NO CENTRO DO PROCESSO DE PALAVRAS

Maria Dayane Pereira

Resumo


O ensaio esboça o lento e atemporal momento das vertigens, ânsias, dores, alegrias metamorfósicas sentidas pelo corpo em crise de encontro-confronto a procura dos arranjos de uma pesquisa - a nível de mestrado - desde as capoeiras, desde educação, desde corpo, desde mulher. Trata-se de uma abordagem qualitativa, de produção escrita na e para a academia. Assume-se a escrita como prática social e conforme fazemos, pode ou não constituir-se um processo que adentra os campos de tensão da sociedade, provocando incômodos, inquietações e reflexões sobre tantas questões.

Palavras-chave


Escrita; Corpo; Academia

Texto completo:

PDF

Referências


AZERÊDO, Sandra. Preconceito contra a mulher: diferença, poemas e corpos. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

ANZALDÚA, Gloria. Borderlands/La Frontera. The New Mestiza, San Francisco, Estados Unidos, Spinters/Aunt Lee, 2005.

BACHELARD, Gaston. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 2009.

BUTEL, Yannick. A arte do encontro, uma arte da distância: de Thomas Richards e Mario Biagini a Jerzy Grotowski. In: Rev. Bras. Est. Pres. Porto Alegre, v. 3, n. 1, Jan./abr. p. 198-219, 2013. Disponível em: http://www.seer.ufrgs.br/presenca. Acesso em: 22 de dez. 2015.

CASTAÑEDA, Martha Patricia Salgado. Metodología de la investigación feminista. Antigua Guatemala: Centro de Investigaciones Interdisciplinarias en Ciencias y Humanidades –CEIIHC- de la Universidad Nacional Autónoma de México – UNAM, 2008.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia (Volume 4), Rio de Janeiro: Editora 34, 1997.

GONZALEZ, Lélia. Racismo e sexismo na Cultura Brasileira. In: Rev. Ciências Sociais Hoje, Brasília: ANPOCS, v. 2, p.223-244. 1983. Disponível em:. Acesso em: 21 de maio. 2018.

HARDING, Sandra. Ciencia y Feminismo. Existe un método feminista?". In: Eli Bartra, Debates en torno a una metodología feminista? Ciencia y feminismo. Madrid: Ediciones Morata, 1999.

HARAWAY, Donna. Saberes localizados: a questão da ciência para o feminismo e o privilégio da perspectiva parcial. In: Cadernos Pagu, v.5, p. 07-42, 1995.

hooks, bell. Ensinando a transgredir: a educação como prática de liberdade. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

LEMINSKI, Paulo. Caprichos & Relachos. São Paulo. Editora brasiliense, 1983.

LISPECTOR, Clarice. A Hora da Estrela. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

LINTON, Rhoda. Rumo a um Método Feminista de Pesquisa. In: Alison M. Jaggar e Susan Bordo (orgs). Gênero, Corpo, Conhecimento. Rio de Janeiro: Record/Rosa dos Tempos, 1997.

LUGONES, María. Colonialidade e gênero. Rev. Tabula Rasa. Bogotá, n.9, jul/dez. p.73-101, 2008.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Sobre la colonialidad del ser: contribuciones al desarrollo de un concepto. In: Santiago Castro-Gómez y Ramón Grosfoguel. El giro decolonial. Reflexiones para una diversidad epistémica más allá del capitalismo global. Bogotá: Iesco-Pensar-Siglo del Hombre Editores, 2007. p. 127-167.

MENESES, Maria Paula. Diálogos de saberes, debates de poderes: possibilidades metodológicas para ampliar diálogos no Sul global. In: Em Aberto, V. 27, n. 91, p. 90-110, 2014.

MENESES, Maria Paula. Os sentidos da descolonização: uma análise a partir de moçambique. In: Catalão, v. 16, n. 1, jan./jun. p. 26-44, 2016.

MIGNOLO, Walter. Histórias locais/projetos globais: colonialidade, saberes subalternos e pensamento liminar. Belo Horizonte: UFMG, 2003.

MIGNOLO, Walter. Os esplendores e as misérias da “ciência”: colonialidade, geopolítica do conhecimento e pluri-versalidade epistémica. In: Santos, B.V.S. Conhecimento prudente para uma vida decente: ‘um discurso sobre as ciências’ revisitado. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2006.

MONCAYO, Víctor Manuel. Una sociología sentipensante para América Latina: Orlando Fals Borda Antología. Bogotá: Siglo XXI Editores y CLACSO, 2009.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidad y modernidad/racionalidade. In: Rev. Perú Indíg, v. 13, n. 29, p. 11-20. 1992. Disponível em:< https://www.ecumenico.org>. Acesso em: 12 de maio 2018.

QUIJANO, Aníbal.Colonialidad del poder, eurocentrismo y América Latina.In:LAN-DER,E.(Org.). La colonialidad del saber: eurocentrismo y ciencias sociales. Perspectivas Latinoamericanas. Buenos Aires:Clacso, 2005. p. 227-27.

RAGO, Margaret. Epistemologia Feminista, Gênero e história. In: PEDRO, Joana M. e GROSSI, Mirian P. (orgs), Masculino, Feminino, plural. Florianópolis, Editora das Mulheres,1998, pp.24-42.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Introdução a uma ciência pós-moderna. Rio de Janeiro: Graal, 1989.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Para uma sociologia das ausências e uma sociologia das emergências. In: Revista Crítica de Ciências Sociais, v.63, n.2, 2008. p. 237-280.

SOUSA SANTOS, Boaventura de. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia dos saberes. In: Santos, B.V.S; Meneses, M.P. Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010.

SPIVAK, Gayatri. Pode o subalterno falar? Belo Horizonte: editora UFFMG, 2010.

STRAZZACAPPA, Márcia. A educação e a fábrica de corpos: a dança na escola. In: Cadernos Cedes, ano 20, v. 53, n. 69, abril/, 2001.

TIBAU, Anderson; DAUSTER, Tania. Práticas e representações do corpo entre mulheres himba. In: NOVAES, Joana de Vilhena; VILHENA, Junia. O corpo que nos possui: corporeidade e suas conexões. Curitiba: Appris, 2018.

WALSH, Catherine. ¿Son posibles unas ciencias sociales/culturales otras? Reflexiones en torno a las epistemologías decoloniales. In: Revista Nómada, n.26, Abril/. 2007. p. 102-113.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2019.v2.n6.p217-230



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.