Comunidade Halofítica Herbáceo-arbustiva em Perímetro Irrigado do Município de Pentecoste–CE

Oriel Herrera Bonilla, Francisco Yago Elias de Castro Dias, Eliseu Marlônio Pereira de Lucena, Claudivan Feitosa de Lacerda, Maria Iracema Bezrra Loiola

Resumo


A salinização dos solos e um problema que ocorre quando existe um excesso de sais na solução do solo, afetando a pecuária e a agricultura, causando prejuízos econômicos e ambientais. O trabalho objetivou avaliar comunidades vegetais presentes em áreas salinizadas do perímetro irrigado Curu-Recuperação, em Pentecoste-CE. Foram realizadas cinco coletas em duas áreas do perímetro, em três épocas do ano (início da quadra chuvosa, final da quadra chuvosa e estação seca) constituídas de contagem de plantas e coletas de solo. Registrou-se a presença de 37 espécies divididas em 14 famílias, sendo Fabaceae a mais representativa. As espécies Blutaparon vermiculare L., Cyperus rotundus L. e Malachra fasciata Jacq., foram as mais representativas, sendo a primeira espécie com a maior uniformidade na distribuição dentre todas as coletas. O índice de Shannon obtido foi semelhante ao encontrado em áreas sob o efeito do estresse salino. Deste modo, foi possível identificar espécies tolerantes a salinidade no solo e com aplicações alimentícias, medicinais, para uso em programas de haloforraginocultura e na recuperação de solos degradados.

Palavras-chave: Halófita, salinidade, semiárido.


Palavras-chave


Salinidade; Halófita; Semiárido

Referências


Albuquerque, A.G.B.M., Ferreira, T.O., Cabral, R.L., Nóbrega, G.M., Romero, R.E., Meireles, A.J.D.A., Otero, X.L., 2014. Hypersaline tidal flats (apicum ecosystems): the weak link in the tropical wetlands chain. Environmental Reviews 22, 99-109.

Albuquerque, J.A., Costa, R.N.T., Ribeiro, R.S.F., Gheyi, H.R., 2018. Responsabilidade objetiva na geração de passivo ambiental pela irrigação. IRRIGA 23, 402-412.

Albuquerque, U.P., Muniz, D.M.P., Almeida, A.L., Monteiro, J.M., Machado, D.F.L.N., Gomes, D.M.J., Santos, J.P., 2007. Medicinal plants of Caatinga (semi-arid) vegetation of NE Brazil: a qualitative approach. Journal of Ethnopharmacology 114, 325-354.

Almeida Júnior, L.D., Quaglio, A.E.V, Costa, C.A.R.A., Di Stasi, C., 2017. Intestinal anti-inflammatory activity of ground cherry (Physalis angulata L.) standardized CO2 phytopharmaceutical preparation. World Journal of Gastroenterology 23, 4369-4380.

Andrade, L.A., 2013. Plantas invasoras: espécies exóticas invasoras da Caatinga e ecossistemas associados. 1. ed. Campina Grande, Epgraf.

Araújo, E.L., Silva, K.A., Ferraz, E.M.N., Sampaio, E.V.S.B., Silva, S.I., 2005. Diversidade de herbáceas em microhábitats rochoso, plano e ciliar em uma área de Caatinga, Caruaru-PE, Brasil. Acta Botânica Brasílica 19, 285-294.

Bezerra, E., 2006. A salinização de solos aluviais em perímetros irrigados no Estado do Ceará. Fortaleza, DNOCS.

Brower, J.E., Zar, J.H., 1984. Field and Laboratory Methods for General Ecology. 2 nd edition. Iowa, Wm. C. Brown Publishers.

Cantero, J.J., Palchetti, V., Núñez, C.O., Barbosa, G.E., 2016. Halophytic flora of Argentina: a checklist and na analysis of its diversity. In: Khan, M.A., Boër, B., Ozturk, M., Clusëner-Godt, M., Gul, B., Breckle, S.-W. (Eds.). Sabkha ecosystems V: the Americas. Berlin, Springer.

Corrêa, M.P., 1984. Dicionário de plantas úteis do Brasil e das exóticas cultivadas. Rio de Janeiro, Imprensa Nacional.

Costa, C.S.B, Iribarne, O.O., Farina, J.M., 2009. Human impacts and threats to the conservation of South American salt marshes. In: Silliman, B.R., Grosholtz, T., Bertness, M.D. (Ed.) Salt marshes under global siege. Berkeley, University of California Press.

Costa, C.S.B., 2011. Restoration of coastal salt marshes in Brazil using native salt marsh plants. In: Greipsson, S. (Ed.). Restoration ecology. Sudbury, Jones & Barlett Learning.

Costa, C.S.B., Herrera, O.B., 2016a. Halophytic life in brazilian salt flats: biodiversity, uses and threats. In: Khan, M.A., Boër, B., Ozturk, M., Clusëner-Godt, M., Gul, B., Breckle, S.-W. (Eds.) Sabkha ecosystems V: the Americas. Berlin, Springer.

Costa, C.S.B., Herrera, O.B., 2016b. Halófitas brasileiras: Formas de cultivo e usos. In: Gheyi, H.R., Dias, N.D., Lacerda, C.F., Gomes-Filho, E. (ed.) Manejo da salinidade na agricultura: estudos básicos e aplicados. Fortaleza, INCTSal.

Costa, K.C., Lima, A.L.A., Fernandes, C.H.M., Silva, M.C.N.A., Silva, A.C.B.L., Rodal, M.J.N., 2009. Flora vascular e formas de vida em um hectare de Caatinga no Nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 4, 48- 54.

Couto, R.S., Cardoso, L.J.T., 2017. Aizoaceae in Flora do Brasil 2020 em construção. Rio de Janeiro, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 9 set. 2017.

Cunha, J.L.X.L., Freitas, F.C.L., Coelho, M.E.H., Silva, M.G.O., Silva, K.S., Nascimento, P.G.M.L., 2014. Fitossociologia de plantas daninhas na cultura do pimentão nos sistemas de plantio direto e convencional. Revista Agro@mbiente On-line 8, 119-126.

Disponível em: . Acesso em: 7 de jun. 2017.

DNOCS., 1976. Projeto Curu-Recuperação: Sistema General Sampaio - Missão de Israel. 2.DR/Ceará. Anexo I, R-798/76.

DNOCS., 2017. Perímetros Irrigados DNOCS. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2017.

EMBRAPA., 2001. Centro Nacional de Pesquisa de Agroindústria Tropical. Dados Climatológicos: Estação de Pentecoste. Fortaleza, Embrapa Agroindústria Tropical.

EMBRAPA., 2011. Manual de Métodos de Análise de Solo. 2. ed. Rio de Janeiro, EMBRAPA.

EMBRAPA., 2013. Sistema brasileiro de classificação de solos. 3. ed. Rio de Janeiro, Embrapa solos.

Fernandes-Júnior, A.J., 2017. Malachra in Flora do Brasil 2020 em construção. Rio de Janeiro, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 9 set. 2017.

Fidalgo, O., Bononi, V.L.R., 1989. Técnicas de coleta, preservação e herborização de material botânico. São Paulo, Instituto de Botânica.

Flores-Olvera, H., Czaja, A., Estrada-Rodríguez, J.L., Méndez, U.R., 2016. Floristic diversity of halophytic plants of Mexico. In: Khan, M.A., Boër, B., Ozturk, M., Clusëner-Godt, M., Gul, B., Breckle, S.-W. (Eds.). Sabkha ecosystems V: the Americas. Berlin, Springer.

Flowers, T.F., Galal, H.K., Bromham, L., 2010. Evolution of halophytes multiple origins of salt tolerance in land plants. Functional Plant Biology 37, 604-612.

Frosi, G., Oliveira, M.T., Almeida-Cortez, J., Santos, M.G., 2013. Ecophysiological performance of Calotropis procera: an exotic and evergreen species in Caatinga, Brazilian semi-arid. Acta Phisiologiae Plantarum 35, 335–344.

García, M., Jáuregui, D., Medina, E., 2008. Adaptaciones anatómicas foliares en especies de angiospermas que crecen en la zona costera del estado Falcón (Venezuela). Acta Botánica Venezuela 31, 291-306.

Grabarczyk, M., Winska, K., Maczka, W., Potaniec, B., Aniol, M., 2015. Loliolide - the most ubiquitous lactone. Folia Biologica et Oecologica 11, 1-8.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística., 2012. Manual técnico da vegetação brasileira. 2. ed. Rio de Janeiro, IBGE.

IPECE., 2017. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Estado do Ceará. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2017.

Kotuby-Amacher, J., Koening, R., Kitchen, B., 2000. Salinity in plant tolerance. Logan, Utah state University electronic publishing.

Leão, T.C.C., Almeida, W.R., Dechoum, M., Ziller, S.R., 2011. Espécies exóticas invasoras no Nordeste do Brasil: contextualização, manejo e políticas públicas. Recife, Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste e Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental.

Lee, I., Lee, J., Kim, D.S., Park, K.W., 2014. Current status and perspective of weed science in Asian Pacific Region. Weed & Turfgrass Science 3, 1-5.

Lokhande, V.H., Nikam, T.D., Suprasanna, P., 2009. Sesuvium portulacastrum L. a promising halophyte: cultivation, utilization and distribution in India. Genetic Resource and Crop Evolution 56, 741-747.

Lucena, E.M.P., Herrera, O.B., Major, I., 2015. Frutas da Caatinga cearense. 1. ed. Fortaleza, EdUECE.

Major, I., Sales, J.C., 2010. Solo e poluição. In: Lucena, E.M.P. (Org.). Mudanças climáticas e desenvolvimento sustentável. 1. ed. Fortaleza: Universidade Aberta do Nordeste.

Medeiros, J.F., Gheyi, H.R., Costa, A.R.F.C., Tomaz, H.V.Q., 2016. Manejo do solo-água-planta em áreas afetadas por sais. In: Gheyi, H.R., Dias, N.S., Lacerda, C.F., Gomes Filho, E. (Eds.). 2. ed. Manejo da salinidade na agricultura: estudos básicos e aplicados. Fortaleza, INCTSal.

Medeiros, J.F., Gheyi, H.R., Nascimento, L.B., 2012. Salinidade de solo e da água e seus efeitos na produção agrícola. In: Gheyi, H.R., Paz, V.P.S., Medeiros, S.S., Galvão, C.O., Recursos hídricos em regiões semiáridas: estudos e aplicações. Campina Grande, INSA.

Medeiros, M.F.T., Albuquerque, U.P., 2014. Food flora in 17th century northeast region of Brazil in historia naturalis brasiliae. Journal of Ethnobiology and Ethnomedicine 10, 10-50.

Medina, E., 2016. Physiological ecology of psammophytic and halophytic plant species from coastal plains in Northern South America. In: Khan, M.A., Boër, B., Özturk, M., Clüsener-Godt, M., Gul, B., Breckle, S.-W. (Eds.). Sabkha ecossistems V: the Americas. Berlin, Springer.

Medina, E., Francisco, A.M., Wingfield, R., Casañas, O.L., 2008. Halofitismo en plantas de la costa caribe de Venezuela: Halófitas y halotolerantes. Acta Botánica Venezuela 31, 49-80.

Meira de Andrade, M.V., 2009. Levantamento florístico e estrutura fitossociológica do estrato herbáceo e subarbustivo em áreas de Caatinga no Cariri paraibano. Revista Caatinga 22, 229-237.

Mętrak, M., Chachulski, L., Navruzshoev, D., Pawlikowsvi, P., Rojan, E., Sulwinski, M., Sulska-Malawska, M., 2017. Nature's patchwork: how water sources and soil salinity determine the distribution and structure of halophytic plant communities in arid environments of the Eastern Pamir. Plos One 12, 1-23.

Mishra, N.K., Sangwan, A., 2016. Phytoremediation of salt-affected soils: a review of processes, applicability and impact on soils health in Hisar Haryana. International Journal of Engineering Science Invention Research and Development 2, 418-423.

Moro, M.F., Macedo, M.B., Moura-Fé, M.M., Castro, A.S.F., Costa, R.C., 2015. Vegetação, unidades fitoecológicas e diversidade paisagística do estado do Ceará. Rodriguésia 66, 717-743.

Mukhopadhyay, S., Rana, V., Kumar, A., Maiti, S.K., 2017. Biodiversity variability and metal accumulation strategies in plants spontaneously inhibiting fly ash lagoon, India. Environmental Science and Pollution Research, 1-16.

Nnamani, C.V., Ani, O.C., Belunwu, G., 2009. Larvicidal effects of etanol extracts of leaves and fruits of Physalis angulata L. on the larvae of Anopheles mosquitoes from Ebonyi state, Nigeria. Animal Research International 6, 1059–1062.

Oliveira, A.N., Amaral, I.L., 2004. Florística e fitossociologia de uma floresta de vertente na Amazônia Central, Amazonas, Brasil. Acta Amazônica 34, 21-34.

Oliveira, D.G., Prata, A.P., Ferreira, R.A., 2013. Herbaceas da Caatinga: composição florística, fitossociologia e estratégias de sobrevivência em uma comunidade vegetal. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 8, 623-633.

Pandolfi, C., Mancusoa, S., Shabalab, S., 2012. Physiology of acclimation to salinity stress in pea (Pisum sativum). Environmental and Experimental Botany 84, 44-51.

Paz, V.P.S., Medeiros, S.S., Galvão, C.O., 2012. Recursos hídricos em regiões semiáridas: estudos e aplicações. Campina Grande, INSA.

Pizarro, F.C., 1976. Drenaje agrícola y recuperación de suelos salinos. Fortaleza, MINTER/SUDENE/DNOCS.

Queiroz, G.R., Ribeiro, R.C.L., Romão, F.T.N. M.A., Flaiban, K.K.M.C., Bracarense, A.P.F.R.L., Lisboa, J.A.N., 2012. Intoxicação espontânea de bovinos por Senna obtusifolia no Estado do Paraná. Pesquisas veterinárias brasileiras 32, 1263-1271.

Rao, B.R.P., Sridhar, R.R.M, Pullaiah, T., 2008. Flora and vegetation of Andhra Phradesh. New Delhi Akademy of Sciences 12, 1-13.

Ribeiro, M.R., 2010. Origem e classificação dos solos afetados por sais. In: Gheyi, H.R., Dias, N.S., Lacerda, C.F. (Eds.). Manejo da salinidade na agricultura: estudos básicos e aplicados. Fortaleza, INCTSal.

Richards, L.A., 1974. Suelos salinos y sódicos: diagnóstico y rehabilitacion. 6. ed. México, Editorial Limusa.

Rodrigues, A.P.M.S., Mendonça, A.F.J., Costa, E.M., Araújo, J.A.M., Paula, V.F.S., 2016. Levantamento fitossociológico de plantas daninhas na cultura da cenoura em monocultivo e consorciada com rabanete. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 11, 73-77.

Rodrigues, M.H.B.S., Pereira, E.B.J., Andrade, F.E., Nascimento, D.M., Vale, K.S., Hafle, O.M., 2017. Fitossociologia de plantas espontâneas sob cultivo agroecológico na bananeira no Sertão Paraibano. Revista Verde de Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável 12, 12-16.

Rozema, J., Schat, H., 2013. Salt tolerance of halophytes, research questions reviewed in the perspective of saline agriculture. Environment and Experimental Botany 2, 83-95.

Ruiz, K.B., Biondi, S., Martínez, E.A., Orsini, F., Antognoni, F., Jacobsen, S.E., 2015. Quinoa – a model crop for understandig salt-tolerance mechanisms in halophytes. Plant Biosystems 149, 357-371.

Salvi, H., Das, L., Brahmbhatt, B., Vaghela, N., Kamboj, R.D., 2017. Diversity of halophytes in Gulf oh Kachchh, Gujarat. International Journal of Life Sciences Scientific Research, India 3, 995-1002.

Senna, L., Marchioretto, M.S., 2015. Blutaparon in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Rio de Janeiro, Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: . Acesso em: 30 dez. 2015.

Shepherd, G.J., 2010. FITOPAC-Versão 2.1. Campinas, UNICAMP.

Silva, K.A., Araújo, E.L., Ferraz, E.M.N., 2009. Estudo florístico do componente herbáceo e relação com solos em áreas de Caatinga do embasamento cristalino e bacia sedimentar, Petrolândia–PE, Brasil. Acta Botânica Brasílica 23, 100-110.

Sousa, F.Q., Andrade, L.A., Xavier, K.R.F., 2016. Cryptostegia madagascariensis Bojer ex Decne.: impactos sobre a regeneração natural em fragmentos de Caatinga. Revista Brasileira de Ciências Agrárias 11, 39-45.

Sousa, R.S., 2010. Etnobotânica e etnozoologia de comunidades pesqueiras da Área de Proteção Ambiental (APA) do Delta do Parnaíba, Nordeste do Brasil. Dissertação (Mestrado). Teresina, Universidade Federal do Piauí.

Souza, N.K.R., Alcântara Júnior, J.P., Amorim, S.M.C., 2007. Efeito do estresse salino sobre a produção de fitomassa em Physalis angulata L. (Solanaceae). Revista Acadêmica 5, 379-384.

Souza, T.A.F., Andrade, L.A., Freitas, H., Sandim, A.S., 2017. Biological invasion influences the outcome of plant-soil feedback in the invasive plant species from the brazilian semi-arid. Microbial Ecology, 1-11.

Souza, T.A.F., Rodriguez-Echeverría, S., Andrade, L.A., Freitas, H., 2016. Could biological invasion by Cryptostegia madagascariensis alter the composition of the arbuscular mycorrhizal fungal community in semi-arid Brazil. Acta Botânica Brasilica 30, 93-101.

Tavares Filho, A.N.T., Barros, M.F.C., Rolim, M.M., Silva, E.F.F., 2012. Incorporação de gesso para correção da salinidade e sodicidade de solos salino-sódicos. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental 16, 247-252.

Torres, C.R.M., Fernando, E.M.P., Lucena, M.F.A., 2016. Checklist de plantas aquáticas em trechos de Caatinga do semiárido paraibano, Nordeste do Brasil. Gaia Scientia 10, 284-296.

Turkmen, G., Kazanci, N., 2010. Applications of various biodiversity indices to benthic macro invertebrate assemblages in streams of a national park in Turkey. Review of Hydrobiology, Research article 3, 111-125.

USSL STAFF., 1954. United States Salinity Laboratory Staff: diagnosis and improvement of saline and alakali soils. Washington, U.S. Department of Agriculture.

Yang, Y.-C., Lim, M.-Y., Lee, H.-S., 2003. Emodin isolated from Cassia obtusifolia (Leguminosae) seed shows larvicidal activity against three mosquito species. Journal of Agricultural and Food Chemistry 51, 7629-7631.

Zerai, D.B., Glenn, E.P., Chaterverdi, R.L.U.Z., Mamood, A.N., Nelson, S.G., Ray, D.T., 2010. Potential for the improvement of S. bigelovii thought selective breeding. Ecological Engineering 36, 730-739.




Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

 

Revista Brasileira de Geografia Física - eISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License