GRUPOS DE PESQUISA COMO “ESPAÇOS DE AÇÃO POSSÍVEL”: A EXPERIÊNCIA DO LABORATÓRIO DE ESTUDOS DE POPULAÇÕES TRADICIONAIS E EDUCAÇÃO (LEPTE - IFMA) NO ENFRENTAMENTO AO RACISMO

Hemerson Moura, Luiz Augusto Sousa do Nascimento

Resumo


O objetivo do presente artigo é compartilhar a experiência do Laboratório de Estudos de Populações Tradicionais e Educação (LEPTE – IFMA) na tentativa de se constituir como centro irradiador de ações práticas de enfrentamento ao racismo e outras formas de opressão pela via educacional. Destacamos algumas ações promovidas pelo nosso grupo de pesquisa que nos caracteriza como o que Michael Aplle chama de “espaços de ação possível”. Dialogamos ético-politicamente e teoricamente com o pensamento e as propostas de Paulo Freire e de Aplle no que se refere ao engajamento dos educadores criticamente democráticos, buscando promover ações contra-hegemônicas que façam frente aos ataques dos grupos que compõem, nos termos de Aplle, a “restauração conservadora”. Avaliamos que todas as nossas ações têm nos indicado que o LEPTE vem aos poucos se consolidando na região do Médio Sertão Maranhense como um espaço de ação prática viável, produtiva e possível na luta contra todas as formas de opressão, em especial aquelas concernentes às relações étnico-raciais.

Palavras-chave


educação; Paulo Freire; Michael Apple; contra-hegemonia; enfrentamento ao racismo.

Texto completo:

PDF

Referências


APPLE, Michael W. A educação e os novos blocos hegemônicos, in Sociologia da educação. 6. ed. São Paulo: Lamparina, p. 93-122, 2007.

____________. A luta pela democracia na educação crítica, in Revista e-Curriculum, São Paulo: PUC/SP, v. 15, n. 4, p. 894-926, out./dez., 2017.

CASIMIRO, Flávio H. Calheiros. A nova direita: aparelhos de ação política e ideológica no Brasil contemporâneo. 1. ed.; São Paulo: Expressão Popular, 2018.

FRASER, Nancy. A justiça social na globalização: Redistribuição, reconhecimento e participação, in Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, n. 63, p. 7-20, 2002.

____________. O feminismo, o capitalismo e a astúcia da história, in Mediações, Londrina, v. 14, n. 2, p. 11-33, jul./dez., 2009.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. Tradução de Moacir Gadotti e Lilian Lopes Martin. 8. ed.; Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983.

____________. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

____________. À sombra desta mangueira. 10. ed.; Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012.

____________. Educação como prática da liberdade. 40. ed.; Rio de Janeiro / São Paulo: Paz e Terra, 2017a.

____________; FAUNDEZ, Antonio. Por uma pedagogia da pergunta. 8. ed.; Rio de Janeiro / São Paulo: Paz e Terra, 2017b.

____________. Pedagogia do oprimido. 68. ed.; São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GANDIN, Luís Armando; LIMA, Iana Gomes de. A perspectiva de Michael Apple para os estudos das políticas educacionais, in Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 42, n. 3, p. 651-664, jul./set., 2016.

GRAMSCI, Antonio. Os intelectuais e a organização da cultura. Tradução de Carlos Nelson Coutinho. 4. ed.; Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

NOSELLA, Paolo; AZEVEDO, Mário Luiz Neves de. A educação em Gramsci, In Revista Teoria e Prática da Educação, v. 15, n. 2, p. 25-33, maio/ago. 2012.




DOI: https://doi.org/10.32359/debin2020.v3.n10.p110-128



Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.