O carpe diem e o vinho na lírica barroca e árcade de língua portuguesa

Cláudia Oliveira Silva Rocha, Juliana Santos Pacheco

Resumo


Uma das formas de dialogar com a lírica tradicional é a utilização de lugares-comuns, ou tópoi - esquemas poéticos clássicos ou medievais apropriados por autores de diversos períodos literários. Um dos mais recorrentes e o escolhido para este trabalho é o carpe diem, consagrado por Horácio na ode no 11 do Livro das Odes de Horácio. No entanto, a escolha desse topos se deu pela relação desse convite a viver o momento com o consumo do vinho – relação presente tanto na lírica tradicional quanto nos poemas “Paro, reparo, tenho e envido e pico do poeta português António Barbosa Bacelar, “Ao mesmo assunto do baptizado do poeta baiano Gregório de Matos, e “Ode 8 do poeta português Luís António Vernei. Nesse sentido, este trabalho coteja esses poemas com alguns da Antiguidade greco-latina dedicados ao tema para identificar como esses autores se valeram desse esquema poético. Como fundamentação teórica, utilizou-se a obra Lírica e lugar-comum (1994) de Francisco Achcar e a Literatura Européia e Idade Média Latina (1979) de Ernst Robert Curtius - referência no método de investigação tópica.


Palavras-chave


Literatura Comparada; Poesia

Referências


BOCAGE, M. M. B. D. Soneto e outros poemas. São Paulo: FTD, 1994.

ACHCAR, F. Lírica e lugar-comum: alguns temas de Horácio e sua presença em português. São Paulo: Edusp, 1994.

ANTUNES, C. L. B. Entre amores ébrios e fazer artístico: tópoi e poiesis nas Anacreônticas. Estudos Linguísticos e literários. Salvador, n. 55, núm. Especial. 2016, pp. 374-385. Disponível em:. Acesso em 25 de novembro de 2018.

COUSIN. A. Odes de Anacreonte e suas traduções. Rio de Janeiro: Achiamé, 1983.

CURTIUS, E. R. Literatura europeia e Idade Média latina. Tradução de Teodoro Cabral. Brasília: Instituto Nacional do Livro, 1979.

DETIENNE, M. Dioniso a céu aberto. Tradução de Carmem Cavalcanti. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1988.

GONZAGA, T. A. Marília de Dirceu. 2. ed. – Barueri, SP: Ciranda Cultural, 2017.

MATOS, G. de. Seleção de Obras Poéticas, 1998. Disponível em: . Acesso em 30 de novembro de 2018.

PENNA, H. M. M. M. Implicações da Métrica nas Odes de Horácio. 2007. Tese (Doutorado em Letras Clássicas) – Pós-Graduação em Letras Clássicas da Universidade de São Paulo. São Paulo.

TOPA, F. E ferva o Baco – Gregório de Matos e Bacelar. Porto: Revista da Faculdade de Letras – Línguas e Literaturas, II Série, vol. XVIII, pp. 505 – 510. 2001. Disponível em: . Acesso em 10 de novembro de 2018.

_____. Poesia inédita de Luís António Vernei. Edição do Autor. Porto, 2001. Disponível em: . Acesso em 10 de novembro de 2018.

TRINGALI, D. Horácio, poeta da festa. Navegar não é preciso. 28 odes latim, português. São Paulo: Musa editora, 1985.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.