Mapeamento e identificação de vetores responsáveis pela supressão do manguezal na Zona Costeira do Baixo Sul da Bahia, Brasil (Mapping and identification of vectors responsible for mangrove suppression in the Southern Bahia Lowlands, Brazil)

Ana Paula Sena de Souza, Ivonice Sena de Souza, George Olavo, Jocimara Souza Britto Lobão, Rafael Vinícius de São José

Resumo


O ecossistema manguezal representa 8% de toda a linha de costa do planeta ocupando uma área total de 181.077 km2. O Brasil é o segundo país em extensão de áreas de manguezal, ficando atrás apenas da Indonésia. O objetivo do presente estudo foi mapear e identificar os principais vetores responsáveis pela supressão da cobertura das áreas de manguezal na região do Baixo Sul da Bahia, Brasil, a partir de imagens de satélite Landsat disponíveis para o período entre 1994 e 2017. Os mapeamentos foram realizados a partir de classificação supervisionada, utilizando o método Maxver. A acurácia da classificação obtida foi verificada através da verdade de campo, de índices de Exatidão Global, e dos coeficientes de concordância kappa e Tau. As classes que apresentaram maior área de cobertura no período analisado foram: vegetação ombrófila densa, agropecuária, solo exposto e manguezal. Foram identificados dois vetores principais responsáveis pela supressão dos bosques de mangue: a expansão desordenada das áreas urbanas (com destaque para o município de Valença) e o avanço da atividade de carcinicultura clandestina, devido a instalação de tanques de cultivo de camarão sem o devido processo de licenciamento ambiental (sobretudo no município de Nilo Peçanha). O uso das geotecnologias, em especial o Sensoriamento Remoto e os Sistemas de Informações Geográficas, foram ferramentas fundamentais na identificação destes vetores responsáveis pela supressão das áreas de manguezal na área de estudo região do Baixo Sul da Bahia.

 

 

Mapping and identification of vectors responsible for mangrove suppression in the Southern Bahia Lowlands, Brazil

A B S T R A C T

The mangrove ecosystem represents 8% of the entire coastline of the planet and occupies a total area of 181,077 km2. Brazil is the second largest country in terms of mangrove areas, second only to Indonesia. The aim of the present study was to map and identify the main vectors responsible for the suppression of mangrove cover in the Southern Lowlands of Bahia, Brazil, from Landsat satellite images available for the period 1994-2017. based on supervised classification using the Maxver method. The accuracy of the classification obtained was verified through field truth, Global Accuracy indices, and kappa and Tau agreement coefficients. The classes that presented larger coverage area in the analyzed period were: dense ombrophilous vegetation, agriculture, exposed soil and mangrove. Two main vectors responsible for the suppression of mangrove forests were identified: the disorderly expansion of urban areas (especially the municipality of Valença) and the advance of clandestine shrimp farming due to the installation of shrimp farms without due environmental licensing process (mainly in the municipality of Nilo Peçanha). The use of geotechnologies, especially Remote Sensing and Geographic Information Systems, were fundamental tools in the identification of these vectors responsible for the suppression of mangrove areas in the study area of the Southern Bahia Lowlands.

Key-words: environmental impacts, satellite image, shrimp farming.


Palavras-chave


Impactos ambientais, imagem de satélite, carcinicultura

Texto completo:

PDF

Referências


Abreu, F. L., Vasconcelos, F. P., Albuquerque, M. F. C., 2017. A diversidade no uso e ocupação da Zona Costeira do Brasil: a sustentabilidade como necessidade. Conex. Ci. e Tecnol. Fortaleza/CE, v. 11, n. 5, p. 8 - 16.

Antunes, A. F. B., Lingnau. C., 1997. Uso dos Índices de Acurácia para Avaliação de Mapas temáticos obtidos por meios de classificação digital. In: III Congresso e Feira para Usuário de geoprocessamento, Curitiba: Sagres.

Araújo, R. C. P., Maia, L. P., 2011. Análise dos problemas e objetivos das atividades econômicas tradicionais e emergentes na zona costeira do estado do Ceará. Arquivo Ciências Mar, Fortaleza 44(3): 20 – 39.

Brasil, 2006. Instituto de Brasileiro de Geografia e Estatística. Manual técnico de uso da terra. Rio de Janeiro: IBGE.

Brasil, 2011. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. IBGE em parceria com a Marinha do Brasil lança o Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas. IBGE, Comunicação Social.

Brasil, 2018. Lei nº 7.661 de 16 de maio de 1988. Institui o Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (1988) Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. Disponível em: Acesso em: 23 mai. 2018.

Buschmann, A. H., 2001. Impacto ambiental de la acuicultura: el estado de la investigacion en Chile y el mundo. Universidad de Los Lagos Osorno, Chile. Diciembre, 2001.

Costa, J. R., 2003. Sustentabilidade ambiental local: o caso da comunidade pesqueira de Ponta Grossa - Icapuí - Ceará - Brasil. Dissertação de Mestrado em Desenvolvimento e Meio-Ambiente (PRODEMA), Universidade Federal do Ceará, Fortaleza.

Florenzano, T. G. 2007. Iniciação em sensoriamento remoto. São Paulo, Oficina de Textos, 2 ª edição.

Florenzano, T. G., 2005. Geotechnologies in Applid Geography: diffusion and acessibility. Revista do Departamento de Geografia, 17, p.24-29, 2005.

Kuenzer, C., Bluemel, A., Gebhardt, S., Vo Quoc, T., Dech, S., 2011. Remote Sensing of Mangrove Ecosystems: A Review. Remote Sens. 3, 878-928.

Landis, J. R., Koch, G.G., 1977. The measurement of observer agreement for categorical data. Biometrics. v. 33, n. 1, p. 159-174.

Lima, B. A. A., Libório, M. P., Hadad, R. M., 2018. Análise Espaço-Temporal do crescimento de macrófitas e sua aplicação no monitoramento da qualidade da água. Revista Ra’eGa. Curitiba, v.45, n. 1. p. 45 -57.

Long, B. G., Skewes, T. D., 1994. Gis And Remote Sensing Improves Mangrove Mapping. Melbourne, March.

Ma, Z., Redmond, R., 1995. Tau Coefficients for Accuracy Assessment of Classification of Remote Sensing Data. Photogrammetric Engineering and Remote Sensing, v. 61, n. 4, p. 435-439.

MMA, 2018. Atlas dos Manguezais do Brasil. Brasília: Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade, 2018. 176 p.

Martínez-Córdova, L. R., Porchas, M. M., Cortés-Jacinto, E., 2009. Camaronicul, tura Mexicanay mundial: actividad sustentable a indústria contaminante. Rev. Int. Contam. Ambient. 25 (3) 181-196.

Naesset, E., 1996. Concitional Tau coefficient for assessment of producer´saccuracy of classified remot el ysensed data. ISPRS Journal of Photogrammetry & Remote Sensing, v. 51, p. 91-98.

Onwuteaka, J., Uwagbae, M., Okeke, N., 2016. The use of GIS techniques in delineating Mangrove sites of Conservation interest in Asaramaarea, Eastern part of the Niger Delta. Proceedings of NTBA/NSCB Joint Biodiversity Conference; Unilorin (350-358).

O Território pesqueiro do Baixo Sul (2012).

http://projetoatepa.blogspot.com.br/p/oterritoriopesqueirodobaixosul.html. Acesso in: 20 dez. 2016.

Pimentel, M. T., Dias, R. R., Pereira, E. Q., 2011. Mapeamento das mudanças da cobertura e uso da terra entre os anos de 1984 e 2009 utilizando técnicas de sensoriamento remoto e geoprocessamento: estudo de caso do Município de Fátima – Estado do Tocantins. Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, INPE p.6810.

Rodrigues, A. M. T., 2003. A Gestão Ambiental e a Zona Costeira: Como operar nesta área complexa, onde se sobrepõem tantos usos e conflitos? CEPSUL/IBAMA. Contrapontos.

Rosa, R., 2005. Geotecnologias na geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia. 81-90. Universidade Federal de Uberlândia.

Santos, L. C. M., Bitencourt, M. D., 2016. Remote sensing in the study of Brazilian mangroves: review, gaps in theknowledge, new perspectives and contributions for management. Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, 16(X).

Sousa, R. S., Valladares, G. S., Espindola, G. M., 2016. Mapeamento multitemporal do uso e cobertura da terra da planície costeira do estado do Piauí. Revista Brasileira de Geografia Física. V.09, N. 05, p. 1606-1620.

Spalding, M., Blasco, F. Field, C., 1997. World mangrove atlas. ISME, Okinawa,178p.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v12.7.p2503-2521

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License