Perda de Solo no Alto Curso das Bacias Hidrográficas dos Ribeirões Taquaruçu Grande e Taquaruçuzinho, Palmas (TO)

Marcelo Divino Ribeiro Pereira, João Batista Pereira Cabral

Resumo


A aplicação de modelos matemáticos na análise da perda de solo em bacias hidrográficas ganhou atenção, nos anos de 1960 e 1970, a partir da análise integrada da paisagem. Nesse contexto, a Equação Universal de Perda de Solo (EUPS) se destaca como um dos modelos mais utilizados mundialmente no conhecimento dos processos erosivos e no planejamento ambiental. Diante disso, este estudo tem por objetivo estimar as perdas de solos nas bacias hidrográficas dos córregos Macacão e Mutum, localizadas no município de Palmas (TO). Os resultados demonstram que as áreas estudadas sofreram com um alto poder de erosividade (R) ao longo dos anos 1995 a 2019, com valores entre 12,188 a 12,319 t/ha MJ-1 mm-1. Quanto ao solo, o Neossolo Litólico Distrófico (RLD) apresenta o maior valor de erodibilidade (K), 0,049 t/ha MJ-1 mm-1.No que tange ao fator topográfico (LS), cerca de 80% das áreas das bacias mostram valores de LS considerados baixos, situados entre 0,029 a 1,86, e 1,86 a 4,30. Já para o fator relacionado ao uso e manejo do solo e às práticas conservacionistas (CP), as áreas mais suscetíveis ao processo erosional diz respeito às classes de pastagem e queimadas. Desta forma, observa-se que as classes de erosão hídrica nas bacias são consideradas moderada, grave e muito grave pelo estudo da Food and Agriculture Organization (FAO) de 1984, ainda que represente somente 19% da área da bacia do Macacão e 24% da bacia do Córrego Mutum.

 

 

Loss of soil in the high course of hydrographic basins of ribeirões Taquaruçu Grande and Taquaruçuzinho, Palmas (TO)

 

A B S T R A C T

The application of mathematical models in the analysis of soil loss in watersheds gained attention in the 1960s and 1970s from the integrated analysis of the landscape. In this context, the Universal Soil Loss Equation (EUPS) stood out as one of the most used models worldwide in the knowledge of erosion processes and in environmental planning. Therefore, this study aims to estimate soil losses in the hydrographic basins of the Macacão and Mutum streams, located in the municipality of Palmas (TO). The results demonstrate that the studied areas suffered from a high power of erosivity (R) over the years 1995 to 2019, with values between 12.188 to 12.319 t/ha MJ-1 mm-1. As for the soil, the Neosol Litolic Dystrophic (RLD) has the highest erodibility value (K), 0.049 t/ha MJ-1 mm-1. Regarding the topographic factor (LS), about 80% of the basin areas show LS values considered low, situated between 0.029 to 1.86, and 1.86 to 4.30. As for the factor related to the use and management of soil and conservation practices (CP), the areas most susceptible to the erosion process concern the grazing and burning classes. Thus, it is observed that the classes of water erosion in the basins are considered moderate, severe and very severe by the Food and Agriculture Organization (FAO) study of 1984, although it represents only 19% of the area of the Macacão basin and 24% of the Mutum Stream basin.

Keywords: Water erosion. Hydrographic basin. USLE.

 


Palavras-chave


Palavras-chave: Erosão hídrica. Bacia hidrográfica. EUPS.

Texto completo:

PDF

Referências


ANA. Agência Nacional de Água, 2019. Séries históricas de estações. Disponível em: http://www.snirh.gov.br/hidroweb/serieshistoricas. Acesso em: 10 mar. 2019.

Bertoni, J., Lombardi Neto, F., 2017. Conservação do solo, 10 ed. Ícone, São Paulo.

Carvalho, N.O., 2008. Hidrossedimentologia prática, 2 ed. Interciência, Rio de Janeiro.

Chaves, H.M.L., 1996. Modelagem matemática da erosão hídrica: passado, presente e futuro, in: Alvarez, V.V.H., Fontes, L.E.F., Fontes, M.P.F. (Eds.). O solo nos grandes domínios morfoclimáticos do Brasil e o desenvolvimento sustentado. Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, Viçosa, pp. 731-750.

Chaves, H.M.L., 2012. Projeto produtor de água, bacia do rio Taquarussu. 2º Relatório de Consultoria, Produto D.1 Consultor: Henrique M.L. Chaves, PhD, TNC-SANEATINS.

Cunha, E.R., Bacani, V.M., Sakamoto, A.Y., 2015. Utilização de imagem de alta resolução espacial para o mapeamento de uso da terra e cobertura vegetal. Geografia Ensino & Pesquisa 19, 65-74.

Demarchi, J.C., Piroli, E.L., Zimback, C.R.L., 2019. Estimativa de perda de solos por erosão laminar e linear na bacia hidrográfica do Ribeirão das Perobas. R. Ra’e Ga. 46, 110-131.

Desmet, P.J.J., Govers, G.A., 1996. GIS procedure for automatically calculating the USLE LS factor on topographically complex landscape units. Journal of Soil and Water Conservation, Ankeney 51, 427-433.

Durães, M.F., Mello, C.R., 2016. Distribuição espacial da erosão potencial e atual do solo na bacia hidrográfica do rio Sapucaí, MG. Eng. Sanit. Ambient. 21, 677-685.

EMBRAPA. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária, 2015. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos. Reunião Técnica de Levantamento de Solos, 10, Rio de Janeiro.

FAO. Food and Agriculture Organization, 1984. Metodología provisional para la evaluación de la degradación de los suelos. Programa de las Naciones Unidas para el Medio Ambiente. Roma. 86 p.

Furlan, A.R., Filipini, R.C., Reis, J.T., 2016. Os diferentes tipos de uso e cobertura da terra e sua influência nos parâmetros de qualidade da água. Ciência e natureza 38, 1319-1331.

Gonçalves, A.K., Silveira, G.R.P., Barros, Z.X., Campos, S., 2015. Métodos de classificação supervisionada de imagem de satélite aplicadas no mapeamento do uso do solo na bacia hidrográfica do ribeirão Santo Antônio, São Manuel/SP. Geosaberes 6, 52-62.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, 2013. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/geociencias/downloads-geociencias.html. Acesso em: 20 maio 2020.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia, 2020. Dados históricos. Disponível em: https://portal.inmet.gov.br/dadoshistoricos. Acesso em: 10 fev. 2020.

José, B.A., Cristiano, P., 2018. Distribuição espacial e temporal da erosividade das chuvas no estado de Santa Catarina. Revista Brasileira de Climatologia 22, 381-403.

Lima, G.S.A., Ferreira, N.C., Ferreira, M.E., 2018. Modelagem da perda superficial de solo para canários de agricultura e pastagem na região metropolitana de Goiânia. Rev. Bras. de Cartografia 70, 1510-1536.

Lombardi Neto, F., Moldenhauer, W.C., 1992. Erosividade da chuva: sua distribuição e relação com as perdas de solo em Campinas (SP). Bragantia 51, 189-196.

Mantovani, V.A., Amorim, J.S., Rodrigues, A.F., Junqueira, R., Carvalho, R.N., Oliveira, A.S., 2018. Estimativa da taxa de entrega de sedimentos e áreas suscetíveis à erosão em uma bacia hidrográfica no sul de Minas Gerais. Revista da Universidade Vale do Rio Verde, 16, n. 2.

Morais, R.C.S., Sales, M.C.L., 2017. Estimativa do potencial natural de erosão dos solos da bacia hidrográfica do Alto Gurguéia, Piauí-Brasil, com uso de Sistema de Informação Geográfica. Caderno de Geografia [Online] 27, número especial 1. Disponível em: https://doi.org/10.5752/p.2318-2962.2017v27n esp1p84. Acesso: 6 abr. 2020.

Morais, R.C.S., Silva, A.J.O., 2020. Estimativa do potencial natural de erosão dos solos na bacia hidrográfica do rio Longá. GEOTemas 10, 116-137.

Raimo, L.A.L., Amorim, R.S.S., Couto, E.G., Nóbrega, R.L.B., Torres, G.N., Bocuti, E.D., Almeida, C.O.S.A., Rodrigues, R.V., 2018. Spatio-temporal variability of erosivity in Mato Grosso, Brazil. Rev. Ambient. Água 13, 2276.

Ribeiro, J.F., Walter, B.M.T., 2008. As principais fitofisionomias do bioma Cerrado, in: Sano, S.M., Almeida, S.P., Ribeiro, J.F., Ecologia e flora 1, Embrapa, 152-212.

Santos, D.B.O., Blanco, C.J.C., Pessoa, F.C.L., 2015. RUSLE para determinação da tolerância de perda de solo. Biota Amazônia 5, 78-83.

Santos, P.T., Martins, A.P., 2018. Análise da vulnerabilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Claro, Goiás. Revista do Departamento de Geografia 36, 155-170.

SEPLAN. Secretaria de Planejamento e Meio Ambiente, 2012. Bases vetoriais. Disponível em:http://www.sefaz.to.gov.br/zoneamento/bases-vetoriais/bases-vetoriais/base-de-dados-geograficos-do-tocantins---atualizacao-2012/. Acesso em: 15 abr. 2020.

Silva, A.M., 2004. Rainfall erosivity map for Brazil. Catena 57, 251-259.

Sousa, F.R.C., Paula, D.P., 2019. Análise de perda do solo por erosão na bacia hidrográfica do Rio Coreaú (Ceará-Brasil). Rev. Bras. Geomorfol. 20, 491-507.

Teixeira, M.B., Teixeira, C. de, Luiz, P., Martins Junior, P.P., 2017. Avaliação da perda universal de solos para o município de São Francisco - Minas Gerais. Rev. Geogr. Acadêmica 11, 67-78.

Tavares Filho, J., 2016. Física e conservação do solo e água. Editora Eduel, Londrina.

Trindade, A.L.F., Oliveira, P.T.S., Anache, A.A., Wendland, E., 2016. Variabilidade espacial da erosividade das chuvas no Brasil. Pesq. agropec. brasileira, 51, 1918-1928.

Vansan, A.P., Tomazoni, J.C., 2020. Uso de técnicas de geoprocessamento para estudo da erosão hídrica laminar em microbacia hidrográfica do sudoeste do Paraná. Revista Brasileira de Geografia Física 13, 1117-1131.

Xavier, J.P.S., Barros, A.H.C., Webber, D.C., Accioly, L.J.O., Marques, F.A., Filho, J.C.A., Silva, B., 2019. Estimativa da erosividade da chuva por diferentes métodos e seu impacto na equação universal de perdas de solo, no semiárido pernambucano. Revista Brasileira de Geografia Física 12, 859-875.

Wischmeier, W.H., Smith, D.D., 1978. Predicting rainfall erosion losses – a guide to conservation planning. Department of Agriculture. Washington, U.S.




DOI: https://doi.org/10.26848/rbgf.v14.1.p332-339

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.

      

Revista Brasileira de Geografia Física - ISSN: 1984-2295

Creative Commons License
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License