJ-v31n1a2015-23092

Mantovani, W., Monteiro, R. F., Anjos, L., & Cariello, M. O. (Orgs.). (2017). Pesquisas em Unidades de Conservação no Domínio da Caatinga: Subsídios à gestão. (1a ed.). Fortaleza: UFC.

Mazine, F. F., Sobral, M., & Valdemarin, K. S. (2018). A new species of Eugenia (Myrtaceae) from Rio de Janeiro State, Brazil. Phytotaxa, 343(2), 160–166. doi:10.11646/phytotaxa.343.2.6

Melo Júnior, J. C. F., & Boeger, M. R. T. (2016). Leaf traits and plastic potential of plant species in a light-edaphic gradient from restinga in southern Brazil. Acta Biológica Colombiana, 21(1), 51-62. doi:10.15446/abc.v21n1.47621

Moraes, C. (2017). Variabilidade genética para a característica de abscisão de estruturas reprodutivas no feijoeiro comum (Trabalho de Conclusão). Universidade Federal de Santa Catarina, Curitibanos, Santa Catarina, Brasil.

Morellato, L. P. C., Alberton, B., Alvarado, S. T., Borges, B., Buisson, E., Camargo, M. G. G., … Peres, C. A. (2016). Linking plant phenology to conservation biology. Biological Conservation, 195(1), 60–72. doi:10.1016/j.biocon.2015.12.033

Moro, M. F., Macedo, M. B., Moura-Fé, M. M., Castro, A. S. F., & Costa, R. C. (2015). Vegetação, unidades fitoecológicas e diversidade paisagística do estado do Ceará. Rodriguésia, 66(3), 717-743. doi:10.1590/2175-7860201566305

Nucci, M. (2016). Biologia floral, fenologia reprodutiva, entomofauna e valor econômico dos serviços ecossistêmicos realizados pelos polinizadores de Campomanesia adamantium (Cambessédes) O.Berg – Myrtaceae em área de cerrado no sul do Mato Grosso do Sul – Brasil. (Tese de doutorado) Faculdade de Ciências Biológicas e Ambientais, Universidade Federal da Grande Dourados, Dourados, MS, Brasil. Recuperado de http://files.ufgd.edu.br/arquivos/arquivos/78/MESTRADO-DOUTORADO-ENTOMOLOGIA/Tese%20(2016)%20Mateus%20Nucci.pdf

Nucci, M., & Alves-Junior, V. V. (2017). Biologia floral e sistema reprodutivo de Campomanesia adamantium (Cambess.) O.Berg – Myrtaceae em área de cerrado no sul do Mato Grosso do Sul, Brasil. Interciência, 42(2), 127-131.

Ortiz, J., Oliveira, L. M., Souza, A. C., Sá, A. C. A. S., Souza, G. F., & Corrêa, B. J. S. (2019). Aspectos das fenofases reprodutiva e vegetativa de Campomanesia guazumifolia (Myrtaceae), na Região de Lages, Santa Catarina. Revista de Ciências Agroveterinárias, 18 (3), 292-300. doi:10.5965/223811711832019292

Pereira, M. C., Santos, L. S., Rios, E. S., Sousa, E. R., & Ribeiro, V. G. (2016). Fenologia e níveis de prolina em cacaueiros consorciados com mangueiras no Vale do Submédio São Francisco. Revista Semiárido De Visu, 4(1), 50-58

Prates, A. P. L., & Irving, M. A. (2015) Conservação da biodiversidade e políticas públicas para as áreas protegidas no Brasil: desafios e tendências da origem da CDB às metas de Aichi. Revista brasileira de políticas públicas, 5(1), 38-58. doi:10.5102/rbpp.v5i1.3014

Ramos, A. S., Mar, J. M., Silva, L. S., Acho, L. D. R., Silva, B. J. P., Lima, E. S., … Machado, M. B. (2019). Pedra-ume caá fruit: An Amazon cherry rich in phenolic compounds with antiglycant and antioxidant properties. Food Research International, 123(1), 674–683. doi:10.1016/j.foodres.2019.05.042

Rodrigues, A. L. (2018). Respostas fisiológicas e estruturais em plantas submetidas a estresse hídrico recorrente em diferentes condições de luz (Tese de doutorado). Instituto de Biociências de Botucatu, Universidade Estadual Paulista, Botucatu, SP, Brasil. Recuperado de https://repositorio.unesp.br/handle/11449/153380

Santos, A. A., & Pereira, S. (2016). Northeast region protected areas. Reon Facema, 2(1), 174-176.

Seraglio, S. K. T., Schulz, M., Nehring, P., Della Betta, F., Valese, A. C., Daguer, H., … Costa, A. C. O. (2018). Nutritional and bioactive potential of Myrtaceae fruits during ripening. Food Chemistry, 239(1), 649–656. doi:10.1016/j.foodc0hem.2017.06.118

Silva, A. G., Barros, H. H. D., & Senna, D. S., Carvalho, C. D. V. (2012). Fenologia de Anadenantehra macrocarpa (Benth.) Brenan em uma floresta estacional semidecidual no sul do Espírito Santo. Enciclopédia Biosfera, 8(15), 938-945

Silva, K. S. T., Almeida, A. M., & Silva, T. S. F., (2017). Influência de determinantes ambientais na vegetação da Caatinga. Sociedade e Território, 29(1), 183-198. doi:10.21680/2177-8396.2017v29n1ID10807

Soares, I. D., Nogueira, A. C. N., Grabias, J., & Kuniyoshi, Y. S. (2017). Caracterização morfológica de fruto, semente e plântula de Psidium rufum DC. (Myrtaceae). Iheringia, 72(2), 221-227. doi:10.21826/2446-8231201772208

Sobral, M., Costa, I. D., Souza, M. C., & Zorzanelli, J. P. F. (2017). Five new species and one new combination in Brazilian Myrtaceae. Phytotaxa 307(4): 233–244. doi:10.11646/phytotaxa.307.4.1

Sobral, M., Proença, C., Souza, M., Mazine, F., & Lucas, E. (2015a). Myrtaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Recuperado em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB171

Sobral, M., Proença, C., Souza, M., Mazine, F., Lucas, E. (2015b). Myrtaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Rio de Janeiro: Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Recuperado em http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB31513

The Brazil Flora Group. (2015). Growing knowledge: an overview of Seed Plant diversity in Brazil. Rodriguésia, 66(4), 1085-1113. doi:10.1590/2175-7860201566411

The Brazil Flora Group. (2018). Brazilian Flora 2020: innovation and collaboration to meet Target 1 of the Global Strategy for Plant Conservation (GSPC). Rodriguésia, 69(4), 1513–1527. doi:10.1590/2175-7860201566411

Thornhill, A. H., Ho, S. Y. W., Külheim, C., & Crisp, M. D. (2015). Interpreting the modern distribution of Myrtaceae using a dated molecular phylogeny. Molecular Phylogenetics and Evolution, 93(1), 29–43. doi:10.1016/j.ympev.2015.07.00

Tres, A., Tetto, A. F., Milani, J. E. F., Seger, C. D., Wendli, W. T., & Pajews. F. F., Dickel, G. (2020). Reproductive phenology of Euterpe edulis Mart. in two altitudinal classes in the Brazilian Atlantic forest. Revista Ibero-Americana de Ciências Ambientais, 11(2), 23-35. doi:10.6008/CBPC2179-6858.2020.002.0003

Veit, P. A., Schwarz, S. F, & Guerra, D. (2019). Monitoring the phenology of Myrcianthes pungens (O.Berg) D. Legrand in the state of Rio Grande do Sul - Brazil. Revista Brasileira Fruticultura, 41(3), 1-4. doi:10.1590/0100-2945201916




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v13.6.p2760-2776

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License