“Welcome, o life!”: O Künstleroman de James Joyce como galho morto do Bildungsroman

Hêmille Raquel Santos Perdigão

Resumo


O presente trabalho defende que o Bildungsroman se estendeu até o século XIX, porém não sobreviveu às mudanças do século XX. Para isso, apresenta a leitura de trechos dos romances O Pai Goriot, de Balzac, e Um Retrato do Artista quando Jovem, de Joyce. A conclusão é que há, no primeiro, as características do Bildungsroman  e, no segundo, ao contrário, tem-se uma regressão do protagonista, que, gradativamente, rejeita a realidade.


Texto completo:

PDF

Referências


ARISTÓTELES. Poética. Tradução de Paulo Pinheiro. São Paulo: Editora 34, 2017.

AUERBACH, Erich. Mimesis: a representação da realidade na literatura ocidental.

BALZAC, Honoré de. O Pai Goriot. Porto Alegre: Editora Globo, 1952.

EAGLETON, Terry. The English Novel: an Introduction. Oxford: Blackwell Publishing, 2005.

GOMBRICH, E. H. Arte e Ilusão: um estudo da psicologia da representação pictórica. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

HANSEN, J. A. Categorias Epidíticas do Retrato. Revista USP, São Paulo, v.71, pp. 85-105, 2006.

JOYCE, James. A Portrait of the Artist as a Young Man. In: LEVIN, Harry (Ed.). The Essential James Joyce. Whitehorse: Penguin Books, 1948.

JOYCE, James. Um Retrato do artista quando jovem. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2016.

JOYCE, James. Retrato do Artista quando Jovem. São Paulo: Abril Cultural, 1971.

KOSIK, Karel. Dialética do Concreto. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

MORETTI, Franco. The Way of the World: The Bildungsroman in European Culture. New York: Verso, 2000.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.