O FEMINISMO DE PRIMEIRA ONDA NO INTERIOR DE MINAS GERAIS PELAS MÃOS DE MARIA DE LOURDES TEIXEIRA

Nayara Aparecida de Moura, Simone Maria dos Santos

Resumo


Durante séculos, as mulheres foram apagadas da História; sem sobrenome, participação efetiva ou voz ativa, elas se comparavam a fantasmas que andavam pelo mundo sem deixar rastros. Contra este cenário, emerge, na Europa do século XVIII, o Feminismo de Primeira Onda e, em consonância com este movimento, no século XIX, têm-se a Primeira Onda do Feminismo no Brasil. As feministas utilizaram as letras como estratégia de militância na luta pela emancipação feminina e pela conquista de direitos. Adentrando gradualmente no universo jornalístico tradicionalmente masculino, as mulheres ganharam visibilidade, força e espaço para suas lutas de gênero. Nessa perspectiva, buscou-se investigar e analisar a primeira onda do movimento feminista no interior de Minas Gerais, em Divinópolis, a partir dos escritos de Maria de Lourdes Teixeira, professora e escritora, no jornal A Estrella da Oeste entre 1922 e 1923.


Palavras-chave


Movimento Feminista; Jornais; Igualdade de Gênero; Escrita Feminina

Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, Lourdes; MELO, Hildete Pereira. Memórias das Lutas Feministas no Brasil. In: Tempos e Memórias do Feminismo no Brasil. Brasília: Secretaria de Políticas para as Mulheres - SPM, 2010.

BOURIDEU, Pierre. A Dominação Masculina. Tradução: Maria Helena Kühner. - 11° ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

CAPELATO, Maria Helena Rolim. A imprensa na história do Brasil. São Paulo: Contexto/EDUSP, 1988.

CASADEI, Eliza Bachega. A inserção das mulheres no jornalismo e a imprensa alternativa: primeiras experiências do final do século XIX. Revista Alterjor, Grupo de Estudos Alterjor: Jornalismo Popular e Alternativo (ECA-USP). Ano 02– Volume 01 Edição 03 – Janeiro-Junho de 2011.

CASTRO, Mary Garcia. Marxismo, feminismos e feminismo marxista – mais que um gênero em tempos neoliberais. Crítica Marxista, n. 11, São Paulo, p. 98-108, 2000. (Dossiê Marxismo e Feminismo).

COSTA, Ana Alice A. O Movimento Feminista no Brasil: dinâmica de uma intervenção política. In: MELO, H. P et al (ORG). Olhares Feministas. Brasília: Ministério da Educação: UNESCO, 2006.

__________________.; SARDENBERG, Cecília Maria B. Feminismos, feministas e movimentos sociais. In. BRANDÃO, Maria Luiza e BINGEMER, Maria Clara (org). Mulher e Relações de gênero. São Paulo: Loyola, 1994.

__________________.; SARDENBERG, Cecília Maria B. O feminismo no Brasil: uma (breve) retrospectiva. In: COSTA, Ana Alice A.; SARDENBERG, Cecília Maria B (ORG). O Feminismo do Brasil: reflexões teóricas e perspectivas. Salvador: UFBA / Núcleo de Estudos Interdisciplinares sobre a Mulher, 2008.

COSTA, Suely Gomes. Onda, rizoma e sororidade como metáforas: representações de mulheres e dos feminismos. (Paris, Rio de Janeiro: anos 70/80 do século XX). Revista IINTERThesis, Florianópolia, vol. 6, nº 2, 2009.

DAVIS, Angela. Mulheres, raça e classe [recurso eletrônico]; tradução Heci Regina Candiani. - 1. ed. - São Paulo : Boitempo, 2016.

DUARTE, Constância de Lima. Feminismo e Literatura no Brasil. Estudos Avançados, São Paulo, v. 17, n. 49, p. 81-90, 2003.

GOMES, Gisele Ambrósio. Entre o público e o privado: a construção do feminino no Brasil dos oitocentos, 1827-1846. 140 p. Dissertação (Mestrado em História) – Universidade Federal de Juiz de Fora, Minas Gerais. 2009

HAHNER, Jane E. A Mulher Brasileira e suas Lutas Sociais e Políticas: 1850 1937. São Paulo: Brasiliense, 1981.

IANNI, Octavio. A crise de paradigmas da Sociologia. Revista Brasileira de Ciências Sociais (RBCS), n.13, 1990.

LIPOVESTKY, Gilles. Os tempos hipermodernos. São Paulo: Editora Barcarolla, 2004.

MARQUES, Teresa Cristina N. Elas Também Desejam Participar da Vida Pública: várias formas de participação política feminina entre 1850 e 1932. In: MELO, H. P et al (ORG). Olhares Feministas. Brasília: Ministério da Educação: UNESCO, 2006.

MADURO, Daniela. Entre textões e escritões: a narrativa projetada. In: Narrativa e Media: géneros, figuras e contextos. Imprensa da Universidade de Coimbra, 2017.

MUZART, Zahidé. Feminismo e literatura ou quando a mulher começou a falar. In: PINTO, Celi Regina Jardim. Uma História do Feminismo no Brasil. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2003.

______________________. Feminismo, História e Poder. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, vol. 18, nº 36, Jun. 2010. Disponível em: . Acesso em 05 jun. 2017.

PEDRO, Joana Maria. Traduzindo o debate: o uso da categoria gênero na pesquisa histórica. História, São Paulo, v.24, N.1, P.77-98, 2005.

_________________. O Feminismo de “Segunda Onda”. Corpo, Prazer e Trabalho. In PINSKY, Carla Bassanezi; PEDRO, Joana Maria (Org.). Nova História das mulheres no Brasil.1. ed., 1ª reimpressão. São Paulo : Contexto, 2013.

PERROT, Michelle. Minha história das mulheres. São Paulo: Contexto, 2007.

_______________. Os Excluídos da História: Operários, Mulheres e Prisioneiros. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

RAGO, Margareth. Os feminismos no Brasil: dos “anos de chumbo” à era global. Labryz, Estudos Feministas, Brasília. n. 3, jan./jul., 2003. Disponível em: Acesso: 6 fevereiro 2017.

RAFAEL, G. G. Jornais, romance-folhetim e a leitura feminina no século XIX: influências transatlânticas?. IRIS - Revista de Informação, Memória e Tecnologia, v. 1, n. 1, p. 32-42, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 Ago. 2017.

SOIHET, Rachel. História das mulheres. In: CARDOSO, C. F.; VAINFAS, R. (Org.). Domínios da História. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

___________. Feminismo ou feminismos? Uma questão no Rio de Janeiro nos anos 1970/1980. In: Seminário Internacional Fazendo Gênero 7, Florianópolis, 2006 (Simpósio Temático: Os feminismos latino-americanos e suas múltiplas temporalidades no século XX).

TELLES, Maria Amélia de Almeida. Breve História do Feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1993;

TELLES, Norma. Escritoras, Escritas, Escrituras. In: PIORE, Mary (Org.). História das mulheres no Brasil. 7. ed. – São Paulo : Contexto, 2004.

THOMPSON, John B. Ideologia e cultura moderna: teoria social crítica na era dos meios de comunicação de massa. Petrópolis: Vozes, 2002.

VANIN, Iole Macedo. Feminismo Verso “Anti-feminismo” Embates Baianos. In: BONNETI, Alinne; SOUZA, Ângela Maria Freire Lima (Org.). Gênero, Mulheres e Feminismos. Salvador: EDUFBA: NEIM, 2011.

ZICMAN, Renée Barata. História Através da Imprensa – Algumas Considerações Metodológicas. Revista História e Historiografia. São Paulo, n. 4, p. 89-102, jun. 1985.

ZIRBEL, Ilze. Estudos Feministas e Estudos de Gênero no Brasil: Um Debate. 212 p. Dissertação (Mestrado em Sociologia Política) – Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis, 2013..




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2018.v1.n2.p78-109



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.