DESUMANIZAÇÃO, PRECARIEDADE E RESISTÊNCIA NA AMÉRICA LATINA E CARIBE: UMA ARTICULAÇÃO ENTRE A TEORIA DO RECONHECIMENTO DE JUDITH BUTLER E O FEMINISMO DECOLONIAL DE MARÍA LUGONES

Lorena Rodrigues tavares de Freitas

Resumo


O objetivo deste artigo é realizar uma análise teórica sobre a produção dos processos de desumanização operada pelo Sistema Moderno/Colonial de Gênero contra determinados grupos sociais que se tornam populações-alvo de políticas de maximização da precariedade na América Latina e Caribe. Para tanto, serão analisados alguns conceitos desenvolvidos por autoras e autores da teoria decolonial, do feminismo interseccional e da teoria do reconhecimento, principalmente aqueles desenvolvidos pelas filósofas feministas María Lugones e Judith Butler.  A partir da interpretação analítica do pensamento das autoras e autores mencionados, busca-se compreender como elas esboçam as possibilidades de emancipação política para essas populações.


Palavras-chave


desumanização; precariedade; reconhecimento social; descolonização.

Texto completo:

PDF

Referências


ANZALDÚA, Gloria. Los movimientos de rebeldía y las culturas que traicionan. In: hooks, bell; BRAH, Avtar; SANDOVAL, Chela et all. Otras inapropiables: Feminismos desde las fronteras. Madrid: Traficante del sueños, 2004.

______. La conciencia de la mestiza/ Rumo a uma nova consciência. Rev. Estud. Fem. vol.13 no.3 Florianópolis Sept./Dec. 2005.

BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGEL, Ramón. Introdução: Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. In: Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGEL, Ramón (orgs.). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

BUTLER, Judith. Corpos que pesam: sobre os limites discursivos do sexo. In: LOURO, Guacira Lopes. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. 2ª Ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

______. Vida precária. Contemporânea, 1, 2011.

______. Quadros de guerra: quando a vida é passível de luto. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

______. Corpos em aliança e a política das ruas: notas para uma teoria performativa de assembleia. 2 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

CEPAL (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). Panorama Social de América Latina. Santiago de Chile, 2019. Disponível em: https://www.cepal.org/es/publicaciones/44969-panorama-social-america-latina-2019 Acesso em: 06 de fevereiro de 2020.

CHUL-HAN, Byung. Sociedade da transparência. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017a.

___________. Sociedade do cansaço. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017b.

COLLINS, Patricia Hill. Em direção a uma nova visão: raça, classe e gênero como categorias de análise e conexão. Cadernos Sempreviva, 2015.

______. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Soc. estado. [online]. 2016, vol.31, n.1, pp.99-127. ISSN 0102-6992. Disponível em: . Acesso em: 21 de maio de 2019.

CULT. São Paulo: Editora Bregantini, ano 16, n.185, novembro, 2013.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe. São Paulo: Boitempo, 2016.

DEMO, Pedro. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

DUNKER, Christian. Sintoma, mal-estar e sofrimento. São Paulo: Boitempo, 2016.

FANON, Frantz. Peles negra, máscaras brancas. Salvador: EDUFBA, 2008.

_____. Los condenados de la tierra. Buenos Aires: Fondo de Cultura Económica, 2015.

GONZALEZ, Lélia. A categoria político-cultural da Amefricanidade.In: HOLLANDA, Heloísa Buarque de. Pensamento Feminista: conceitos fundamentais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2019.

LUGONES, María. Subjetividad esclava, colonialidad de género, marginalidad y opresiones múltiples. In: Serie Foros 2 Pensando los feminismos en Bolivia. Conexión Fondo de Emancipaciones. 2. La Paz, Bolivia, 2012. (Serie Foros). Disponível em: Acesso em: 06 de fevereiro de 2020.

______. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, setembro-dezembro, 2014a.

_____. Colonialidad y género: hacía un feminismo decolonial. In: MIGNOLO, Walter (comp.). Género y descolonialidad. Buenos Aires: Del Siglo, 2014b.

MALDONADO-TORRES, Nelson. Analítica da cololialidade e da decolonialidade: algumas dimensões básicas. In: Decolonialidade e pensamento afrodiaspórico. BERNARDINO-COSTA, Joaze; MALDONADO-TORRES, Nelson; GROSFOGEL, Ramón (orgs.). Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2018.

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Fundamentos de Metodologia Científica. 6ed. São Paulo: Atlas, 2005.

QUIJANO, Aníbal. Colonialidade, poder, globalização e democracia. Novos Rumos, ano 17, n° 37, 2002.

______. Colonialidade do poder, Eurocentrismo e América Latina. Buenos Aires: CLACSO, Consejo Latinoamericano de Ciencias Sociales, 2005. Disponível em: Acesso em: 06 de fevereiro de 2020.

RAMÍREZ, Alanis Bello. Hacia una trans-pedagogía: reflexiones educativas para incomodar, sanar y construir comunidade. Debate Feminista. Año 28, vol. 55 / abril-septiembre de 2018. Disponível em: Acesso em: 06 de fevereiro de 2020.

REA, Catarina. Pensamento Lésbico e Formação da Crítica Queer of Color. Cadernos de Gênero e Diversidade. Vol 04, N. 02 – Abr. – Jun., 2018. Disponível em: . Acesso em: 06 de fevereiro de 2020.

SEGATO, Rita Laura. La guerra contra las mujeres. 2 ed. Ciudad Autónoma de Buenos Aires: Prometeo Libros, 2018.

WIGNOLO, Walter. The Darker Side of the Renaissance: Literacy, Territoriality e Colonization. 2 ed. The University of Michigan Press, 2018.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2020.v3.n11.p202-229



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.