Línguas estrangeiras e outras relações possíveis com a escola pública

Joice Armani Galli, Elizabeth Camelo

Resumo


A construção do conhecimento linguístico na educação brasileira tem sido uma temática necessária para a reflexão sobre políticas de formação cidadã. Tendo em vista o cenário atual, que traz desafios às Línguas Estrangeiras (LE), principalmente para a Educação Básica, objetiva-se discorrer neste artigo sobre possibilidades de relação entre línguas e escola pública. A partir da leitura da BNCC (2017), propomos a discussão de questões relativas à formação docente e ao trabalho com LE na perspectiva do letramento, apoiando-nos em Street (2014) e Soares (2017) e, no que tange a políticas linguísticas, nos valemos de Calvet, (2007) e Rajagopalan (2011).


Texto completo:

PDF

Referências


AUBIN, S. & GALLI, J. 2015. Motiver à l’enseignement du français au Brésil. In : Le Français Dans Le Monde. Numéro 397/Janvier-Février. Paris: CLE International. P. 34 et 35.

BLANCHET, P. CHARDENET, P. Guide pour la recherche en didactique des langues et des cultures. Approches contextualisées. Paris: Éditions des Archives Contemporaines, 2011.

BOHN, H. I. As exigências da pós-modernidade sobre a pesquisa em Linguística Aplicada no Brasil. In: FREIRE, M. et al. Linguística Aplicada e Contemporaneidade. São Paulo: ALAB; Campinas, SP: Pontes Editores, 2005, p. 11-23.

BRASIL. Ministério da Educação. Base nacional comum curricular. Brasília, DF: MEC, 2017. Disponível em: < http://basenacionalcomum.mec.gov.br/>. Acesso em: 28 ago. 2018.

______. Ministério da educação. Secretaria da Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais: Ensino Fundamental. Brasília: Ministério da Educação, 1998.

______. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Linguagens, Códigos e suas Tecnologias. Brasília. Ministério da Educação, 2006.

BUNZEN, Clécio. Apresentação. In: STREET, Brian. Letramentos sociais. Trad. Marcos Bagno. São Paulo: Parábola Editorial, 2014.

CALVET, L-J. As políticas linguísticas. São Paulo: Parábola Editorial: IPOL, 2007.

CHAURAUDEAU, P. Les stéréotypes, c’est bien. Les imaginaires, c’est mieux in Boyer H. (dir.), Stéréotypage, stéréotypes : fonctionnements ordinaires et mises en scène, L’Harmattan, Paris, 2007.

COLEÇÃO PROFESSOR CARLOS MACIEL : Subsídios para organização da prática pedagógica nas escolas. Língua Inglesa. Secretaria de Educação e Esportes. Diretoria de Educação Escolar. Recife, 1997.

ESTADO DE PERNAMBUCO. Parâmetros para a Educação Básica de Pernambuco. Secretaria de Estado de Educação, 2013.

______. Orientações Teórico Metodológicas para o Ensino Médio. Secretaria de Estado de Educação, 2012.

GALLI, J. A. Des représentantions culturelles dans l’enseignement-apprentissage de français: la langue comme signe d’altérité dans le programme Brafitec. In : Mobilités, Réseaux et interculturalités, nouveaux défis pour la recherche scientifique et la pratique professionnelle. Collections Espaces Interculturels. Orgs. COSTA-FERNANDEZ, DENOUX et LESCARRET. Éditions de L’Harmattan, 2018, p. 249-260.

_____. La notion d’interculturel et l’enseignement-apprentissage des langues étrangères au Brésil: représentations et réalités du français. In: Synergies Brésil – Territoires et expériences de la francophonie en Amérique du Sud et ailleurs. Número 12, GERFLINT, 2017a, p. 81-102.

http://gerflint.fr/Base/Bresil12/armani_galli.pdf

______. Línguas estrangeiras: formação e pesquisa nas Letras, consciência política e social. In: GELNE 40 ANOS: experiências teóricas e práticas nas pesquisas em Linguística e Literatura. São Paulo: Blucher, 2017b, p. 231-252.

file:///C:/Users/Joice%20Armani%20Galli/Downloads/1373.pdf

_____. As línguas estrangeiras como política de educação pública plurilíngue. In: GALLI et al. Línguas que botam a boca no mundo: reflexões sobre teorias e práticas de línguas. Recife: EDUFPE, 2011. p. 15 - 36.

LAGARES, X. C. Qual política linguística? Desafios glotopolíticos contemporâneos. São Paulo: Parábola Editorial, 2018.

LEFFA, Vilson J. O ensino de línguas estrangeiras no contexto nacional. Contexturas, APLIESP, n.4, p. 13 – 24, 1999.

LIBERALI, F. C. Atividade Social nas aulas de língua estrangeira. São Paulo: Moderna, 2009.

MARCUSCHI, L. A. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. 3 ed. São Paulo: Parábola, 2008.

MOITA LOPES, L.P. Por uma linguística indisciplinar. São Paulo: Parábola Editorial, 2006.

RAJAGOPALAN, K. Vencer barreiras e emergir das adversidades com pleno êxito, sempre com o pé no chão. In: LIMA, DC de. Inglês em escolas públicas não funciona. Uma questão, múltiplos olhares. São Paulo: Parábola Editorial, 2011, p. 55 – 65.

SILVA, T.T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

¬¬¬¬SOARES, M. Alfabetização e letramento. São Paulo: Editora Contexto, 2017.

SOUZA et al. A área de política e planejamento linguístico: as práticas de pesquisa. In: ATAÍDE, C. Cartografia das pesquisas em linguística e literatura no NE: um mapeamento das microáreas. São Paulo: Editora Contexto, 2019 (no prelo)

STREET, B. Letramentos sociais: abordagens críticas do letramento no desenvolvimento, na etnográfica e na educação. São Paulo: Parábola Editorial. 2014.






Revista Investigações - Linguística e Teoria Literária. Programa de Pós-graduação em Letras da Universidade Federal de Pernambuco.

ISSN Edição Digital 2175-294X - ISSN Edições Impressas 0104-1320

www.ufpe.br/pgletras - www.pgletras.com.br 

Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.