ASCENSÃO E COLAPSO DA RAZÃO INSTRUMENTAL NEOLIBERAL

Leomir Cardoso Hilário

Resumo


O ponto de partida desse ensaio é o de que a noção de razão instrumental – elaborada por Adorno e Horkheimer nos anos 40 do século XX – ainda nos permite compreender a sociedade capitalista contemporânea. No entanto, para que essa noção produza efeitos de análise acerca da atualidade, é preciso compreender as modificações históricas que atravessam a segunda metade do século XX e o início do século XXI. Proponho, então, a noção de “razão instrumental neoliberal”, demarcando as metamorfoses da racionalidade instrumental a partir da crise capitalista dos anos 1970, periodizando dois momentos: o de sua ascensão e o de seu colapso. Após apresentar a noção a partir de Adorno e Horkheimer e depois atualizá-la por meio de Brenner, Lasch e Sennett, problematizo o que significa, em termos sociais e psíquicos, viver em tempos de declínio da racionalidade instrumental, ou, em outras palavras, numa quadra histórica na qual o horizonte da sociedade capitalista deixou de ser o da produção de subjetividade para ser a destruição do psiquismo.


Palavras-chave


Teoria Crítica; Razão Instrumental; Necropolítica; Neoliberalismo; Subjetividade

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. A dialética negativa. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2009.

ADORNO, T. O ensaio como forma. In Notas de Literatura I. São Paulo: Ed. 34, 2003.

ADORNO, T. Três estudos sobre Hegel. Rio de Janeiro: Editora UNESP, 2013.

ADORNO, T; HORKHEIMER, M. A dialética do Esclarecimento: Fragmentos filosóficos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar: 1985.

ANDERSON, P. Guerra civil, inquietação global: Robert Brenner. In Espectro: da direita à esquerda no mundo das ideias. São Paulo: Boitempo, 2012.

ANTUNES, A. Adeus ao trabalho?: Ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade no mundo do trabalho. São Paulo: Editora Cortez, 2008.

ARTOUS, A. Le fétichisme chez Marx : le marxisme comme thóerie critique. Paris : Éditions Syllepse, 2006.

BAUMAN, Z. Sobre educação e juventude. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2013.

BENJAMIN, W. Teses sobre o conceito de história. In: BENJAMIN; W. O anjo da história Lisboa: Assírio & Alvim, 2010.

BENHABIBB, S. A crítica da razão instrumental. In ZIZEK, S. (org.). Um mapa da ideologia. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BERNSTEIN, R. The idea of instrumental reason. In The Routledge Companion to the Franfkurt School. New York: Routlegde, 2019.

BIRMAN, J. Cadernos sobre o mal: agressividade, violência e crueldade. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2009.

BRENNER, R. A economia da turbulência global. Praga: Revista de Estudos Marxistas, São Paulo, n. 7, 1999.

BRENNER, R. O boom e a bolha. Rio de Janeiro: Record, 2002.

BRENNER, R. Economics Of Global Turbulence: The Advanced Capitalist Economies from Long Boom to Long Downturn, 1945-2005. New York: Verso, 2006.

BROWN, W. American Nightmare: Neoliberalism, Neoconservatism and De-Democratization. In Political Theory, Vol. 34, No. 6 (Dec., 2006), pp. 690-714.

BROWN, W. Undoing the Demos: Neoliberalism’s Stealth Revolution. New York: Zone Books, 2015.

CASTRO, F. O fracasso do projeto de ser: burnout, existência e paradoxos do trabalho. Rio de Janeiro: Garamond, 2012.

DUBIEL, H. La Teoría Crítica: Ayer y Hoy. México: UAM, 2000.

DUMÉNIL, G.; LÉVY, D. A crise do neoliberalismo. São Paulo: Boitempo, 2014.

EHRENBERG, A. La fatigue d’être soi. Dépression et société. Paris: Éditions Odile Jacob, 1998.

FORTIER, F.; LAVALLÉ, L.-F. Robert Brenner. In MARTINEAU, J. Marxisme anglo-saxon: figures contemporaines. Québec : Lux Éditeur, 2013.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: o nascimento das prisões. Petrópolis: Vozes, 1987.

GANDLER, S. Fragmentos de Frankfurt: ensayos sobre la teoría crítica. México: Siglo XXI Editores, 2009.

GEISELBERGER, H. (org.). A Grande Regressão: um debate internacional sobre os novos populismos – e como enfrentá-los. São Paulo: Estação Liberdade, 2019.

GENTILI, P. Educar para o desemprego: a desintegração da promessa integradora. In FRIGOTTO, G. (org.). Educação e crise do trabalho. Petrópolis: Ed. Vozes, 2012.

HABERMAS, J. Teoria do Agir Comunicativo: racionalidade da ação e racionalização social. São Paulo: WWF Martins Fontes, 2012.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

HABERMAS, J. Perfiles filosófico-políticos. Madrid: Taurus, 1975.

HAN, B.-C. A sociedade do cansaço. Petrópolis: Vozes, 2015.

HEGEL, F. Princípios de Filosofia do Direito. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

HORKHEIMER, M. A presente situação da filosofia social. In Praga: Estudos Marxistas, 7, 1999, pp. 121-132.

HORKHEIMER, M. Eclipse da razão. São Paulo: Centauro, 2002.

JAPPE, A. A sociedade autofágica: capitalismo, desmesura e autodestruição. Lisboa: Antígona, 2019.

JAPPE, A. As aventuras da mercadoria: para uma nova crítica do valor. Lisboa: Antígona, 2006.

JAPPE, A. Crédito à morte : a decomposição do capitalismo e suas críticas. São Paulo: Hedra, 2013.

JAY, M. A imaginação dialética: História da Escola de Frankfurt e do Instituto de Pesquisas Sociais, 1923-1950. Rio de Janeiro: Contraponto, 2008.

JEFFRIES, S. Grande Hotel Abismo: A Escola de Frankfurt e seus personagens. São Paulo: Companhia das Letras, 2018.

KELLNER, D. Guys and Guns Amok. New York: Rotledge, 2008.

KURZ, R. A crise do valor de troca. Rio de Janeiro: Consequência, 2018a.

KURZ, R. A honra perdida do trabalho. Lisboa: Antígona, 2018b.

KURZ, R. A pulsão de morte da concorrência: assassinos amoque e suicidas como sujeitos da crise. Jornal Folha de São Paulo, ano 82, nº 15.357, 26 mai. 2002.

KURZ, R. Dinheiro sem valor – linhas gerais para uma transformação da crítica da economia política. Lisboa: Antígona, 2014.

KURZ, R. O colapso da modernização: da derrocada do socialismo de caserna à crise da economia mundial. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1993.

LASCH, C. A cultura do narcisismo: a vida americana numa Era de Esperanças em Declínio. Rio de Janeiro: Imago, 1983.

LASCH, C. O mínimo eu: sobrevivência psíquica em tempos difíceis. São Paulo: Brasiliense, 1986.

LÖWY, M. A jaula de aço: Max Weber e o marxismo weberiano. São Paulo: Boitempo, 2014.

LÚKACS, G. História e Consciência de Classe: Estudos sobre a dialética marxista. São Paulo: Martins Fontes, 2003.

MARX, K. O capital: crítica da economia política: Livro I: o processo de produção do capital. São Paulo: Abril Cultural, 1983.

MARX, K.; ENGELS, F. Manifesto comunista. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARTINEAU, J. Marxisme anglo-saxon: figures contemporaines. Québec : Lux Éditeur, 2013.

MBEMBE, A. Necropolitics. Public Culture, v. 15, p. 11-40, 2003.

MBEMBE, A. Necropolítica, una revisión crítica, in Helena Chávez Mac Gregor (Coord.), Estética y violencia: Necropolítica, militarización y vidas lloradas, UNAM-MUAC, México, 2012.

MENEGAT, M. A crítica do capitalismo em tempos de catástrofe. Rio de Janeiro: Consequência, 2019.

MENEGAT, M. Estudos sobre Ruínas. Rio de Janeiro: Revan, 2012.

MENEGAT, M. Depois do fim do mundo: a crise da modernidade e a barbárie. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

MENEGAT, M. O olho da barbárie. São Paulo: Expressão Popular, 2006.

MENEGAT, M. Violência e Barbárie: um pequeno estudo sobre as origens remotas do bolsonarismo. In Argum., Vitória, v. 11, n. 2, p. 7-16 maio/ago. 2019.

OGILVIE, B. L’Homme Jetable. Essai sur l’exterminisme et la violence extrême. Paris : Editions Amsterdam, 2012.

PAHL, R. Depois do sucesso: ansiedade e identidade. São Paulo: UNESP, 1997.

PECK, J.; THEODORE, N.; BRENNER, N. Mal-estar no pós-neoliberalismo. Novos estud. - CEBRAP, São Paulo , n. 92, p. 59-78, Mar. 2012 .

PEREIRA, S. W. As pulsões de morte e seus derivados: os avatares da teoria. Rio de Janeiro: UFRJ, CFCH, IP, 2006.

PIERUCCI, A. F. O desencantamento do mundo. São Paulo: Ed. 34, 2013.

POLLOCK, F. State Capitalism: Its Possibilities and Limitations. In ARATO, A.; GEBHARDT, E. The Essential Frankfurt School Reader. New York: Continuum, 1990.

SENNETT, R. A corrosão do caráter: consequências pessoais do trabalho no novo capitalismo. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2014.

SOARES, J. C. A crise da sociedade contemporânea e o sofrimento psíquico. In Revista Ciências Humanas, Rio de Janeiro, v. 23, n. 1-2, pp. 220-231, jun.-dez. 2000.

SOARES, J. C. Escola de Frankfurt: unindo materialismo e psicanálise na construção de uma psicologia social marginal. In: JACO-VILELA, A.; FERREIRA, A; PORTUGAL, F. (Orgs.). História da psicologia: rumos e percursos. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2008.

SOFSKY, W. Tiempos de horror: Amok, violencia, guerra. Madrid: Siglo XXI, 2004.

STREECK, W. Tempo Comprado: a crise adiada do capitalismo democrático. Lisboa: Editora Actual, 2013.

WEBER, M. Economia e sociedade: Fundamentos da sociologia compreensiva. Vol. 2. São Paulo: Editora UnB, 2004.

WIGGERSHAUS, R. A Escola de Frankfurt: história, desenvolvimento teórico, significação política. Rio de Janeiro: DIFEL, 2002.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2020.v3.n11.p174-201



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.