A subversão dos valores épico-heroicos no fragmento 4w de Arquíloco

Letícia Mª Quintella Viana

Resumo


O objetivo deste estudo é analisar o fragmento 4w, de Arquíloco, buscando identificar os recursos linguísticos-literários utilizados pelo poeta, numa linguagem irônica e incisiva, que auxiliam o texto a atingir sua finalidade semântica: realizar a subversão de caracteres pertencentes ao universo guerreiro. Para tanto, traduziremos o texto de forma instrumental, isto é, mantendo a tradução do poema grego o mais próximo possível do original, para que, assim, nos possibilitemos maior acuidade durante a análise. No decorrer da pesquisa, percebemos que a fortuna crítica acerca da vida do autor diverge em alguns posicionamentos, pois não se dispõe de dados biográficos precisos a seu respeito. Portanto, para tratar dessa questão e dos comentários acerca do subgênero da lírica grega, elegia, em que Arquíloco escreve, utilizaremos o aporte teórico de Pessanha (1989), Ferreira (2007), Rosenfeld (2002) e de outras leituras que foram suscitadas a partir destes. Esperamos, então, identificar e explicitar, de maneira profícua, as imagens construídas pelo poeta, para que possamos, deste modo, entender como a formação dos versos e a escolha de determinadas palavras contribuem para que a subversão dos valores bélicos seja simulada no poema.


Palavras-chave


Arquíloco; Elegia; Lírica Grega

Referências


ADRADOS, Francisco Rodríguez. El mundo de la lírica griega. Madrid: Alianza Editorial – 1981.

ANTUNES, Leonardo Bonturim. Ritmo e sonoridade na poesia grega antiga: uma tradução comentada de 23 poemas. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/USP, 2009, 136f.

ARISTÓTELES. Poética. Tradução: Paulo Pinheiro. 2ª edição. São Paulo: Editora 34 – 2017.

BRUNHARA, Rafael de Carvalho Maitello. Elegia grega arcaica, ocasião de performance e tradição épica: o caso de Tirteu. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/USP, 2012, 291f.

CORRÊA, Paula Cunha. Armas e Varões. A guerra na lírica de Arquíloco. São Paulo: UNESP, 1998.

De FALCO, V. et al. Os elegíacos gregos – de Calino a Crates. São Paulo: Brusco – 1941.

FERREIRA, Moisés Olímpio. Arquíloco de Paros e o Fr. 19 West. In: Revista Classica. Brasil: Publicado pela SBEC, 2007, p. 125 – 148.

GENTILI, Bruno. La metrica dei Greci. Firenze: Casa Editrice G. D’ Anna – s/d.

HÉRODOTE. Histories. Tradução: Ph. E. Legrand. Paris: Les Belles Lettres – 1964 – 1968. 10v.

HOMERO. Ilíada. Tradução: Carlos Alberto Nunes. 25ª edição. Rio de Janeiro: Nova Fronteira – 2015.

HOMERO. Ilíada. Tradução: Trajano Vieira. 1ª edição. São Paulo: Editora 34 – 2020.

KIRKWOOD, G. M. Archilochus and the beginning of extant lyric poetry. In: Early Greek Poetry. Ithaca and London: Cornell University Press, s/d, p. 20 – 52.

LASSERE, François. Archiloque et la fille aux cheveux blonds. In: L’Antiquité Classique, 1975, p. 506 – 530.

LOPES, Daniel Rossi Nunes. Métrica grega. São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas/USP, 2006, 4f. Diponível em: https://edisciplinas.usp.br/. Acessado em: 30/04/2020.

LOUREIRO, Thiago Castañon. Paradigma do sujeito e formas líricas. In: Revista A!. Rio de Janeiro: Conselho editorial da Revista A!, 2014, p. 83 – 112.

MULLIGAN, Bret. et al. Archilochus 196A (West): “The Cologne Epode”. Haverfod College & Bryn Mawr College – 2012. Disponível em: http://www.aoidoi.org/poets/archil/Archilochus-196A-Aoidoi.pdf. Acessado em: 28/04/2020.

PARRY, Milman. L’épithète traditionnelle dans Homère. Paris: Les Belles Lettres – 1928.

PEREIRA, Maria Helena da Rocha. Fórmulas e epítetos na linguagem homérica. São Paulo: Alfa Editora – 1984.

PESSANHA, Nely Maria. A poesia de Arquíloco. Rio de Janeiro: Faculdade de Letras/UFRJ, 1989, 150f.

PFEIFFER, Rudolf. History of classical scholarship. Oxford: Clarendon Press – 1968.

ROSENFELD, Anatol. O teatro épico. 4ª edição. São Paulo: Ed. Perspectiva – 2002.

SEIDENSTICKER, Bernd. Archilochus and Odysseus. S/d. Diponível em: https://grbs.library.duke.edu/article/download/7541/4879. Acessado em: 28/04/2020.

SNELL, Bruno. A descoberta do espírito. Rio de Janeiro: Edições 70 – 1992.

VIEIRA, Trajano. Lírica grega, hoje. 1ª edição. São Paulo: Ed. Perspectiva – 2017.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Autor, concedendo à revista o direito à primeira publicação

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

ISSN:1984-7408

 

Licença Creative Commons
Esta revista possui trabalhos licenciados com uma Licença Creative Commons - Atribuição 4.0 Internacional.