CULTURA ORGANIZACIONAL E POLÍTICAS PÚBLICAS: GESTÃO DEMOCRÁTICA DA EDUCAÇÃO EM COIMBRA, PORTUGAL

Jamerson Kemps Moura

Resumo


O presente artigo analisa a relação entre cultura organizacional e a apropriação de políticas públicas. Concentramo-nos nas mudanças no campo educacional da cidade de Coimbra, desde o processo de redemocratização, questionando: a cultura organizacional sedimentada nas escolas desse campo educacional poderia constituir um fator de resistência ao processo de implementação da política de gestão democrática da educação? Dentre outras constatações, destacamos que a implementação de políticas públicas tem a sua viabilização diretamente ligada às formas como ela é apropriada e dinamizada em cada cultura organizacional escolar, por isso, em Estados forjados por práticas autoritárias, o recente processo de redemocratização não conseguiu reverberar o suficiente na sociedade, fazendo com que muitos dos atores sociais não viabilizem uma gestão democrática.


Palavras-chave


Educação; Gestão Democrática; Cultura Organizacional.

Texto completo:

PDF

Referências


AFONSO, Natércio. A direção Regional de Educação: um espaço de regulação intermédia. In: BARROSO, João. A regulação das políticas públicas em educação. Coimbra, 2006.

ALMEIDA, Alberto. O céu era o limite!: de agrupamento Escolas Fernando Magno. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2010.

BARROSO, João. A regulação das políticas públicas em educação. Coimbra, 2006.

_____. (org.) A regulação das políticas públicas de educação. Espaços, dinâmicas e atores. Coimbra, 2006.

BAUER, Martin & JOVCHELOVITCH, Sandra. Entrevista narrativa e Entrevista Episódica. In BAUER, M.W. & GASKELL, G. (orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Petrópolis, Vozes, pp.90-136, 2002.

CORREIA, José Alfredo. As ideologias educativas em Portugal nos últimos 25 anos, p. 83-110, Universidade do Minho, Braga: IEP, 1999.

DUPUIS, Jean P. Antropologia, cultura e organização: proposta de um modelo construtivista. In: CHANLAT, J. F. (Org.). O indivíduo nas organizações: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 2010. v.3. p. 231-252.

ELIAS, Norbert. A sociedade dos indivíduos. Rio de Janeiro: Zahar, 1994.

______. Escritos e Ensaios. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

GILL, Rosalind. Análise de discurso. In GASKELL, George e BAUER, Martin W. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. Um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2005.

GOMES, Rui. Culturas de escola e identidades dos professores. Lisboa: Educa, 1993.

_____. A globalização da escola de massas. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 61, 2001, p. 135-168.

_____. O governo da educação em Portugal. Coimbra: Imprensa da Universidade, 2005.

LIMA, LICÍNIO. Agrupamento de escolas como novo escalão da administração desconcentrada. de Revista Portuguesa Educação, vol. 17, núm. 2, 2004, pp. 7-47.

MARTINHO, Ana P. F. Clima organizacional, participação e integração dos professores do 1.º ciclo do ensino básico nos agrupamentos de escolas. 2010. Dissertação (Mestrado)- Faculdade de Psicologia e de Ciências da Educação. Universidade de Coimbra. Coimbra, 2010.

OLIVEIRA, Roberto C. Caminhos da Identidade: ensaios sobre etnicidade e multiculturalismo. São Paulo: Unesp, 2006.

PORTUGAL. Decreto-Lei n. 75/2008 de 22 de Abril de 2008. Ministério da Educação. Diário da República. Lisboa, 1ª série, n. 79, de 22 de Abril de 2008, p. 2341 a 2356.

SCHEIN, Edgar. Organizational culture and leadership. 3 ed. San Francisco: Jossey Bass, 2004.

WEBER, Silke. Políticas do ensino fundamental em revista: um debate pela democracia. In: A.O. COSTA (org.). Uma história para contar: a pesquisa na Fundação Carlos Chagas. São Paulo: Anablume, p. 57-90, 2004.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2019.v2.n7.p9-45



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.